Em Israel, direita sem máscaras

Após abertura e diálogo propostos pelo Irã, discurso agressivo do primeiro-ministro Netanyahu soa grotesco na ONU. Obama permanecerá submisso a Telaviv?

131004-Netanyahu

Por Robert Fisk | Tradução: Vinícius Gomes

São tempos difíceis para a direita israelense. Acostumada a conseguir o que quer dos EUA — e especialmente de seu presidente inconstante – ela descobriu de repente que o mundo inteiro quer paz, e não guerra, no Oriente Médio. Os britânicos e norte-americanos não quiseram ir à guerra na Síria. Agora, com o sorriso amável do presidente iraniano Hassan Rouhani aparecendo nos televisores, aceitando os fatos do holocausto judeu — ao contrário de seu antecessor alienado e infantil — os americanos (75%, segundo as pesquisas) também não querem uma guerra com o Irã.

Tendo humilhado o presidente Obama diante da TV, em sua visita anterior à Casa Branca (ao lhe dizer que esquecesse a resolução 242 do Conselho de Segurança da ONU, que exige uma retirada das forças israelenses das terras ocupadas após a guerra de 1967), o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, humilhou-se um pouco também, nesta segunda-feira. Ele já não exige um fim de todas as atividades nucleares do Irã. Agora é apenas o “programa militar nuclear” iraniano que deve ser finalizado.

Claro: assim como no caso do “programa” de armas de destruição em massa do Iraque, que o presidente George W. Bush teve de inventar quando ficou claro que as próprias armas eram uma mentira, nós ainda não sabemos se a versão de Netanyahu a respeito do “programa militar nuclear” iraniano, é algo real.

O que seguramente sabemos é que, quando o presidente Rouhani começou a falar tudo o que exigíamos ouvir do Irã há anos, Israel enlouqueceu. Netanyahu condenou Rouhani antes mesmo de ele dizer uma única palavra: “um lobo em pele de cordeiro”. Mesmo quando Rouhani falou em paz e em acabar com as suspeitas sobre o programa nuclear, o ministro de “Assuntos Estratégicos” — seja lá o que isso signifique — de Israel disse que o tempo para futuras negociações acabou. Yuval Steinitz alegou que “se os iranianos continuarem com seu programa nuclear, em seis meses terão capacidade de construir uma bomba”.

A própria assessoria de Netanyahu juntou-se à campanha de difamação. “Não devemos nos deixar enganar pelas palavras mentirosas do presidente iraniano”, ironizou um dos homens do primeiro-ministro: “os iranianos estão circulando pela mídia para que suas centrífugas continuem rodando”. O discurso de Rouhani seria uma armadilha de mel. O próprio Netanyahu disse que o discurso do presidente iraniano na ONU — uma fala de enorme importância, após 34 anos de total divórcio entre Irã e EUA — era “cínico” e “totalmente hipócrita”.

Um editorial panfletário do Israel Hayom, jornal do partido de Netanyahu (Likud), retomou outra vez o antigo argumento, que vem de antes da Segunda Guerra e a direita israelense utiliza há mais de trinta anos. “Um vento de Munique [1] sopra no Ocidente”, disse a publicação. Talvez ele tenha seus efeitos. Se não tivesse tanto medo de Israel — como a maior parte dos governantes norte-americanos — o presidente Obama poderia ter apertado a mão de Rouhani na semana passada; apesar de que talvez o próprio Rouhani preferisse não tocar nas mãos do “Grande Satã” tão cedo. Em vez disso, Obama satisfez-se com um mísero telefonema e mostrou que sabe dizer “adeus” em Farsi. Patético é a palavra para isso.

No passado, os representantes árabes retiravam-se abruptamente da Assembleia Geral da ONU, quando os israelenses subiam à tribuna. Quando o louco presidente iraniano Ahmadinejad falava, as nações ocidentais e Israel se retiravam. Mas quando Rouhani discursou, elas juntaram-se ao plenário, para ouvi-lo falar. Israel se retirou.

“Um gesto estúpido”, segundo o velho e sábio Uri Avnery, filósofo e escritor israelense. “Tão racional e eficaz quanto um ataque de raiva de uma criança, quando seu brinquedo favorito é tomado. Estúpido, porque apresentou Israel como desmancha-prazeres, em um momento no qual o mundo inteiro está tomado por uma onda de otimismo, após os recentes eventos em Damasco e em Teerã. Estúpido, porque demonstra a todos que Israel está agora totalmente isolado”. Avnery sustenta que o governo de Israel desejava duas guerras: uma contra a Síria e outra contra o Irã. Ele escreveu há semanas, quando o Congresso dos EUA hesitava em bombardear Damasco: “os cães de caça foram soltos. O Aipac (o maior grupo lobista pró-Israel nos EUA) enviou seus rottweillers parlamentares ao Capitólio, para destroçar qualquer senador ou deputado que se opusesse”.

Mesmo assim, na Casa Branca nesta segunda-feira, o primeiro-ministro israelense acalmou-se. Duvido que isso irá durar. Suspeito que Israel fará de tudo para minar as propostas de Rouhani, seja lá o que pense a opinião pública americana. E lá estava o presidente Obama, elogiando Netanyahu por seu suposto apoio [na Palestina] à solução de “dois-estados” [um israelense, outro palestino] — mas ressalvando que haveria um “tempo limitado para alcançar esse objetivo”. 

E por que haveria apenas um “tempo limitado”? Nenhum jornalista deu-se ao trabalho de fazer a pergunta. Se existe apenas “um tempo limitado” (em minha opinião, não há mais tempo algum) para atingir esse objetivo ilusório, é porque o governo de Netanyahu está roubando, contra todas as leis internacionais, ainda mais terras dos palestinos, mais rapidamente que em qualquer outra época, para garantir que um Estado Palestino jamais venha a existir.

A direita israelense está bem ciente disso. E quando o presidente Obama não consegue nem ao menos explicar esse estranho “tempo limitado”, os israelenses percebem que ele ainda é submisso. É a isso que tudo se resume. Medo. E mesmo Obama tivesse a coragem de se impor em seu último mandato, podemos ter certeza que Hillary Clinton, para citar Thomas Morus, não gasta saliva com isso, pois quer ser a próxima presidente apaziguadora.

O Likud isolou Israel do mundo por ora — mas tenha certeza que a covardia norte-americana irá poupá-los.

[1] Referência ao “Acordo de Munique“, firmado em 1938 pela Alemanha nazista, Inglaterra e França. Permitiu que Adolf Hitler anexasse parte da Checoslováquia, com cumplicidade de Londres e Paris. É usado frequentemente de modo abusivo, como metáfora da suposta capitulação do Ocidente a poderes autoritários. No caso, a direita israelense procura compara os dirigente iranianos ao nazismo (Nota do Editor)

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

3 comentários para "Em Israel, direita sem máscaras"

  1. Vilmar Nicolau disse:

    Israel representa o terrorismo de estado e o neofascismo modernos. Como escudeiro submisso e fiel aos EUA sempre teve carta branca do império para prender, torturar e matar. Os tempos estão mudando e o destino de Israel é transformar-se numa Líbia, abandonado à própria sorte nas mãos de assassinos frios e profissionais.

  2. Anadson disse:

    Israel não tem o que temer, pois é um povo escolhido por Deus e ainda que todas as nações se voltem contra Israel se voltaram para sua própria destruição, pois o Senhor pelejará por Israel. O Primeiro ministro de Israel está certissimo quando fala que o Presidente do Irã é um lobo vestido de ovelha.

  3. Celso Mendonça disse:

    Gostaria de ler o documento não-apócrifo, assinado por Deus, em que ele declara que os judeus são o povo preferido por ele e que os demais, apenas gentalha – como os muçulmanos em geral, árabes em particular – devem aceitar, submissos, a escolha do Onipotente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *