Luciana Genro fala sobre novo cenário brasileiro

Fragmentação da esquerda pode levar ao fortalecimento da direita, aponta ex-candidata presidencial pelo PSOL — que simpatiza com experimentos inovadores, como Podemos

Um vídeo do Coletivo Candeia

É preciso construir uma oposição de esquerda ao governo do PT, caso contrário a oposição de direita vai se fortalecer. Essa é a grande disputa a nos desafiar no próximo período, na visão da advogada e ex-candidata à presidência da República Luciana Genro (PSOL-RS), “porque a oposição vai crescer, com certeza”. Com uma pauta a favor das demandas populares, o Partido Socialismo e Liberdade (PSOL) foi um dos poucos do campo da esquerda que puderam comemorar o resultado destas eleições, ao ampliar as bancadas estaduais e federal.

Para Luciana Genro, a quem mais de um milhão e meio de brasileiros confiaram seu voto no primeiro turno das eleições – o dobro do que o PSOL recebeu em 2010 –, as Jornadas de Junho expressaram-se, sim, na campanha presidencial. “Junho mostrou que o PT já não tem o controle dos movimentos sociais. Houve principalmente um movimento espontâneo da juventude, e essa espontaneidade tem sua força e sua debilidade, pois as vitórias foram muito aquém das possibilidades daquele movimento magnífico.”

Ao fazer um paralelo com o surgimento do Podemos na Espanha, contudo, ela aposta na esperança. Lembra que nas eleições que se seguiram às manifestações dos Indignados, em 2011, quem sucedeu a social democracia – “o correspondente ao PT aqui” – foi a direita. “Em protesto contra o governo, as pessoas votaram na direita. Isso também ocorreu no Brasil, muitos dos votos no Aécio foram de protesto contra o governo e o PT.” Mas, dois anos após aquela eleição, o inovador Podemos, um movimento-partido, surge como favorito dos eleitores espanhois, nas sondagens de opinião pública, e pode vir a ganhar a prefeitura de Madri e as eleições nacionais. “Isso demonstra que processos de luta como os Indignados na Espanha e Junho no Brasil não têm uma expressão tão imediata no processo eleitoral, mas deixam sementes que vão brotando. Esse é o trabalho que temos de fazer agora – irrigar essas sementes para que elas brotem.”

Luciana fala sobre a fragmentação da esquerda, o que torna ainda mais difícil lutar contra o poder das elites, com a mídia empresarial a afirmar, diuturnamente, não haver alternativa além do PT e do PSDB; ou outra possibilidade de política econômica além de fazer superavit primário para pagar os juros da dívida, como se fosse natural contrariar os interesses do povo para arrumar a economia. “Só poderia governar fazendo as transformações que o PSOL defende com uma participação popular muito ampliada. Porque as forças reacionárias, o poder econômico iriam tentar impedir a realização das mudanças que a gente defende.”

Confira aqui qual a visão da candidata que ganhou o respeito de amplas camadas da juventude urbana sobre os desafios do PSOL e do campo da esquerda no cenário pós-eleitoral.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

2 comentários para "Luciana Genro fala sobre novo cenário brasileiro"

  1. LUCIANA GENRO,
    Juntos, PODEMOS melhorar o Brasil.
    Áurea de Anjdrade

  2. É muito importante e saudável para a cabeça do Povo e para a Política brasileira, ouvir e sentir as palavras da Luciana Genro, ela consegue, de forma didática e pontual, mostrar como, ao mesmo tempo que estamos fragmentados como esquerda, mostrar também que fazer política é fundamental para trabalhadores, trabalhadoras, juventude e o Povo em geral.
    É sangue novo na Política de esquerda no Brasil.
    Mas, o PT abandonou todas as bandeiras históricas da esquerda do país e do mundo? Acredito que não. Como o PSOL faria para governar sem os políticos e grupos conservadores da sociedade? Como o PSOL faria para governar tendo que negociar com um Congresso ultraconservador como o que está para assumir? Como o PSOL faria para governar com uma mídia entreguista, golpista como a que existe no país?
    Apoio popular amplo para governar ou mesmo apoiar causas mais imediatas, todos sabemos que exige tempo, formação política, organização, planejamento, e, em alguns casos, uma certa massificação no imediato. Como trazer o Povo para esse apoio amplo de forma mais rápida? Como iniciar um governo, num país do tamanho do nosso, com uma população de mais de 202 milhões de habitantes, sem os mecanismos que possuímos e que estão postos?
    O PT é todo direita? Todo o PT esqueceu as bandeiras dos Trabalhadores e do Povo? Acredito que não. Depois de mais de 500 anos de governos conservadores e elitistas, é notório os avanços em várias áreas. O PT administrou dentro dos limites do sistema capitalista, naquilo que a “grande” mídia, o grande capital, a classe média conservadora, as igrejas e religiosos conservadores permitiram.
    É possível avançar? Claro que podemos, a questão é, como?
    Uma das possibilidades de avanço real, seria com uma Reforma Política real. Será feita? Como?
    Luciana Genro com essa entrevista, com o seu debate democrático durante as eleições irrigou com sangue novo a Política brasileira, suas ideias são de milhares de homens e mulheres que desejam ver um país melhor para todos e todas, mas, muita água vai rolar até as esquerdas se unirem, o Povo seja orientado e formado e a mídia passe por uma regulamentação democrática e pare com a manipulação.
    Vamos esperar. Vamos lutar. Vamos nos unir. Vamos acordar.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *