A direita calvinista e sua ligação com Bolsonaro

Não buscam ministérios: o alvo é onde os valores morais são disputados. Seu núcleo de juristas na Universidade Mackenzie defende a supremacia branca e pleiteia nomeação no STF. Já ocupam o Capes, maior agência de fomento à pesquisa do país

Benedito Guimarães Aguiar Neto é o novo presidente da Capes

Por Ronilso Pacheco, no The Intercept Brasil

Em 24 de janeiro, o governo Bolsonaro passou a presidência da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior, a Capes, para as mãos de Benedito Guimarães Aguiar Neto, até então reitor da Universidade Presbiteriana Mackenzie. Tão logo Neto foi anunciado, parte da comunidade acadêmica e da imprensa repercutiu os posicionamentos anticiência do que agora é o chefe da maior agência de fomento à pesquisa no país. Neto é opositor do evolucionismo e adepto do chamado “Design Inteligente” – um outro nome ao criacionismo que sua turma tenta impor como teoria reconhecida que deve ser ensinada nas escolas e universidades. Este é um risco real, mas não é o único.

A nomeação do ex-reitor da Mackenzie marca a presença cada vez maior e influente no núcleo do governo de um grupo evangélico tão reacionário quanto discreto: os calvinistas. Neto se junta aos pastores Sergio Queiroz e Guilherme de Carvalho, que já integram o time de Bolsonaro. Fora do governo, o apoio dos calvinistas ao governo é maciço, como vimos com a Presbiteriana Central de Londrina – em que o pastor pediu explicitamente aos membros para assinaram o apoio a criação do novo partido de Bolsonaro, Aliança pelo Brasil.

Os calvinistas são os evangélicos e igrejas que se orientam pelo legado do reformador francês João Calvino. Comumente, são mais associados com o calvinismo os membros das igrejas presbiterianas. No entanto, a teologia de Calvino está presente em diferentes denominações, espalhadas em várias igrejas batistas e pentecostais no Brasil.

+ Em meio à crise civilizatória e à ameaça da extrema-direita, OUTRAS PALAVRAS sustenta que o pós-capitalismo é possível. Queremos sugerir alternativas ainda mais intensamente. Para isso, precisamos de recursos: a partir de 15 reais por mês você pode fazer parte de nossa rede. Veja como participar >>>

A diferença principal dos evangélicos calvinistas dos demais é sua compreensão de que o cristianismo deve reivindicar sua hegemonia sobre a cultura. Na prática, isso significa uma concepção que tolera – e até promove – a ideia de superioridade cultural e moral do cristianismo e prega como missão influenciar a cultura. Em outras palavras, a “cosmovisão cristã”, um outro conceito utilizado, deve estar em tudo, orientando e dominando o mundo.

Esta definição vale, indistintamente, para qualquer evangélico calvinista? Sim e não. Sim, porque isso faz parte do legado de João Calvino, embora seja passível de interpretação. Por ser passível de uma outra compreensão, a resposta também é não. Porque não são poucos os evangélicos e as evangélicas de fé reformada calvinista que preferem dar ênfase ao compromisso de Calvino com a liberdade (inclusive religiosa) e a vigilância aos governos para que ele sejam justos. Mas não parece ser essa a interpretação presente no grupo que está junto ao governo Bolsonaro. Trata-se de um grupo que parece, inclusive, ter abandonado a solidariedade pública com os grupos sociais que se consideram (e efetivamente são) ameaçados por Bolsonaro.

Avanço discreto

Outra característica desse calvinismo é a postura discreta de suas principais figuras. São bem diferentes das lideranças histriônicas, principalmente pentecostais e neopentecostais como Silas Malafaia, Edir Macedo, Valdemiro Santiago, Estevam Hernandes, Marco Feliciano, R.R. Soares, Magno Malta entre outros, cujo projeto de poder é claro e definido, querem a influência política a todo custo, atacam e enfrentam adversários com mais exposição, fizeram campanha para Bolsonaro abertamente, subiram em palanque e o tornaram convidado de honra nas diversas “Marchas para Jesus”. O grupo calvinista, por sua vez, chegou devagar e quase não foi notado. Não subiram em palanque ou levaram Bolsonaro em suas igrejas. Alguns, inclusive, mostravam desconfiança com Bolsonaro, embora sempre deixassem claro que votariam nele para evitar uma vitória do PT.

Mas é um grupo que manifesta, de maneira quase unânime, seu interesse no campo da cultura, dos direitos humanos e da educação. Não disputaram ministérios mais cobiçados como economia, saúde, justiça nem órgãos e autarquias como BNDES, Caixa Econômica, Petrobras ou Correios. Seu alvo é onde os valores morais são disputados. E é assim que eles estão pautando a esfera pública do país, ferindo a laicidade do estado e sendo raramente percebidos, enquanto os olhos estão voltados para a força dos pentecostais.

Antes mesmo das eleições, em abril de 2017, Bolsonaro recebeu de presente o livro “Contra a idolatria do estado”, de autoria do pastor calvinista Franklin Ferreira. O pastor e teólogo, assumidamente conservador, é figura atuante nas redes sociais, com uma forte militância contra a esquerda e os evangélicos progressistas. Ao receber o livro, Bolsonaro fez questão de gravar um agradecimento ao pastor, referindo-se ao livro como uma “obra magnífica” que juntava “fatos históricos e a nossa bíblia sagrada”. A partir de abril daquele ano Franklin, o “anti-idolatria do estado”, e Bolsonaro, o “Messias”, passaram a ficar cada vez mais próximos. Em agosto de 2018, Bolsonaro convidou o pastor para uma conversa.

Formado em teologia na Mackenzie, Franklin, que passou quase toda a última década repudiando a proximidade de evangélicos progressistas com o governo petista, passou da admiração a Bolsonaro à defesa política e teológica de sua campanha e, posteriormente, de sua gestão. Implacável na sua denúncia do “esquerdismo”, do “liberalismo teológico” e do “comunismo”, Franklin foi um árduo defensor da Lava Jato, chegando a fazer uma convocação pública pela indicação do procurador Deltan Dallagnol para a Procuradoria Geral da República, a PGR, soltando com hashtags como “#NojoDoSTF” e “#STFVergonhaNacional” na ocasião da derrubada da prisão em segunda instância, que liberou ex-presidente Lula da prisão.

Franklin também é um dos fundadores e presidente da Coalizão pelo Evangelho, uma associação evangélica conservadora, majoritariamente calvinista, que funciona como a versão brasileira da estadunidense The Gospel Coalition. Além disso, o pastor também integra a diretoria do Instituto Brasileiro de Direito e Religião, o IBDR. Vale destacar que, em julho de 2019, o IBDR, com Franklin Ferreira à frente, esteve com Bolsonaro para reivindicar, entre outras pautas, a imunidade tributária nas doações que as igrejas fazem para suas obras missionárias no exterior.

Logo após ganhar a eleição, cercado de assessores que disputavam sobre ele a maior influência possível na formação de seu quadro, Bolsonaro atendeu ao pedido do deputado paraibano Julian Lemos, do PSL, que foi um de seus principais cabos eleitorais na Paraíba, e levou para a sua equipe de transição o pastor Sérgio Queiroz. Procurador da Fazenda na Paraíba, além de pastor e teólogo, Sergio também é presidente da Fundação Cidade Viva, um dos maiores projetos evangélicos do estado da Paraíba. Sérgio tornou-se uma figura cada vez mais próxima de Bolsonaro e Damares e, diferentemente de Franklin, bem mais discreta. Sua influência passou a ser decisiva para fortalecer a presença e contribuição dos conservadores calvinistas dentro do governo.

Sérgio Queiroz havia colocado o seu nome, juntamente com o de outras lideranças do movimento calvinista, em uma lista de apoio ao projeto político bolsonarista, sendo ele um dos articuladores da chamada “Carta Aberta à Igreja Brasileira”. A carta, publicada como um conselho pastoral, pedia claramente apoio para candidaturas conservadoras ou para uma candidatura conservadora em especial. Interessante é notar o item “c” das recomendações da carta, que diz: “Rejeite candidatos com ênfases intervencionistas na esfera familiar, educacional, eclesiástica e artística”, uma alusão óbvia ao que partidários da campanha bolsonarista acusavam a candidatura de Haddad, embora nada diferente pareça estar sendo feito agora.

No dia 10 de janeiro do ano passado, Sérgio Queiroz foi anunciado por Damares Alves como secretário Nacional de Proteção Global. Curiosamente, um ano depois, continua forte no governo, enquanto o deputado federal paraibano Julian Lemos se afastou de Bolsonaro e perdeu poder, após embates com Carlos Bolsonaro, filho do presidente, a quem chamou de “lixo”.

Queiroz fez questão de ressaltar que o compromisso do governo Bolsonaro era de “lutar contra a discriminação e a violência”. No entanto, foi dele a indicação do procurador Ailton Benedito para assumir uma cadeira na Comissão Especial de Mortos e Desaparecidos Políticos. A indicação causou indignação e foi rejeitada por 6 votos a 4 pelo Conselho Superior do Ministério Público Federal. Ailton é reconhecido por sua admiração ao período militar, com diversas postagens nas redes sociais que fazem alusão ao período chamado por ele de “regime” ou “Revolução de 64”.

Em agosto de 2019, Queiroz foi um dos articuladores do encontro com Mike Pompeo, secretário de estado dos Estados Unidos, para a estruturação de uma Aliança Internacional para a Liberdade Religiosa. O projeto teria tudo para ser interessante, mas mostra uma perspectiva que pode ser preocupante para as políticas públicas referentes à intolerância religiosa no Brasil: Sérgio e Damares estão comprometidos com uma agenda que considera os cristãos o grupo religioso mais perseguido no mundo.

Embora esta seja uma verdade em números, ela é usada de maneira capciosa porque reúne dados de perseguição a cristãos em parte da Ásia e do Oriente Médio. Mas a realidade é outra no Ocidente, em geral, e no Brasil, em particular, onde as religiões de matriz africana e tradições indígenas seguem sendo as mais perseguidas e atacadas.

Visto por este ângulo, uma aliança com os Estados Unidos de Trump, tomado por um núcleo evangélico, branco e reacionário, confunde as prioridades quanto ao combate à liberdade religiosa no Brasil, onde cristãos gozam de maioria e maior “segurança”. Queiroz, por exemplo, não fez qualquer declaração pública de repúdio quanto à fala de alusão nazista do ex-secretário Especial de Cultura Roberto Alvim, que atravessa simultaneamente raça e religião.

Ele também aproveitou sua entrada no governo para levar junto o teólogo e pastor Guilherme de Carvalho, que assumiu, no mesmo ministério, o posto de diretor de Promoção de Educação em Direitos Humanos. Carvalho é pastor da Igreja Esperança, em Belo Horizonte, membro do L’Abri Brasil e um dos fundadores da Associação Brasileira Cristãos na Ciência com formação teológica pela Mackenzie. Outrora ativo nas redes sociais, desde que assumiu posição no governo tem buscado um tom mais discreto. No passado, suas postagens com frequência atacavam e desqualificar iniciativas e lideranças progressistas evangélicas.

Em uma de suas postagens, de outubro de 2018, Carvalho chegou a dizer que “a história não trata bem teólogos que colocam seus nomes em lista de projetos políticos”. Isso não o impediu, meses depois, de integrar um projeto político numa área estratégica do projeto bolsonarista, onde ele tem a responsabilidade de orientar a formação e a produção de conteúdo sobre direitos humanos.

Não há nada de errado em pastores e pastoras participem de qualquer governo como uma postura cidadã, por alinhamento ideológico ou de acordo com suas qualificações, desde que resguardada a laicidade do estado. Estranho é usarem duas medidas, considerando a participação em governos da esquerda como “idolatria” ou “aparelhamento” da fé e ficarem quietos quando integram governos de direita.

Crítico do campo evangélico progressista, Carvalho costumava reagir fortemente quando se questionava a falta de representatividade de diversidade étnico-racial, de gênero e regional em eventos teológicos-calvinistas. Na divulgação desses eventos, é comum as artes dos cartazes figurarem sempre preletores homens e brancos, quando sabemos que mesmo entre as igrejas presbiterianas há pessoas negras, mulheres e presença em outras partes do Brasil.

Em uma de suas respostas, defendia tais eventos alegando que “o critério precisa ser a própria qualidade teológica”, o que é uma outra forma de dizer que não há, ou quase não há (ou se há, eles desconhecem), qualidade teológica em mulheres teólogas ou negros e negras teólogas, ou menos ainda em teólogos e teólogas LGBTIs. Aliás, vale ressaltar que dos mais de 30 nomes que assinam a tal “Carta Aberta à Igreja Brasileira” para as eleições de 2018, não há absolutamente nenhuma mulher, pastora, diaconisa ou missionária. Todos os signatários são homens.

Mackenzie, a universidade calvinista de Bolsonaro

Carvalho tem formação na Universidade Presbiteriana Mackenzie, que se tornou uma espécie de quartel general e do núcleo de força calvinista atuante no Brasil hoje. Não por acaso, a Mackenzie também acolhe a Associação Nacional de Juristas Evangélicos (Anajure), que cada vez mais tem assumido a frente de batalha nas sustentações junto ao STF em causas consideradas pela instituição como ameaças à liberdade religiosa e violação dos valores cristãos. Neste momento, a Anajure está pleiteando sua acolhida como organização consultora especial da ONU, credenciamento cobiçado por organizações no mundo inteiro. Com o governo Bolsonaro, o processo tomou força. Até o momento, Cuba e China travam a aceitação da Anajure, duvidando de seus interesses. Não esqueçamos do desejo de Bolsonaro de indicar para o STF um ministro “terrivelmente evangélico”.

No início de novembro, a Mackenzie realizou a terceira edição do Fórum Mackenzie de Liberdade Econômica. Curioso que, enquanto o Foro de São Paulo segue como uma espécie de espantalho para a direita no Brasil, o Fórum de Liberdade Econômica da Mackenzie age silenciosamente e quase sem chamar atenção. O Fórum segue ajudando a construir as bases econômicas e – o que o torna mais interessante – teológicas para o pensamento neoliberal, o encolhimento do estado e o enfraquecimento de políticas sociais afirmativas.

Entre o público presente no Fórum, duas figuras se destaquem: os teólogos e pastores Guilherme de Carvalho e Sérgio Queiroz. Isto dá algum sentido para que Jair Bolsonaro fosse convidado para visitar a Mackenzie, em março deste ano, para um evento de inauguração de um centro de pesquisa. Na ocasião, a reitoria causou polêmica ao convocar os alunos a irem de verde e amarelo, como demonstração de apoio ao presidente. A visita acabou sendo cancelada pela pressão dos protestos dos alunos e a repercussão negativa da visita.

Não por acaso um dos livros de maior repercussão endossado por esse núcleo calvinista é “A máfia dos mendigos: como a caridade aumenta a miséria” do pastor e teólogo-youtuber Yago Martins. Afinado com o tom do Fórum na Mackenzie, o livro de Yago conta a história de um pastor que se finge de mendigo ao longo de um ano para dar “comprovação empírica” a sua crítica àquilo que parece ser uma das mais caras ações do cristianismo: a prática da solidariedade na caridade. Um livro que, em vez de mirar na estrutura que gera miseráveis, mira nas experiências individuais dos que “recorrem” à caridade sem talvez precisar delas.

Vale destacar a presença e a forte influência que o reverendo Augustus Nicodemus tem sobre a Universidade Mackenzie. Principal nome entre os teólogos do campo calvinista conservador, Nicodemus, que é da Primeira Igreja Presbiteriana de Recife, se expõe pouco em controvérsias públicas e é referência reconhecida nesse universo. Nicodemus integra, juntamente com Franklin Ferreira, a diretoria da Coalizão pelo Evangelho e foi chanceler da Mackenzie por uma década.

Enquanto chanceler, seu poder era tão forte e influente quanto o do próprio reitor, sendo responsável por zelar pela religiosidade da instituição. Na função de chanceler, se envolveu em uma polêmica ao emitir uma carta se posicionando, em nome da instituição, contra o projeto de lei que combatia a homofobia, em 2010. A atitude do chanceler gerou revolta de alunos e professores.

Conhecido defensor da pena de morte, Nicodemus já defendeu publicamente, citando a Bíblia, o porte de armas, alegando inclusive que “se for para defender a minha própria integridade eu atiro para matar mesmo, e não é na perna não”.

Fica claro que a influência evangélica no governo não se restringe apenas ou majoritariamente aos segmentos pentecostal e neopentecostal. Efetivamente, a única figura declaradamente do campo pentecostal que integra o primeiro time do governo Bolsonaro é a pastora Damares Alves, que confia profundamente nas orientações do calvinista Sérgio Queiroz. Isso também revela que a indicação de Benedito Neto para a Capes não é casualidade, mas um avanço reacionário muito mais organizado do que pensávamos.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: