Alerta: Brasil atrasado na segunda dose

Queda notável no número de casos e mortes pode levar população ao descuido. Na Europa, estima-se que ele gere 500 mil mortes. Mas governo federal prefere gastar com a nota do lobo guará

Painel Atraso de Segunda Dose de Vacina/FioCruz

Na maior parte das cidades brasileiras, as ruas e bares estão voltando a se encher de gente, graças ao recuo da covid e aos dias de calor. Mas há perigo na esquina. A FioCruz Bahia alertou, em 4/11, sobre um dado que pode ter consequências graves: mais de 14 milhões de brasileiros ainda não apareceu para tomar a segunda dose da vacina contra covid-19 por mais de 14 dias além da data prevista. Ao analisar dados do ministério da Saúde, a Fundação descobriu que cerca de 50% dos atrasos são superiores a 30 dias, e 14% maiores de 90 dias.

Os responsáveis pela pesquisa elencam alguns dos motivos que podem estar causando o atraso: “demora para registro e envio dos dados para a base do Ministério da Saúde (MS), esgotamento e sobrecarga das equipes de gestão, vigilância e atenção à saúde, disseminação de notícias falsas sobre a imunização, falta de estoque de reserva de imunizantes e mortalidade, dentre outros”. Sem a segunda dose, a imunização contra a covid-19 não se completa e pode trazer riscos para toda a sociedade. Basta tomar, como exemplo, o caso da Europa: em países onde há ceticismo da população com a vacina, projeta-se uma “quarta onda” de infecções que pode matar mais meio milhão de pessoas até o fim do inverno.

No Painel Atraso de Segunda Dose da Vacina, da FioCruz, é possível ver quais são os municípios, faixas etárias e gêneros com mais atrasos. Pode ser importante ferramenta para os gestores locais fazerem diagnósticos e projetarem ações de estímulo. Infelizmente, pouco se pode esperar do governo federal: em matéria de ontem do Globo, constatou-se que até a campanha para nova nota de 200 reais, representada pelo lobo guara, recebeu mais recursos que as propagandas sobre prevenção contra o coronavírus…

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: