Consumo Consciente e a Feira de Gastronomia Orgânica

“O consumo responsável significa ter um olhar constantemente curioso sobre o mundo e sobre a forma como e em que condições cada produto é fabricado”

Em Julho foi lançado o documentário O Veneno Está na Mesa, do cineasta Silvio Tendler, denunciando o Brasil como o maior consumidor mundial de agrotóxicos. Muitos de nós, preocupados com os rumos da economia mundial e das políticas públicas — como a aprovação do Novo Código Florestal ou as motivações e impacto da construção da Usina de Belo Monte — começamos também a buscar saber de onde vêm e como são produzidos os alimentos que colocamos à mesa.

“O consumo consciente e responsável acontece quando quem consome passa a desnaturalizar o ato de consumir e percebe que este ato é fazer um investimento numa determinada forma de produzir, num modelo de sociedade. É, portanto, um ato político e de investimento econômico”, diz Daniel Tygel, secretário-executivo do Fórum de Economia Solidária. “O consumo responsável significa ter um olhar constantemente curioso sobre o mundo, sobre a forma como e em que condições cada produto é fabricado, sobre a maneira como as lojas, feiras e supermercados funcionam”.

Para quem quer experimentar outras alternativas, mas não sabe por onde começar, a Associação de Agricultura Orgânica organiza uma feira anual de gastronomia orgânica que começa hoje (24) e vai até sábado (26) no Parque da Água Branca, em São Paulo.

Hoje, das 10 às 12, haverá um fórum que discutirá a diferença entre o cultivo de orgânicos e o cultivo tradicional de alimentos. E amanhã, o fórum discutirá a agricultura orgânica a preços justos. A feira de orgânicos, que tradicionalmente acontece no parque às terças-feiras, sábados e domingos, estará aberta hoje das 10 às 18 horas.

Além dos fóruns e do comércio de orgânicos, haverá discussão sobre o aproveitamento completo de alimentos e aulas de culinária. O evento é aberto ao público, mas é necessário inscrever-se no site.

24/ 11 / 2011 

Fórum das 10h às 12h. O que difere a gastronomia orgânica da convencional. Aproveitamento total dos alimentos na gastronomia orgânica.

Moderadora: Luana Budel

Marta Tátini (Chef)

Tatiana Cardoso (chef)

Raphael Durand Despirite (chef)

•Feira Orgânica das 10h às 18h.

• Oficina de alimentação viva das 14h às 17h.

Culinária Viva – Chef Flavio Passos (SP)

• Chá da Tarde com convidado das 17h30 às 18h30.

Dr. Alberto Gonzalez – Médico – Autor do Livro “Lugar de Medico é na Cozinha”.

Para esse evento não é preciso se inscrever.

25/11/2011 

Fórum das 10h às 12h. Agricultura Orgânica e Preço Justo. 

Moderadora: Ana Flávia (Instituto Kairós)

José Estefno Bassit (Economista e produtor Orgânico)

Mariana Ferraz (Idec – Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor)

Ulisses Bocchi Júnior

• Oficina de alimentação viva das 14h às 17h

Chef Tiana Rodrigues (RJ)

• Chá da Tarde com convidado das 17h30 as 18h30.

A Chef Tatiana Cardoso fala sobre seu livro “Cozinha Natural Gourmet”.

Para esse evento não é preciso se inscrever.

26 / 11 / 2011

• Fórum das 10h às 12h. Alimentação orgânica e vegetariana para as crianças e melhor idade. 

Moderadora: Leila D

Dr. Luiz Guilherme Corrêa Neto

Vereador Trípole (projeto merenda escolar vegetariana)

Christian Saboia (coordenador da SVB de São Paulo)

• Oficina de alimentação viva das 14h às 17h.

Doces sem açúcar – Rosa Rodrigues (instrutora do curso de Alimentação Natural e Sustentabilidade – Um Novo Estilo de Vida e também culinarista da oficina Alimento Vivo e Doce Sem Açúcar, ambos da Fundação Mokiti Okada).

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

2 comentários para "Consumo Consciente e a Feira de Gastronomia Orgânica"

  1. Fabio Bianchi disse:

    Respeito a fala do Daniel Tygel, entretanto não há como aliar consumo consciente e valorização de certas práticas produtivas, com os preços praticados quando se trata de alimentos orgânicos. Não há “investimento econômico” maioir, quando se usa e abusa dos discursos verdes em prol da criação de um nicho de privilegiados, que não raro, obtém seu dinheiro com base em práticas econômicas predatórias.

  2. Oi Fabio,
    Obrigada pelo comentário!
    Existe, sim, um discurso que considero, no mínimo, irritante, de que orgânicos só podem ser consumidos pela elite. Dentro do nosso sistema econômico, acho até natural que alguns tentem transformar este tipo de produção em algo acessível somente para (muito) poucos.
    Mas existe também um outro universo, empresas, membros da sociedade, imprensa e até do governo, trabalhando duro para popularizar o consumo de orgânicos e indo na contra-mão do processo de produção atual que faz com que levemos às nossas bocas produtos que, certamente, farão mal à nossa saúde.
    Acredito que o Daniel Tygel faça parte justamente destes que buscam alternativas em que o consumo é ao mesmo tempo mais saudável e mais acessível.
    A razão para termos postado sobre o festival, foi justamente trazer este tipo de notícia para quem entende que é muito ruim que tenhamos que consumir tantos agrotóxicos (ou contribuir para um sistema de produção com o qual não concordamos), mas que não sabe por onde começar.
    Este assunto ainda vai dar muito ‘pano pra manga’, estamos investigando sobre a cadeia produtiva 4G (em que todos ganham: produtor, distribuidor, consumidor e natureza), produções agrícolas sustentáveis, agricultura urbana, entre outras formas de produção que trazem o sistema produtivo para perto do consumidor, humanizando o processo todo e barateando custos.
    Abraços,
    Elaine Santana

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *