Manual do “kit covid”

Ministério da Saúde encomendou manual de tratamento precoce contra covid-19, diz jornal. Médico recebeu R$ 30 mil

Esta nota faz parte da nossa newsletter do dia 17 de maio. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Em novembro do ano passado, o Ministério da Saúde encomendou à Opas (a Organização Pan-Americana de Saúde, braço da OMS no continente americano) a produção de um manual para o “tratamento precoce” da covid-19. O pedido foi acatado pelo organismo, assim como a indicação do médico Ricardo Zimerman para fazer o trabalho. A descoberta d’O Globo, baseada nos documentos de contratação, está narrada na reportagem de Leandro Prazeres.

Zimerman é figurinha conhecida no círculo dos defensores de cloroquina & cia e chegou a participar, em janeiro, da equipe enviada pelo governo federal a Manaus para propagandear esse tipo de droga. Para escrever o manual, ele recebeu R$ 30 mil. O produto destoa completamente de tudo o que a Opas e a OMS preconizam e, segundo a matéria, “a contratação do médico causou desconforto entre funcionários da entidade”. O texto final, com 87 páginas, recomenda abertamente o uso de cloroquina e hidroxicloroquina e também defende o uso da ivermectina e azitromicina. Em alguns casos, Zimerman indica uma mistura contendo sulfato de hidroxicloroquina, ivermectina, azitromicina, dutasterida e bromexina.

O manual nunca chegou a ser divulgado. 

A propósito: entre setembro de dezembro do ano passado, os estados devolveram 1,5 milhão de comprimidos de cloroquina que haviam sido enviados pelo Ministério da Saúde. Mesmo assim, a pasta enviou mais 1,3 milhão, sendo 80% para aliados. A informação é do mesmo jornal.

Esta nota faz parte da nossa newsletter do dia 17 de maio. Leia a edição inteira. Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos