Wirikuta: onde o sol veio ao mundo

No deserto mexicano, os huicholes lutam para que a mineração industrial não destrua a montanha mais sagrada de sua tradição espiritual

O vídeo acima são apenas cinco minutos de mais um episódio da história que se repete em toda América Latina: a luta de povos indígenas por preservar sua identidade e seus territórios contra a expansão das atividades extrativistas na região. A bola da vez são os huicholes — ou wixáritari, como se referem a si mesmos, povo que vive no norte do México.

Uma companhia mineradora do Canadá chamada First Majestic Silver está prestes dar início à extração de prata e zinco numa região chamada Wirikuta. Para começar os trabalhos, somente necessita o sinal verde do governo — a concessão já foi arrematada. Os planos da empresa são explodir o Cerro Quemado, a montanha mais sagrada dos huicholes e o principal destino de suas peregrinações religiosas. Ali, de acordo com a tradição, o sol apareceu pela primeira vez e espalhou a vida pela terra.

Uma reportagem da revista This Magazine (em inglês) sustenta que os huicholes são famosos no México por serem um dos grupos indígenas do país que mais resistiram ao catolicismo imposto pelos colonizadores espanhóis. Até o presidente Felipe Calderón, que agora ameaça permitir que a First Majestic Silver comece a explorar Wirikuta, já elogiou a luta dos huicholes por defender “esses lugares sagrados e maravilhosos”. Calderón também já se vestiu com suas roupas tradicionais e prometeu que jamais permitiria a destruição de Cerro Quemado.

Em 2000, Wirikuta foi reconhecida pelo governo mexicano como área de proteção natural e lugar sagrado. Dois anos antes, a Unesco já havia declarado o templo natural dos huicholes como uma das 14 regiões sagradas da humanidade que necessitavam proteção. Agora, graças ao trabalho do coletivo Emergencia MX, podemos escutar o depoimento de um grupo huichol e seus apelos para que o Estado não permita a entrada da mineração em seus territórios de culto e peregrinação. As imagens foram coletadas na Cidade do México, aonde os indígenas se deslocaram para entregar um documento ao presidente da República recordando-lhe seus compromissos. —@tadeubreda

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

2 comentários para "Wirikuta: onde o sol veio ao mundo"

  1. Júlio disse:

    Lembrando que na região do deserto de San Luis de Potosí, território de peregrinação huichol, estão os mágicos cactos de onde há milenios se tira inspiração mística e, mais, recentemente psicodélica. Depois que nos anos 1960 alguns pesquisadores estrangeiros e mesmo intelectuais e artistas atentaram para o potencial mescalínico do cactus, a região passou a atrair esse tipo de turismo, que é importante economicamente ali para região. A mineração , ouvi dizer por lá, ameaça também o futuro do peyote, e isso poderia inclusive ser um elemento de mobilização e pressão internacional… vale pensar se é possivel articular algo a partir daí, que acha?

  2. Paulo disse:

    Para a mentalidade capitalista, uma montanha é uma montanha, uma jazida, e ponto. A Terra não é morada, mas um enorme supermercado ou uma reserva de recursos a ser explorada a exaustão. Para o capitalista, o mundo é feito de coisas e não de seres, pessoas, sentimentos, esperanças … Mudar isso será uma verdadeira e decisiva revolução cultural !!!

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *