Seriam os fundamentalistas islâmicos fascistas?

Nem todas as forças autoritárias são fascistas, já advertia Trotsky. Países como Arábia Saudita podem combinar ultracapitalismo e autocracia, mas faltam-lhes o discurso protecionista típico e a capacidade de mobilizar organicamente as massas

SÉRIE: A QUESTÃO FASCISTA
Nesta série de artigos, os autores Noah Bassil, Karim Pourhamzavi e Gabriel Bayarri refletem sobre a extrema direita contemporânea. Eles questionam o conceito de fascismo e fazem uma análise a partir dos conceitos de cesarismo e bonapartismo para entender o fenômeno global.
Leia a primeira, segunda, terceira e quarta partes
Título original do texto a seguir: Os islamistas são fascistas?

A atual propagação global do populismo de extrema-direita lembram, com razão, muito da era do fascismo dos anos 1920 até meados dos anos 40. Uma das figuras recentes que conectou o atual populismo de extrema-direita com o fascismo foi Joe Biden durante seu discurso de candidatura presidencial em 21 de agosto de 2020. Como parte do debate, o islamismo também está recebendo nova atenção como uma forma de fascismo. A motivação por trás deste texto vem principalmente do trabalho de Stephen Schwartz em The Two Faces of Islam [1], onde Schwartz analisa o movimento Wahhabi na Arábia e, portanto, os movimentos jihadistas subsequentes que compartilham ideologia e táticas com os primeiros Wahhabis, como sendo um movimento fascista. O trabalho de Schwartz é escolhido aqui especificamente para avaliar sua análise sobre se o jihadismo, nas palavras de Schwartz, pode ser considerado uma “forma de fascismo”.

Quanto ao porquê do jihadismo ser uma forma de fascismo, Schwartz indica que este último introduziu pela primeira vez o islamismo em uma forma moderna de autoritarismo. Além disso, sobre as características violentas, exclusivas e puritanas do movimento Wahhabi, Schwartz as considera como outra característica desta ideologia fascista. Acrescentamos outras características para comparar os jihadistas e outras formas de islamismo, tais como a Irmandade Muçulmana e os islamistas xiitas do Irã, com o fascismo. Como os fascistas “ocidentais”, os islamistas são o produto de uma crise orgânica do capitalismo. Diferentes formas de islamismo surgiram da crise do início do século 20, da Primeira Guerra Mundial, da crise dos anos 70 e 80, da Guerra Fria e pós-Guerra Fria e, em particular, de 2000 em adiante. Isto nos leva a outra semelhança entre fascismo e islamismo: a elite capitalista prefere que ambos cumpram tarefas específicas como a opressão e a eliminação de forças de esquerda e revolucionárias. Apesar do uso do fascismo e do islamismo em tempos de crise orgânica, principalmente para manter o processo de acumulação de capital, a classe capitalista não favorece a ambas forças, nem aos seus métodos políticos, como aliados confiáveis e de longo prazo.      

Entretanto, as semelhanças mencionadas não são suficientes para considerar o wahhabismo e o islamismo como fascistas. Como Trotsky havia lembrado a seus leitores, nem todas as formas de forças autoritárias e “contra-revolucionárias” são fascistas. [2] Todas as formas de fascismo compartilharam uma visão político-econômica específica que poderia ser resumida como protecionismo e a incorporação de alguns elementos do bem-estar social keynesiano. Os islamistas claramente não são protecionistas, nem gozam de uma ideologia político-econômica coerente. Como pode ser visto nos últimos trabalhos de Antonio Gramsci, quando ele mesmo estava em uma cela de prisão fascista, o fenômeno fascista era o produto de um movimento social orgânico. [3] Em tempos de crise e uma economia em declínio, as classes média e baixa marcharam atrás dos fascistas e apoiaram todas as formas de fascismo na Europa, incluindo a Grã-Bretanha nos anos 30. Também é verdade que os fascistas perdem rapidamente sua base social e seu apoio, especialmente quando chegam ao poder e estabelecem seu governo brutal. Mas isto não afeta o fato de que eles gozam de uma base social orgânica entre as massas, particularmente na ausência de uma alternativa revolucionária eficaz. Entretanto, os islamistas não demonstraram tais características. Quase todas as forças islâmicas que lutaram ao lado da hegemonia mundial contra rivais contra-hegemônicos nos séculos XX e XXI devem seu surgimento e capacitação ao patrocínio da inteligência e dos Estados, principalmente no Oriente Médio e na periferia mundial.

A última característica que distingue profundamente o islamismo do fascismo é a ausência de intelectuais orgânicos e de discurso intelectual. O fascismo é reforçado por intelectuais orgânicos que facilitam sua ideologia e a projetam entre as massas. Isto dificilmente existe entre os islamistas que confiam em sua interpretação restrita e leitura seletiva do Alcorão e de outros textos sagrados para construir sua ideologia. Pode ser uma elaboração teológica, mas dificilmente é um discurso intelectual moderno que esteja ligado às necessidades materiais de uma sociedade e de suas diferentes classes sociais. Os islamistas, por exemplo, tanto na Arábia Saudita quanto no Irã, podem adotar ideologias capitalistas como o neoliberalismo e aplicar uma versão extrema desta perspectiva econômico-política a suas sociedades, mas seria impreciso supor que o neoliberalismo é uma construção islâmica.

Portanto, qualquer analogia do wahhabismo com o fascismo, como pode ser encontrado na obra de Stephen Schwartz, requer a consideração de todas as características dessas ideologias extremas, e não apenas algumas delas. Isto é particularmente importante no momento atual, quando assistimos ao surgimento de várias formas de populismo extremo, enquanto as forças progressistas ainda não podem constituir um contra-bloco significativo. Embora os islamistas tenham características comuns com movimentos fascistas e populismo de direita, é importante entender também as diferenças. Consequentemente, Schwartz não está totalmente errado, mas o erro em sua análise é exatamente o que Trotsky adverte. Isto é, enquanto todos os fascistas são contra-revolucionários, nem todos os movimentos contra-revolucionários são fascistas.    


[1] Schwartz, S. (2003). The Two Faces of Islam: Saudi Fundamentalism and its Role in Terrorism. New York: Anchor Books, pp 115-117.

[2] Trotsky, L. (1969). Fascism: What it is and how to fight it. New York: Pioneer, p 5.

[3] Gramsci’s thoughts on fascism can be found in multiple and fragmented sources. However, his most significant elaboration on the concept can be found in his later works in the Prison Notebooks. See: Gramsci, A. (1971). Selection from the Prison Notebooks. Hoare, Q and Smith, G. N. (ed). London: Lawrence and Wishart; for Trotsky’s collection see: Ibid. 

[4] Worley, M. (2011). Why Fascism? Sir Oswald and the Conception for the British Union of Fascists. History. Vol. 96. No. 1, pp 68-83. 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *