Oriente Médio: um passo a mais para a guerra?

EUA e Israel iniciam vasto exercício militar conjunto, cujo objetivo pode ser preparar Tel Aviv para ataque contra o Irã

Por Andressa Pellanda

Começou neste domingo, em Israel, o exercício militar Austere Challenge 2012, realizado em conjunto pelos exércitos norte-americano e israelense. Anunciado dias antes, pelos generais Craig A. Franklin, da Força Aérea dos EUA, e Nitzan Nuriel, da Força de Defesa de Israel, ele inclui o envio de mais de mil militares norte-americanos ao território israelense, nos próximos dias. A operação vem sendo planejada há cerca de dois anos, insere-se no contexto dos ataques de Tel Aviv a Teerã. Pode fazer parte de uma estratégia para neutralizar o poder dos mísseis iranianos e, em consequência, tornar seguro um ataque aéreo israelense contra as usinas nucleares do Irã. Considerado por Andrew J. Shapiro, secretário Assistente da de Assuntos Político-Militares de Washington, como o “exercício mais importante na longa relação militar entre Estados Unidos e Israel”, o Austere Challenge 2012terá como base a relação de longa data entre os dois países, testará a defesa antimísseis de Israel, e promoverá a “estabilidade regional”, de acordo com o general Franklin.

Os norte-americanos equiparão os sistemas antimísseis Patriot,o navio de defesa contra mísseis Aegis, e vários outros sistemas de defesa aérea. Mais de mil israelenses se posicionarão em diversos locais pelo território, para testar os sistemas do Iron Dome e do Arrow 2, preparados para defesa contra foguetes, morteiros de curto alcance e mísseis balísticos de longo alcance. A maior parte do exercício de três semanas será de simulação. Porém, segundo o general Nuriel, de Israel, parte do treinamento será executado com manobras reais no terreno. O orçamento dos Estados Unidos para o treinamento é de US$ 30 milhões e o israelense, correspondendo a menos de um terço do americano, é de cerca de US$ 7,9 milhões.

“Este exercício é puramente sobre como melhorar as competências conjuntas entre EUA e Israel”, afirmou o general Franklin. “Ele não está relacionado com as eleições nacionais, nem quaisquer tensões percebidas no Oriente Médio.”, acrescentou, referindo-se às recentes trocas de ameaças entre o primeiro ministro israelense, Binyamin Netanyahu, e o presidente do Irã, Mahmoud Ahmadinejad, em relação ao programa nuclear iraniano. Apesar disso, o general israelense comentou que “cada um pode interpretar as ações da sua maneira, o fato de trabalharmos e treinarmos juntos é uma mensagem forte por si só”.

As declarações de Nuriel deixam clara a posição israelense de alerta em relação ao Irã. Também dão continuidade a uma escalada de medo, que já vinha sendo alimentado desde agosto último. Naquele mês, autoridades de Tel Aviv realizaram testes que consistiam em alertar a população por SMS, sobre possível ataque de mísseis. O medo tem sido manejado constantemente, pelos governos israelenses, para mobilizar a opinião pública de seu país e de outras partes do mundo, em favor de ações militares contra supostos inimigos. No início do mês, em um pronunciamento curto na TV israelense, o premiê Netanyahu anunciou a antecipação das eleições gerais para janeiro do ano que vem, com nove meses de antecedência, alegando uma necessidade urgente de união de Israel contra o programa nuclear do Irã. Um fortalecimento em novo mandato seria importante para suas estratégias intervencionistas.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

8 comentários para "Oriente Médio: um passo a mais para a guerra?"

  1. Paulo disse:

    Tudo indica que um ataque contra o Irã virá. É o novo ‘lobo mau’, bode expiatório, manobra diversionista ou como se queira chamar. Estão preparando a opinião pública e manipulando o medo coletivo de uma guerra que pode tomar vastas proporções. O capitalismo em crise tenta se recuperar pela indústria bélica, como já aconteceu antes. Quem disse que a guerra não é um bom negócio ?

  2. CELSO MENDONÇA disse:

    QUAL A MORAL QUE EUA E ISRAEL TÊM PARA VETAR O PROGRAMA NUCLEAR DO IRÃ? 0 1º TEM MAIS DE 5.000 OGIVAS ATÔMICAS E O 2º, CERCA DE 300 PETARDOS NUCLEARES ARMAZENADOS NO DESERTO DE NEGEV (ATÉ O MONTE SINAI SABE DISSO). QUANTA HIPOCRISIA!!!

  3. " As declarações de Nuriel deixam clara a posição israelense de alerta em relação ao Irã. Também dão continuidade a uma escalada de medo, que já vinha sendo alimentado desde agosto último."

  4. Mic disse:

    Citando Albert Einstein e Bertrand Russel, dez anos antes da crise dos mísseis em Cuba: vamos acabar com a espécie humana, ou seremos capazes de renunciar à guerra”?
    Tudo indica que americanos e judeus estão louquinhos para isso.

  5. Citando Albert Einstein e Bertrand Russel, dez anos antes da crise dos mísseis em Cuba: vamos acabar com a espécie humana, ou seremos capazes de renunciar à guerra”?
    Tudo indica que americanos e judeus estão louquinhos para isso.

  6. Paulo Marques disse:

    É profético e não tem como ser de outro jeito os Judeus não vão ter paz na terra, enquanto não passar o verão, Mateus 24, estamos em dias proféticos e nada vai mudar até que a palavra de Deus se concretize. Outro Ponto, tudo isso é pura vaidade e luxuria de homens movidos pelo poder e cegos de espírito e que se permitem ser usados para fazer o mal a si mesmos, Irão e Israel, filhos de Abraão irmãos orgulhosos de sangue que não se rendem ao perdão.

  7. Os judeus, deveria confiar mas, no Deus de abraao do que em si próprio…Asim como Deus enviou anjos para lutar em favor de do Rei Jeosafar asim fará com israel tao somente creia Israel

  8. Israel foi pisado pelos nazista é de partir coração da da humanidade…

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *