Como bloquear o caminho de Bernie Sanders

Vale tudo, para que ele não dispute a Casa Branca. Acusá-lo de “agente russo”, de “antissemita” ou apontá-lo como contrário ao identitarismo. Nas eleições nos EUA, o establishment só não aceita que se debatam opções políticas

Por Jonathan Cook |Tradução: Simone Paz

A corrida pela nomeação presidencial democrata representa um fascinante estudo de caso para ver como o poder funciona — principalmente, porque os líderes do Partido Democrata agiram, claramente, para impor Joe Biden como candidato do partido, mesmo após ficar claro que ele não está mais apto mentalmente nem para administrar um clubinho local de ping-pong, muito menos a nação mais poderosa do mundo.

A campanha de Biden nos lembra de que o poder é indivisível. Donald Trump ou Joe Biden para presidente — dá na mesma para o establishment. Um egomaníaco infantil representando os bilionários (Trump), ou um ancião com rápida degeneração neurológica representando os bilionários (Biden), são igualmente úteis ao poder. Uma mulher também, ou um negro. O establishment não se preocupa mais com quem está no palco — desde que essa pessoa não seja gente como Bernie Sanders nos EUA ou Jeremy Corbyn no Reino Unido.

Não importa mais quem é o candidato — por mais doloroso que isso soe para alguns, nestes tempos em que tanto falamos de identidade. É sobre o que o candidato pode fazer uma vez no cargo. Na verdade, o fato de hoje em dia podermos nos concentrar na identidade do conteúdo de nosso coração, deveria ser um aviso suficiente de que o establishment se concentra em esgotar nossas energias na promoção de divisões com base nessas identidades.

+ Em meio à crise civilizatória e à ameaça da extrema-direita, OUTRAS PALAVRAS sustenta que o pós-capitalismo é possível. Queremos sugerir alternativas ainda mais intensamente. Para isso, precisamos de recursos: a partir de 15 reais por mês você pode fazer parte de nossa rede. Veja como participar >>>

Nem Biden nem Trump serão empecilhos para o establishment, porque eles estão bem no centro dele. As lideranças republicanas e democratas estão ali para garantir que, antes de que um candidato seja eleito para concorrer em nome do partido, ela ou ele já provou que é amigável com o Poder. Dois candidatos, cada um deles cotados por sua obediência ao poder.

Embora um rosto bonito ou ser bom de discurso sejam características desejáveis, incapacidade e incompetência não configuram barreiras para se classificar, como estes dois homens brancos, preparados pelos seus respectivos partidos, demonstram. Ambos provaram que irão favorecer o sistema, ambos perseguirão políticas bem semelhantes, ambos possuem um compromisso com o status quo e ambos demonstraram sua indiferença em relação ao futuro da vida na Terra. A única coisa que separa os dois não é o conteúdo, mas a forma de apresentá-lo — a criação da ilusão de diferença e de escolha.

Policiando o debate

É interessante reparar em como as dinâmicas sutis da corrida para as nomeações democratas vêm sendo manipuladas. São especialmente reveladoras as maneiras pelas quais a liderança democrata protege o poder do establishment, policiando os termos do debate: o que pode ser dito e o que pode ser pensado; quem fala e quais vozes são deturpadas ou demonizadas. A manipulação da linguagem é fundamental.

Como indiquei no meu último texto, o poder do establishment deriva de sua invisibilidade. O debate aberto é a criptonita do poder.

A única maneira de interrogar o poder é por meio da linguagem, e a única maneira de comunicar nossas conclusões aos outros é através de palavras — como estou fazendo agora. Portanto, nossa força — e nossa capacidade de despertar do transe do poder — deve ser subvertida pelo establishment, transformando-a em nosso calcanhar de Aquiles, em fraqueza.

O tratamento que Bernie Sanders e seus apoiadores recebem do establishment democrata — e daqueles que repetem ansiosamente os argumentos do partido — ilustra claramente como isso pode ser feito de várias maneiras.

Lembremos que tudo começou em 2016, quando Sanders cometeu o terrível pecado de desafiar o direito da liderança democrata de escolher Hillary Clinton como candidata à presidência do partido. Naqueles dias, a linha de falha era óbvia e clara: Bernie era um homem; Hillary, uma mulher. Ela seria a primeira mulher presidente. Os únicos membros do partido que desejariam negar a Hillary aquele momento histórico — e apoiar Sanders — deveriam ser homens misóginos. Supostamente, eles manifestavam seu ódio às mulheres, posicionando-se contra Hillary, que, por sua vez, foi apresentada às mulheres como um símbolo da resistência à opressão dos homens.

Assim nasceu um meme: “Clubinho do Bernie”; o qual rapidamente se tornou uma abreviação para sugerir — apesar de todas as evidências que provavam o contrário — que a candidatura de Sanders atraía principalmente homens brancos irritados. De fato, como a corrida de Sanders para 2020 tem demonstrado, o apoio a ele foi mais diversificado do que para muitos outros candidatos democratas que procuraram a indicação.

O artificialismo da disputa de identidades de 2016 teria ficado claro se tivessem deixado alguém explicar esse fato. Na verdade, não se tratava da liderança democrata respeitar a identidade de Hillary como mulher. O que pesava era o fato de elogiarem sua identidade como mulher, ao mesmo tempo em que a promoviam porque era uma excelente provocadora de guerras e funcionária de Wall Street. Ela era útil ao poder.

Se o debate tivesse sido conduzido realmente pelas identidades políticas, Sanders também tinha uma carta poderosa: ele é judeu. Poderia ter sido o primeiro presidente judeu dos EUA. Em uma luta de identidades justa, teria dado empate entre os dois. A decisão sobre quem deveria representar o Partido Democrata teria que ser baseada em políticas, não em identidade. Mas os líderes do partido não queriam que as políticas reais de Clinton, ou sua história política, fossem colocadas sob o microscópio por razões muito óbvias.

Manipulação da identidade

A manipulação da política de identidade ficou ainda mais claro em 2020. Sanders ainda é judeu, mas seu principal oponente, Joe Biden, é um homem branco privilegiado mesmo. Se o formato Hillary fosse seguido novamente pelos chefes democratas, Sanders desfrutaria de um trunfo da política de identidade. E, no entanto, Sanders ele foi apresentado como apenas mais um candidato branco, não diferente de Biden.

(Poderíamos levar esse argumento ainda mais longe e observar que o outro candidato que ninguém, muito menos a liderança democrata, mencionou foi Tulsi Gabbard, uma mulher negra. O Partido Democrata trabalhou muito para torná-la o mais invisível possível nas primárias, porque, dentre todos os candidatos, ela é a oponente mais forte e articulada contra as guerras estrangeiras. Isso a privou da chance de arrecadar fundos e conquistar delegados.)

A identidade judaica de Sanders não ganha muito destaque, simplesmente, porque ele não é útil ao poder do sistema. O que mais interessa ao establishment — e que deveria nos importar também — são suas políticas. Estas, por sua vez, podem limitar o poder do sistema de travar novas guerras, de explorar trabalhadores e de destruir o planeta. 

Como se não bastasse, os líderes do Partido Democrata não só ignoram a identidade judaica de Sanders, como também voltaram a usar a política de identidade contra ele de diversas maneiras.

O establishment “negro”?

Os apoiadores de Bernie Sanders reclamam por muito tempo – com base em evidências crescentes – que o Partido Democrata está longe de ser neutro entre Sanders e Biden. Por ter interesse no resultado e por fazer parte do poder, o Comitê Nacional Democrata (DNC, na sigla em inglês) exerce sua influência em favor de Biden. E como o poder prefere a escuridão, o DNC está fazendo o possível para exercer esse poder nos bastidores, fora de vista — pelo menos, invisível para aqueles que ainda confiam na mídia corporativa “convencional”, que também faz parte do establishment. Como deveria ficar claro para quem está observando, os procedimentos de nomeação estão sendo controlados para dar a Biden todas as vantagens e para obstruir Sanders.

Mas a liderança democrata não só descarta de imediato essas bem justificadas queixas dos apoiadores de Bernie Sanders, como também utiliza essas queixas contra eles, como mais uma prova da ilegitimidade deles e de Sanders. Uma nova maneira de fazer isso surgiu logo após Biden vencer na Carolina do Sul, apoiado por um forte grupo de eleitores negros mais velhos — a primeira vitória estadual de Biden, que serviu como impulso para sua aparição no Super Tuesday alguns dias depois.

A melhor expressão disso foi o tuíte de Symone Sanders, que, apesar do sobrenome, é uma consultora sênior da campanha de Biden. Ela também é negra. Eis o que ela escreveu: “Aqueles que continuam se referindo aos eleitores negros como ‘o establishment’ são surdos e, obviamente, não entenderam nada”.

A referência genérica a “aqueles”, foi entendida precisamente como um código para lembrar do “Clubinho do Bernie”. Agora, parece que os apoiadores do Bernie Sanders não são só misóginos, mas potenciais recrutadores da Ku Klux Klan.

O tuíte viralizou. E, apesar das ferozes contestações nos comentários abaixo, ninguém conseguiu produzir um único exemplo de alguém realmente dizendo algo como o sentimento atribuído por Symone Sanders ao “Clubinho do Bernie”. Combater o fanatismo não era o objetivo real dela. Ela não fez o comentário com a intenção de que os apoiadores de Bernie refletissem de forma profunda sobre a questão negra. Foi uma manipulação de alto nível, feita por uma funcionária de alto escalão do Partido Democrata, aos próprios eleitores do partido.

A sobrevivência da maior mancha

O que Symone Sanders realmente tentou fazer foi passar pano para o poder — esconder o fato de o DNC estar tentando impor seu candidato escolhido aos membros do partido. Como ocorreu durante o confronto entre mulheres e homens confusos, Hillary x “Bernie Bros”, Symone Sanders estava testando em campo uma ferramenta de gerenciamento de narrativa semelhante, como parte dos esforços do establishment em aperfeiçoá-la para obter um efeito aprimorado. O establishment aprendeu — através de uma espécie de “sobrevivência da maior mancha” — que a política de identidade de dividir e governar é a maneira perfeita de proteger sua influência, enquanto favorece um candidato do status quo (Biden ou Hillary) sobre um candidato visto como um ameaça ao seu poder (Sanders).

Em seu tuíte, Symone Sanders mostrou exatamente como a elite do poder procura ocultar seu papel tóxico em nossas sociedades. Ela confundiu ordenadamente “o establishment” — do qual ela é um componente muito pequeno, mas bem pago — com “eleitores negros” comuns. A mensagem dela é a seguinte: se você tentar criticar o establishment (que tem um poder excessivo para danificar vidas e destruir o planeta), nós o demonizaremos, fazendo parecer que você está realmente atacando pessoas negras (que na grande maioria dos casos — embora Symone Sanders seja uma exceção notável — não exerce nenhum poder).

Symone Sanders recrutou sua própria negritude e os “eleitores negros” da Carolina do Sul para serem um escudo humano de proteção ao establishment. Cinicamente, ela transformou os negros pobres, bem como as dezenas de milhares de pessoas (presumivelmente negras e brancas) que gostaram de seu tuíte, em um exército de defesa do sistema.

Colocado desse jeito, parece muito mais feio. Mas, rapidamente virou um dos pontos cruciais das falas de Biden, como ocorreu no dia 4 de março, quando declarou: “O establishment são os trabalhadores, as pessoas de classe média, os afro-americanos… eles são o establishment!”

A estratégia mais ampla do DNC é conferir a Biden direitos exclusivos de falar pelos eleitores negros (apesar de seu infeliz histórico em questões de direitos civis) e, além disso, despojar Sanders e seus conselheiros negros de qualquer direito de fazê-lo. Quando Sanders protesta a respeito disso, ou do comportamento racista do campo de Biden, os apoiadores de Biden aparecem, geralmente, de forma agressiva, embora, é claro, ninguém os esteja censurando por sua linguagem dura e violenta.

Grosseiro com bilionários

Esse tipo de defesa especial, do sistema para o sistema — utilizando o exemplo da Symone Sanders, que evidencia o zeitgeist da política de identidade — é muito mais comum do que podemos imaginar. A abordagem é constantemente refinada, geralmente usando as mídias sociais como o grupo objetivo final. A fusão bem-sucedida de Symone Sanders do “establishment” com “eleitores negros” segue-se aos esforços anteriores e desajeitados do sistema, que se mostraram muito menos eficazes para proteger seus interesses contra Sanders.

Lembre-se de como, no outono passado, a mídia corporativa tentou nos dizer que era cruel criticar os bilionários (comumente, donos dessa mesma grande mídia), porque eles também tinham sentimentos e que ao falar duramente sobre eles, estaríamos “desumanizando-os”. Mais uma vez, o recado foi dirigido a Sanders, que acabara de comentar que, em um mundo que funcionasse corretamente, não existiriam bilionários. O raciocínio de Bernie era óbvio: permitir que um punhado de pessoas controle quase toda a riqueza do planeta, não priva só o restante de nós (e prejudica o planeta), mas também dá a esses poucos bilionários poder demais. Eles poderiam comprar toda a mídia, nossos canais de comunicação e a maioria dos políticos para cercar seus interesses financeiros, corroendo gradualmente até as mais mínimas proteções democráticas.

Essa campanha teve uma morte rápida, porque poucos de nós sofremos lavagem cerebral a ponto de aceitar a ideia de que um punhado de bilionários precisaria ser protegido — de nós! Muitos ainda estamos bem ligados no mundo real e compreendemos que os bilionários são mais do que capazes de cuidar de seus próprios interesses, sem a necessidade de nossa ajuda por meio de um voto de silêncio auto imposto.

Mas não se pode culpar o establishment por ser sempre inventivo ao buscar novas formas de reprimir nossas críticas sobre a maneira como ele exerce seu poder unilateralmente. A corrida pela nomeação democrata está testando essa ingenuidade até o limite. Aqui está uma nova regra contra a “conduta odiosa” no Twitter, onde o déficit neurológico de Biden vem sendo submetido a um escrutínio muito crítico por meio do compartilhamento de dezenas de vídeos de seus “momentos senis mais embaraçosos”.

Sim, deficiência e idade também são identidades. E assim, sob o pretexto de proteger e respeitar essas identidades, agora, as mídias sociais de qualquer pessoa ou veículo que tente destacar as deficiências mentais de um idoso que em breve, poderá passar a receber os códigos nucleares e será o responsável por travar guerras em nome dos norte-americanos, poderão ser eliminadas. O Twitter está cheio de comentários denunciando qualquer pessoa que tente chamar a atenção para o fato da liderança democrata estar impondo Biden ao partido, apesar de suas dificuldades cognitivas.

“Ativos” e “agentes” russos

Nada disso deve ignorar o fato de que outra variação da política de identidade foi armada contra Sanders: a de deixar de ser um patriota “americano”. Mais uma vez ilustrando quão estreitamente os interesses das lideranças democrata e republicana se alinham, a questão de quem é patriota — e quem está realmente trabalhando para os “russos” — esteve no centro das campanhas de ambos os partidos, embora por razões diferentes.

Trump foi submetido a inúmeras alegações, sem evidências, de que ele seria um “agente russo” secreto, em um esforço conjunto para controlar seus impulsos originais isolacionistas na política externa, que poderiam ter tirado do establishment — e de sua ala industrial militar — o direito de travar guerras de agressão e reavivar a Guerra Fria, onde achassem que poderiam ser obtidos lucros, sob o disfarce de “ajuda humanitária”. Trump se inoculou contra essas críticas, em parte, entre seus apoiadores, graças ao slogan “Make America Great Again”, e em parte aprendendo — dolorosamente para um egoísta — que seu papel presidencial era só o de carimbar decisões tomadas em outros lugares, sobre as guerras a serem travadas e sobre como projetar o poder dos EUA.

Bernie Sanders já enfrentou tentativas similares do sistema em desprestigiá-lo, incluindo a última candidata presidencial do DNC, Hillary Clinton — naquele tempo, chamando-o de “ativo russo”. (“Ativo” no sentido de sugerir um conluio entre ele e o Kremlin, baseado em evidências ainda mais frágeis do que o necessário para acusar alguém de ser um agente). Num mundo em que a política de identidade não fosse simplesmente uma ferramenta armada pelo establishment, haveria uma real apreensão ao se envolver nesse tipo de injúria contra um socialista judeu.

Uma das armas anti semitas preferidas da extrema-direita — e que existe há mais de 100 anos, promovida desde a publicação dos Protocolos dos Sábios de Sião — é a de que os bolcheviques judeus estariam envolvidos numa conspiração internacional para subverter os países que habitam. Hoje, chegamos ao ponto em que a mídia corporativa fica feliz em reciclar reivindicações sem evidências, citadas pelo Washington Post, de “funcionários dos EUA” anônimos e agências de inteligência dos EUA, reinventando uma versão dos Protocolos, só que contra Sanders nos EUA. E essas difamações não suscitaram uma palavra de crítica sequer por parte da liderança democrata, nem dos fiscais de antissemitismo habituais que estão sempre prontos para atacar aos menores sinais do que eles afirmam ser anti-semitismo de esquerda.

Mas a urgência de lidar com Sanders pode ser a razão pela qual as convenções normais foram descartadas. Sanders não é um egoísta desbocado como Trump. Votar em Trump é votar no establishment, ou votar em seu teatro de ser contra o establishment. Trump foi fortemente domado a tempo para um segundo mandato. Por outro lado, Sanders, como Corbyn no Reino Unido, é mais perigoso porque ele pode resistir aos esforços que tentam domesticá-lo e porque se lhe for permitida qualquer medida significativa de sucesso político — como se tornar um candidato a presidente — pode inspirar outras pessoas a seguirem seus passos. O sistema pode começar a nos vomitar mais figuras estranhas e novas Ilhan Omars.

Então, agora, Sanders está sendo tachado de “fantoche do Kremlin”, assim como fizeram com Trump, acusando-o de não um verdadeiro americano. Como ele cometeu o grave erro de contestar o “Russiagate” quando ele foi usado contra Trump, Sanders agora tem pouca credibilidade, num momento em que as acusações foram recicladas e reutilizadas contra ele. E, dado que, pelos padrões empobrecidos de cultura política dos EUA, ele é considerado de extrema esquerda, foi fácil confundir seu socialismo democrático com o comunismo e depois confundir seu suposto comunismo com a atuação em nome do Kremlin (que, é claro, ignora o fato da Rússia ter abandonado o comunismo há muito tempo).

Manchas de antissemitismo prontas

Existe mais um uso da política de identidade como arma que o establishment democrata adoraria usar contra Sanders, se eles precisarem e puderem se safar. É a marca mais tóxica – e, portanto, a mais eficaz – do desprestígio baseado em identidade, e foi extensivamente testada em campo no Reino Unido contra Jeremy Corbyn, com grande sucesso. O DNC gostaria de denunciar Sanders como um antissemita.

Efetivamente, apenas um fator os deteve até agora: o fato de Sanders ser judeu. Isso pode não ser um obstáculo insuperável, mas dificulta muito a credibilidade da acusação. As outras difamações baseadas em identidade compõem o segundo melhor ligar, uma coisa temporária até encontrar uma maneira de desencadear a mancha de antissemitismo.

O establishment já vem testando o terreno com acusações implícitas de antissemitismo contra Sanders há um tempo, mas suas chances foram aumentadas recentemente quando Sanders se recusou a participar do encontro anual da AIPAC, o Comitê de Assuntos Públicos de Israel nos EUA, um proeminente grupo de lobby cuja missão principal é defender Israel das críticas nos EUA. Tanto o establishment republicano quanto o democrata frequentam fortemente a conferência da AIPAC e, em anos anteriores, o evento contou com discursos de Barack Obama e Hillary Clinton.

Mas Sanders recusou-se a comparecer por décadas e manteve essa postura este mês, mesmo sendo candidato à indicação democrata. No último debate das primárias, Sanders justificou sua decisão chamando (justificadamente) o primeiro-ministro de Israel, Benjamin Netanyahu, de “racista” e descrevendo a AIPAC como uma plataforma “para líderes que expressam fanatismo e se opõem aos direitos básicos dos palestinos”.

O vice-presidente de Trump, Mike Pence, replicou que Sanders apoiava os “inimigos de Israel” e que, se eleito, seria “o presidente mais anti-Israel na história dessa nação” — tudo isso para sugerir implicitamente que Sanders seria antissemita.

Mas, ainda assim, aquele é Mike Pence. Críticas piores vieram do bilionário Mike Bloomberg, que é judeu e que até há pouco pagava de democrata para tentar ganhar a indicação do partido. Bloomberg acusou Sanders de usar linguagem desumanizadora contra um monte de identidades inclusivas que ele sugeriu — mas que é bem pouco provável que seja verdade — que a AIPAC representa. Ele alegou:

“Esta é uma reunião de 20 mil apoiadores de Israel de todas as denominações religiosas, etnias, fés, cores, identidades sexuais e partidos políticos. Chamar isso de plataforma racista é uma tentativa de desacreditar essas vozes, intimidar as pessoas de virem para cá e enfraquecer a relação EUA-Israel. ”

Para onde isso aponta? Na conferência da AIPAC de semana passada, recebemos um aperitivo. Ephraim Mirvis, o principal rabino do Reino Unido e amigo do líder conservador Boris Johnson, foi calorosamente recebido pelos delegados, incluindo os principais membros do establishment democrata. Ele se gabou de que ele e outros líderes judeus no Reino Unido haviam conseguido prejudicar as chances eleitorais de Jeremy Corbyn, sugerindo que ele era um antissemita por seu apoio aos direitos palestinos (assim como Sanders).

O tratamento que deu a Corbyn, ele argumentou, conseguiu oferecer um modelo para as organizações judaicas dos EUA se replicarem contra qualquer candidato à liderança que possa causar problemas semelhantes para Israel, deixando para o seu público captar a quase explícita dica sobre quem precisaria ter sua reputação destruída.

O manual de establishment

Para qualquer um que queira enxergar, os últimos meses expuseram o manual do establishment: ele usará a política de identidade para dividir aqueles que, de outra forma, poderiam encontrar uma voz unida e uma causa comum.

Tudo bem celebrar a identidade de alguém, especialmente quando ela é ameaçada, difamada ou marginalizada. Mas apegar-se a uma identidade não é desculpa para permitir que ela seja cooptada por bilionários, pelos poderosos, por Estados com armas nucleares que oprimem outras pessoas, por partidos políticos ou pela mídia corporativa, para que possam armá-la com a intenção de impedir que fracos, pobres e marginalizados sejam representados.

É hora de acordar para os truques, decepções e manipulações dos poderosos que exploram nossas fraquezas — e que nos tornam ainda mais vulneráveis. Já chega de sermos ingênuos perante o establishment.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Um comentario para "Como bloquear o caminho de Bernie Sanders"

  1. josé mário ferraz disse:

    No século XIX, a política de Portugal interessa ao Brasil-colônia. Não será o mesmo motivo que alimenta atualmente o interesse desse belo país de triste sorte pela política dos Estados Unidos?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *