Para Clara Eliza, médica cubana

Interior do município de Bom Jesus da Lapa (BA): aqui atuou Clara Eliza

Interior do município de Bom Jesus da Lapa (BA): aqui atuou Clara Eliza

Vítima do H1N1, ela não voltará a pisar o Malecón de Havana. Mas sua presença no sertão baiano diz muito sobre solidariedade — e também sobre elitismo e preconceitos de certos grupos sociais

Por Roberto Malvezzi (Gogó) | Imagem: Carlos Moura

Faleceu em Bom Jesus da Lapa a médica cubana Clara Eliza, 46 anos, vítima do H1N1. É imperdoável que aqueles que lutam para pôr um limite na crueldade do sistema capitalista, expresso na saúde pública, não digam uma única palavra.

Quando cheguei para morar no sertão, Campo Alegre de Lourdes, Bahia, junto com outros colegas, o índice de desenvolvimento humano sequer era calculado. Em 1990 era de 0,27. Em 2000 era de 0,32. Em 2010 era de 0,56. Ainda um dos mais pobres do Brasil, mas já não índice de miséria absoluta.

Um prefeito do PCdoB, alguns anos atrás, quis contratar um médico permanente para o município. Dispunha-se a pagar 22 mil reais ao mês, e nunca conseguiu um brasileiro que se encarasse morar naquele sertão.

Nos últimos anos, três médicos cubanos, alocados no “Mais Médicos”, não só foram morar em Campo Alegre, mas habitaram o interior do município, onde só íamos nós e quando havia a Superintendência de Campanhas de Saúde Pública, Sucam.

A solidariedade é uma das mais belas virtudes de alguns seres humanos. É a capacidade de se colocar no lugar do outro, assumir suas dores e problemas e se comprometer com os mais vulneráveis ao preço da própria vida.

Bom Jesus da Lapa, cidade santuário do Bom Jesus e de Nossa Senhora da Soledade, nas grutas às margens do rio São Francisco, conhece agora essa solidariedade ao extremo.

Em tempos de mesquinharia total, de almas pequenas, de disputas mortais pelo poder, Clara Elisa é o sinal que as virtudes do ser humano ainda subsistem em alguns corações.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

7 comentários para "Para Clara Eliza, médica cubana"

  1. FERNANDO PINA disse:

    Vida longa cumpañera CLARA ELIZA.
    Vida longa ao socialismo cubano. Vida longa ao Mais Médicos. Vida longa ao governo Dilma Rousseff. Este é o BRASIL que o BRAZIL odeia e rejeita e que sobreviverá aos ataques fascistas da ELITE branquela vazia & vazia. .

  2. rubinalva disse:

    Lamento a morte da médica cubana. Que ela descanse em paz. Tenho certeza que a população vai sentir muito a falta de alguém que se dispôs a ajudar os mais necessitados.

  3. Maurício Gil - Floripa (SC) disse:

    E a Presidenta Dilma, não vai homenageá-la de alguma forma?

    • Ana Lía Pujato disse:

      clara elisa, presente!
      ahora y siempre!
      sí, sería lindo algo público. pero la intención de la pregunta…
      el mejor homenaje seguro lo tuvo en vida; la aceptación de los médicos cubanos estaba por arriba del 85%.
      y si el pt siguiera gobernando algo tan necesario y efectivo como el mais médicos no se cortaría.
      lástima, brasileños que sólo buscan atacar a los que hicieron/hacen algo de lo que nunca se hizo antes en este país.
      en cuba les dirían gusanos; en venezuela escuálidos; en argentina cipayos.
      vendepatrias.

    • Luiz disse:

      É essa sua preocupaçao? A dela foi outra….

  4. Cleci disse:

    Muito triste esta notícia. Um ser iluminado!
    Pessoas como ela nos fazem ainda a acreditar nos seres humanos .
    E que o Programa permaneça levando um pouco de dignidade as pessoas que tanto dela necessitam. Tenho certeza que outras Claras irão surgir.

  5. Luiz disse:

    Após isso…aqui em Bom Jesus da Lapa o gestor anuncia que nada pode fazer, com a falta da vacina, para o enfrentamento do vírus…quanto ao São Pedro de arromba está garantido Luan Santana na atração principal!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *