Agenda: em Florianópolis, debate sobre o cenário brasileiro

Nilson Lage e Bernardo Joffily examinam nesta quinta, na UFSC, os desafios da democracia e da esquerda, após a eleição de Bolsonaro

Brasil 2018-2022
Quinta, 6/12, às 19h
Universidade Federal de Santa Catarina – Auditório do CFH

Passadas as eleições de 2018, urge retomar o debate sobre as tendências e perspectivas que se abrem diante de um novo governo, bem como do atípico processo eleitoral no Brasil. Nessas circunstancias, convidamos dois importantes expoentes do jornalismo, que ajudarão a desvendar o cenário brasileiro e traçar, por meio de seus conhecimentos e experiências, um panorama do que poderá ocorrer nesses quatro anos de governo (2018-2022).

Nilson Lage

jornalista, nascido em 1936, mestre em Comunicação, doutor em Linguística e Filologia. É professor aposentado da Universidade Federal de Santa Catarina. É doutor em Lingüística, Mestre em Comunicação e Bacharel em Letras. Foi professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade Federal Fluminense e de instituições particulares. É autor de seis livros, entre eles Estrutura da Notícia, Linguagem Jornalística e Controle de Opinião Pública. Atuou no Jornal do Brasil, no Globo, na Manchete, na TV Educativa do Rio de Janeiro, bem como na assessoria de comunicação das Estradas de Ferro Central do Brasil, Caixa Econômica Federal e Eletrobrás.

Bernarndo Joffily,

jornalista, nascido em 1950, foi editor do portal www.vermelho.org.br de 2002 a 2009. É também autor do atlas histórico brasileiro IstoÉ Brasil 500 anos (1998) e da agenda Brasil outros 500 (2000). Na juventude participou da resistência à ditadura, sendo vice-presidente da Ubes (União Brasileira dos Estudantes Secundaristas) em 1968-1970. Filiou-se ao PCdoB em 1973 e foi eleito para o Comitê Central deste partido em 2005. Trabalhou como radialista na Rádio Tirana (1974-1979) e foi chefe de redação do semanário Tribuna da Luta Operária (1979-1987). Em março de 2002 ajudou a fundar o Vermelho, tido como o maior site .org brasileiro. Tem também traduzido obras do inglês, francês, espanhol, italiano e em especial da obra do romancista Ismail Kadaré, do albanês.

Organização:

IIR – Instituto Ignacio Rangel

LABEUR – Laboratório de Estudos Urbanos e Regionais/Geociências/UFSC

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: