Brasil teve 1,5 mil suicídios por agrotóxicos na última década

Quase 30 mil pessoas foram atendidas por envenenamento com essas substâncias no período – e metade havia tentado se matar, aponta reportagem

Foto: Onze de maio

Este texto faz parte da nossa newsletter do dia 9 de outubro. Leia a edição inteira.
Para receber a news toda manhã em seu e-mail, de graça, clique aqui.

Entre 2010 e 2019, foram registrados 29 mil atendimentos de saúde por conta de intoxicações por agrotóxicos. Entre eles, nada menos que 14 mil foram por tentativas de suicídio. Ao todo, 1.589 pessoas se mataram usando venenos agrícolas no período, segundo um levantamento da Agência Pública e da Repórter Brasil. A matéria reúne uma série de evidências que relacionam o contato com agrotóxicos a alterações no sistema nervoso central que podem desencadear sintomas de depressão. Essa pode ser uma das explicações para o fato de que, no mundo todo, um quinto dos casos de suicídio acontece por auto-envenenamento com esses produtos – embora não dê para estabelecer claramente uma relação de causa e efeito, já que fatores múltiplos rodeiam cada tentativa de suicídio. 

Ocorre que é difícil separar esses fatores no caso de muitos que vivem das lavouras. Uma agricultora entrevistada, Lidia, conta que sua depressão veio junto com a deterioração da saúde física: ela, que desde os nove anos trabalhava numa fazenda de fumo, começou a ter formigamentos no corpo, perda de força muscular e paralisias, até que passou a necessitar de uma cadeira de rodas para se locomover. Aos 33 anos de idade, descobriu que não poderia mais trabalhar. “Eu já não tinha saúde, não queria perder também o meu trabalho”, diz. Só os remédios que ela precisa tomar saem por R$ 6,4 mil por mês – um dinheiro que ela não tem. Foram necessários seis anos na Justiça para conseguir o direito a receber parte deles. As sessões de fisioterapia são pagas do próprio bolso e, por isso, não acontecem na periodicidade recomendada. Os agrotóxicos que Lidia usava na plantação estão relacionados, na literatura científica, a alterações no sistema nervoso, depressão e suicídio. Mesmo que não estivessem, daria para dizer que eles não tiveram nada a ver com os problemas de saúde mental da agricultora?

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos