Em busca da verdade sobre os yanomamis

Governo venezuelano nega massacre, mas buscas não são exaustivas. Sociedade exige investigação completa do caso

Por Bruna Bernacchio

Dez dias após a denúncia (em 28/8) de que dezenas de índios yanomamis teriam sido massacrados na Venezuela por garimpeiros brasileiros, na região fronteiriça entre os dois países, tudo permanece obscuro. Na terça-feira, o general Zambrano, do exército venezuelano, garantiu que oficiais sob seu comando haviam contatado as comunidades indígenas do município Alto Orinoco, área onde teria ocorrido a chacina. Nada teriam constatado de anormal (“o que havia eram crianças brincando e fazendo suas atividades”).

Horas depois, porém, a Coordenação das Organizações Indígenas da Amazônia (Coiam), que fizera a denúncia, considerou a investigação insuficiente. As buscas oficiais – pontuou a Coiam, em novo comunicado, não haviam chegado na comunidade de Irotatheri – exatamente a que teria sofrido o ataque devastador. Teriam atingido apenas as comunidades vizinhas. Embora reconhecendo “os esforços das instituições do Estado venezuelano e do governo nacional”, a entidade pediu que as investigações prossigam.

O acesso a Irothatheri parece muito difícil. À reportagem da BCC Brasil, Romel Guzama, coordenador geral de outra organização venezuelana – a Confederação Indígena Bolivariana do Amazonas – explicou o trajeto. “Primeiro deve-se ir até Momoi de helicóptero e são então necessários entre três e cinco dias caminhando pela selva até se chegar na região da fronteira com o Brasil”. José Angel Divassón Cilveti, bispo de Puerto Ayacucho, disse que “nesta região só se chega de helicóptero ou caminhando. Mas sobrevoando não se enxerga muito, já que as árvores cobrem tudo”.

Denúncia com testemunhas

Segundo a denúncia originalmente difundida, a oca foi atacada em alguma data de julho, a tiros e explosivos, que partiram de helicópteros identificados como sendo brasileiros. Em seguida, ateou-se fogo. As informações teriam sido obtidas a partir de depoimentos de três sobreviventes, prestados a membros da organização indígena Horonami e a autoridades de uma brigada do exército venezuelano. Os três depoentes estariam na floresta, no momento do ataque a sua habitação coletiva. Os fatos teriam sido confirmados por testemunhas, que teriam circulado pela região de “Parima B” entre os dias 15 e 20 de agosto.

A denúncia vai além do possível massacre em Irothatheri. Há mais de quatro anos, garimpeiros atraídos pela elevação dos preços internacionais do outro estariam invadindo o território yanomami no lado venezuelano da fronteira. O alerta teria sido transmitido a diversos órgãos do Estado venezuelano. Incluiria relatos de “violência física, ameaças, abuso de mulheres e contaminação da água por mercúrio, que já causaram mortes”; bem como a não tomada de medidas de controle e vigilância por parte dos agentes públicos.

Passado se repetindo?

Os últimos acontecimentos fazem lembrar um caso semelhante, ocorrido há vinte anos. Em 1993, em episódio conhecido como Massacre do Haximu, dezesseis yanomamis foram trucidados por garimpeiros, levando ao quase extermínio da comunidade que deu nome à chacina.

Mas o conflito remonta a tempos anteriores. Calcula-se que em meados dos anos 1980, garimpeiros que invadiram terras de Roraima de forma predatória dizimaram 15% da população yanomami. Após o ocorrido em Haximu, houve significativa mobilização da sociedade. Ainda em 1993, o Centro Ecumênico de Documentação e Informação (Cedi/ISA), produziu um vídeo sobre o massacre, dirigido por Aurélio Michiles, e intitulado Davi contra Golias [vide abaixo]. Nele, o líder Yanomami Davi Kopenawa relata como aconteceu o extermínio e exibe uma foto em que sobreviventes carregam cabaças e cestos de palha, contendo as cinzas dos mortos.

A notícia espalhou-se e ativistas promoveram manifestações em todo o mundo, pedindo a punição dos culpados. Os garimpeiros foram julgados e condenados em 1996, e ainda, em decisão inédita de 2000, o Superior Tribunal de Justiça (STJ) caracterizou o massacre como genocídio, ou seja, um crime característico contra todo um grupo.

Etnia isolada, verdade escondida

Por que, afinal, no caso denunciado agora, a comitiva do governo venezuelano não sobrevoou a oca apontada? E por que não foi gravado nenhum depoimento, nem se fez fotografia ou foram coletadas provas concretas — apenas anunciou-se uma informação rasa? O general Zambrano declarou à Agência Routers que uma investigação mais completa “seria extremamente difícil de ser realizada”, pela disposição geográfica em que a comunidade se encontra e por pouco se conhecer dos hábitos de seus habitantes e das localizações por onde circulam.

Ainda que árduo, esclarecer os fatos não é impossível. Marcos Wesley, do Instituto Sócio-Ambiental (ISA), assegura que o governo brasileiro já se ofereceu para ajudar na investigação. Ele avalia que todas as informações surgidas até agora são “de segunda mão, desencontradas e incompletas”. Reivindica a presença, nas buscas, de “representantes das organizações que qualifiquem a investigação”.

Para não permitir que pairem dúvidas sobre denúncia tão relevante, o ISA iniciou uma campanha de mobilização pela internet. Circula petição que pede investigação completa dos fatos. Para apoiá-la – bem como exigir que autoridades brasileiras e venezuelanas impeçam as invasões de território yanomami por garimpeiros – é possível assinar aqui.

 

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

11 comentários para "Em busca da verdade sobre os yanomamis"

  1. Pedro Cuello disse:

    En Brasil, Argentina, Paraguay, constantemente se violan los derechos de los pueblos indigenas. Hemos heredados una mentalidad europeizante de los conquistadores Españoles y portugueses y el objetivo es quedarse conlas tierras que habitan porque en ellas hay recursos ambientales

  2. PEDRO disse:

    En Brasil, Argentina, Paraguay, constantemente se violan los derechos de los pueblos indigenas. Hemos heredados una mentalidad europeizante de los conquistadores Españoles y portugueses y el objetivo es quedarse conlas tierras que habitan porque en ellas hay recursos ambientales

  3. Assine a petição que pede a investigação completa de denuncia de massacre dos Yanomamis da Venezuela por garimpeiros brasileiros.

  4. Assine a petição pela apuração das denúncias de genocídio Yanomami na fronteira Venezuela-Brasil http://www2.socioambiental.org/pt-br/pela-apuracao-das-denuncias-de-genocidio-yanomami-na-fronteira-brasil-venezuela

  5. …cada vez mais, 'lei' e 'justiça' afastam-se por interesses personalistas e/ou governamentais…

  6. Nina Garcia disse:

    …e eu fico pensando na informação que não chega até nós, quantas maldades já foram feitas sem ninguém saber?

  7. David Hernández-Palmar disse:

    Em busca da verdade sobre os yanomamis

  8. Carlos Bolívar disse:

    Indígenas Yanomamis na aldeia de Irotatheri, falou com os jornalistas e negar que tem havido violenciaNoticias|
    AP-venezuelana funcionários e jornalistas que estavam investigando relatos de um possível massacre em uma remota aldeia indígena da Amazônia encontraram o povo silenciosamente cozinhar bananas em torno de uma fogueira comum e nenhum sinal de qualquer massacre. A tribo Indígena Yanomami a aldeia de Irotatheri falou com os jornalistas por um guia que traduziu suas histórias em que negou ter havido violência. O governo transportados jornalistas usando helicópteros sexta-feira passada, para a Comunidade, então, que houve relatos de mortes na Comunidade perpetrados por alguns grupos indígenas.

  9. Bernard Vital Rosenthal disse:

    OS DIREITOS HUMANOS FORAM ESCRIITOS POR QUEM ? ONDE OS INDIOS, FORAM REPRESENTADOS? ATÉ QUANDO O GOVERNO FECHARA OS OLHOS EM NOME DA GANANCIA E EGOISMO, ONDE OS SERES INDIGENAS SERAM RESPEITADOS, SÃO OS VERDADEIROS DONOS DESSE CONTINENTE …………………… ATÉ QUANDO ???? E AINDA DIZEM QUE SOMOS CIVILIZADOS ?!!! TENHO VERGONHA DE SER HUMANO DA RAÇA BRANCA…..

  10. Marcelo Parise disse:

    Lamentável é ter o ISA a frente de toda e qualquer questão indígena na Amazônia Brasileira. Por temer a perda do seu FEUDO, inibe qualquer atividade governamental que poderia auxiliar na proteção destas áreas indígenas, principalmente no que diz respeito às questão da sobreposição de unidades de conservação federais e terrás indígenas. Quual o motivo do ISA em não querer essa soma de esforços???? Por que não uma gestão compartilhada????

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *