Dois artistas veem os vaiantes

140617-Vaia

O poeta concretista Augusto de Campos e o músico Chico César escrevem sobre os insultos na abertura da Copa do Mundo

Viva Dilma. Vaia aos VIPS

Por Augusto de Campos

“Prezados Senhores.

Esse jornal utilizou, em 14 de junho de 2014, com grande destaque, o poema VIVA VAIA, de minha autoria, como ilustração de matéria ambígua sobre os insultos recebidos pela presidente Dilma, na partida inicial da seleção. Utilizou-o, sem minha autorização e sem pagar direitos autorais: sem me dar a mínima satisfação. Poupo-me de comentar a insólita atitude da Folha, a quem eu poderia processar, se quisesse, pelo uso indevido de texto de minha autoria. A matéria publicada, composta de três artigos e do meu poema, cercado de legendas sensacionalistas, deixa dúvidas sobre a validade dos xingamentos da torcida, ainda que majoritariamente os condene, e por tabela me envolve nessa forjada querela. A brutalidade da conduta de alguns torcedores, que configura até crime de injúria, mereceria pronta e incisiva condenação e não dubitativa cobertura, abonada por um poema meu publicado fora de contexto. Os xingamentos, procedentes da área vip, onde se situa gente abastada e conservadora, evidenciam apenas o boçalidade e a truculência que é o reverso da medalha do nosso futebol, assim como a inferioridade civilizatória do brasileiro em relação aos outros povos. Escreveu, certa vez, Fernando Pessoa: “a estupidez achou sempre o que quis». Como se viu, até os candidatos de oposição tiveram a desfaçatez de se rejubilarem com os palavrões espúrios. Pois eu lhes digo. VIVA DILMA. VAIA AOS VIPS.”

Os Vaiantes

Por Chico César

os vaiantes

chegam antes

vão antes de van

com seus seus ingressos vips

os vaiantes não querem saber

se há crianças na sala de casa vendo tv

eles pegaram os aviões

desceram nos aeroportos

e alguns tomaram o metrô até o estádio

finalmente concluído

tudo funcionou até ali

e os vaiantes sentem-se frustrados na falta de desastres

e felizes em agredir a mulher

muitos vaiantes são mulheres

a euforia

uma certa embriaguez até

de estar ali fazendo ola

e aparecendo no telão de led

a euforia

e uma certa embriaguez até

de pertencer ainda a um grupo

um condomínio fechado dá segurança aos vaiantes

eles precisam gritar em público e em coro aquela palavra

que evitam dizer em casa

na mesa em que se empanturram

para depois fazer dieta

ou debaixo dos lençóis com as luzes apagadas

os vaiantes

crêem que tem o direito de ser deselegantes

pois pagam impostos e muitos deles pagaram pelo ingresso

livrando-se assim de estar na fan fest com aquela gente suada

ou no cheiro de fumaça do churrasco com os vizinhos de prédio

os vaiantes vaiam

porque a copa é aqui

e eles não tiveram de pagar em prestações

as passagens para a espanha, o méxico, o japão, a frança

vaiam pois não precisam se hospedar em cinco pessoas

em quartos onde mal cabem dois

eles vaiam porque estão em casa

mas lá fora aplaudem até microfonia

e as línguas arrevesadas que não compreendem

mas são estrangeiras e deviam estar dizendo coisas interessantes

que fogem a sua ignorância

os vaiantes vaiam

pois sabem que mesmo não perdendo

o que percebem como privilégio de classe

de gente bem

tem mais gente chegando perto de ter acesso

aos mesmos bens e serviços

a seus carros

aos aviões

aos estádios

ås universidades

metrô não que metrô é coisa de gentinha no entender dos vaiantes

tem mais gente chegando perto de sua bossalidade e ignorância

os vaiantes em seu estertor espasmódico

mostram-se esquizofrênicos e epilépticos morais

espumando com suas bocas tortas na tv

suas barrigas

suas chapinhas

seus stick lips para manter brilhante o botox labial

os vaiantes sentiram-se eufóricos

pois não sabem distinguir um jogo de futebol

de uma eleição que sabem que o candidato deles perderá

pois confundem um jogo de futebol

com o carro alegre da história cheia de gente contente

que os atropela ou passa ao largo de sua falta de auto-estima

a história vai

os vaiantes ficam aguardando o challenger para se espatifar no ar junto com ele

os vaiantes adoram gran finale

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

3 comentários para "Dois artistas veem os vaiantes"

  1. eliana avezum disse:

    Chico César,não é à toa que amo você!!!!

  2. Marcelo disse:

    Boçalidade é escrever poema e errar a grafia.
    Ou reduzir um protesto com 62mil participantes por não gostar de uma classe social específica. À qual o nobre Secretário pertence, diga-se de passagem.
    Quando os líderes perdem a vergonha, os liderados perdem o respeito.

  3. Rafa disse:

    Uma pena que o talento de Chico César esteja tão cego.
    A África é mama de todo mundo seu Chico.
    Os vídeos de gente humilde, brancos ou negros, estão por aí, na internet.
    A vaia foi coletiva sim senhor, foi a voz do Brasil, que não quer mais mentiras, que não tolera o populismo.
    Quem vaia não quer desgraça, não quer Challenger se espatifando, quem vai tem é medo da desgraça, do erro contínuo de quem vem governando.
    Independente da bandeira, estão todos cansados, xingando, vaiando e entoando palavrão, pois política, não se faz dessa maneira, não.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *