Como o tsunami cambial começou a atingir o Brasil

Governo de S.Paulo ameaça entregar a grupos estrangeiros (inundadas de euros fáceis) projetos de expansão do Metrô — que poderiam garantir empregos altamente qualificados a milhares de brasileiros

Por Antonio Martins

Sobre o mesmo tema, na revista Outras Palavras, Operação Cavalo de Tróia

No início de março, pouca gente compreendeu a alusão da presidente Dilma Roussef a um “tsunami cambial”, que os Estados Unidos e principalmente a União Europeia (UE) começaram a produzir, há alguns meses. A mídia convencional trata as finanças internacionais como um assunto para especialistas. É difícil compreender (e mesmo acreditar) que, em poucas semanas, a UE produziu e transferiu, aos grandes bancos do Velho Continente, um volume de recursos equivalente às reservas internacionais acumuladas pela China, em anos de superávits comerciais. Agora, porém, acaba de surgir, em São Paulo, um sinal concreto de como o “tsunami” pode afetar o país.

Num texto publicado hoje por Outras Palavras, José Roberto Bernasconi presidente da regional paulista do Sindicato das empresas de Engenharia e Arquitetura denuncia: governo e prefeitura de S.Paulo trabalham para desnacionalizar o setor de desenvolvimento de projetos do metrô no estado. A afirmação parte de fatos concretos. O próprio vice-governador paulista, Guilherme Afif Domingos, esteve em Madri, em meados do mês, para negociar a participação de empresas espanholas nos projetos de expansão da malha metroviária. Segundo matéria em O Estado de S.Paulo, serão convidadas a Metro Madrid, Renfe e Aves. Poderão participar da definição de investimentos que poderiam atingir R$ 60 bilhões, em seis anos. A relação com o “tsunami” cambial aparece no final do texto.

Em condições normais, as companhias madrilenhas não teriam espaço para disputar obras no Brasil. Estão abatidas pela crise, que paralisou os investimentos públicos em seu país. Enfrentam problemas com capacidade ociosa, demissões e inadimplência. É aqui, porém, que entra a estratégia dos governos conservadores e do Banco Central Europeu (BCE) para tentar dar a volta por cima. O Banco Santander financiará a atuação dos grupos espanhóis no Brasil. Ele foi um dos beneficiados pela enxurrada de euros produzida pelo BCE. Utilizando-se do dinheiro quer recebeu a juros negativos (1% ao ano, abaixo da inflação), ajudará empresas de seu país a ocupar, no metrô paulistano, o lugar de concorrentes brasileiras.

Em seu artigo, Bernasconi explica que a opção pelos técnicos espanhóis é desnecessária e nociva. “O Brasil tem mais de 20 mil empresas de projeto de arquitetura e engenharia (…), a maior parte em São Paulo. Essas empresas foram responsáveis por projetos do metrô paulistano desde seus primórdios, de hidrelétricas, portos, aeroportos, rodovias-símbolo. (…) Possuem um know-how acumulado a duras penas e com grande investimento”, narra ele.

A opção por abrir o setor a estrangeiros está, além disso, na contramão da tendência mundial: “A engenharia é uma das bases mais fortes para dar suporte à inovação (…) Estados Unidos, Europa, Japão e China (…) não permitem que empresas e profissionais estrangeiros atuem livremente em seus territórios”.

A desnacionalização não é, evidentemente, uma fatalidade. Em São Paulo, basta, para evitá-la, resistir à postura do governo do Estado. Mas parece óbvio que a farta disponibilidade de euros (e dólares) tenderá a influenciar certas decisões políticas, nos próximos anos… Assim como cobiçam, agora, o setor estratégico da engenharia de projetos, empresas e bancos estrangeiros poderão usar a montanha de recursos com que contam para adquirir grupos econômicos brasileiros, conquistar espaço em setores onde não atuam, ou simplesmente, valorizar seu capital tirando proveito das taxas de juros pagas pelo Estado brasileiro. O dinheiro pode servir também (alguém se ilude?) para “convencer” políticos e jornalistas. Exatamente por isso espera-se, do governo brasileiro, não apenas declarações contra o tsunami cambial mas, acima de tudo, atos.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

2 comentários para "Como o tsunami cambial começou a atingir o Brasil"

  1. Dulce Mara disse:

    Uma perguntinha básica: qual exatamente a diferença entre privatizar metrô e privatizar aeroportos?

    • Antonio Martins disse:

      Repare, Dulce, que o texto não trata da privatização das *operações* dos aeroportos, nem do metrô. É outro debate, também muito oportuno.
      O que o Sinaenco está denunciando é que o governo de São Paulo quer entregar os *projetos* do metrô para empresas espanholas. É um setor de enorme sofisticação, para o qual profissionais e empresas brasileiras estão qualificados. De minha parte, acrescentei que isso se faz graças a uma operação financeira que equivale, mais ou menos, a *fabricar euros*, e com eles, promover dumping no Brasil.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *