Carta aos jornais que descobriram, com atraso, a degola de um bebê indígena

238

Terra Indígena Tenharim, em Manicoré, sul do Amazonas (Foto: Alceu Castilho)

“Querida Grande Imprensa, eu queria lembrá-la de outras pautas indígenas esquecidas; crianças mortas, povos confinados, apartheid; nunca será tarde”

Por Alceu Luís Castilho (@alceucastilho)

Querida Grande Imprensa,

Vejo que, finalmente, você percebeu que um bebê de 2 anos foi degolado em Santa Catarina. O Estadão até publicou um texto, nesta quinta-feira, lá nos confins de uma página interna, três dias após a jornalista Eliane Brum acabar de escancarar o caso, em sua coluna no El País Brasil – e uma semana após identificarmos, na mídia contra-hegemônica, a omissão dos grandes jornais. Expus essa angústia, no dia 31 de dezembro: Eu, leitor, à espera de notícias sobre um bebê indígena assassinado. Pena que O Globo não deu as matérias do G1 na edição impressa. A Folha a gente segue aguardando.

E nem era tão longe, né? Foi ali, em Santa Catarina. Mas que bom que deu tempo. Nunca será tarde demais. Aproveitando, então, o interesse demonstrado pela morte de Vítor Pinto, e supondo que não seja ocasional a preocupação com o bebê Kaingang, sugiro que a Senhora coloque em pauta outros exemplos do massacre sistemático praticado contra os povos indígenas no país. Um caso antigo, ainda mais antigo que a história de Estadão, Folha, O Globo – todas as suas histórias somadas. É a história de um genocídio – de cabeças arrancadas, etnias inteiras dizimadas ou extintas, confinadas, espoliadas.

Por exemplo, o massacre dos Guarani Kaiowá, no Mato Grosso do Sul. Estão para ser despejados 4 mil indígenas na região de Japorã. Eu adoraria ir ao local, mas não tenho recursos. Vocês, que têm encolhido o tamanho dos jornais sem reduzir o preço, talvez ainda tenham algum troco para enviar bons repórteres (sei que ainda os têm) à região, para contar a história completa – antes que famílias inteiras sejam mais uma vez humilhadas. Mas fiquem um bom tempo: tem muita aldeia para visitar. O massacre dos Guarani Kaiowá é o maior da América do Sul, ao lado dos Mapuche, no Chile. Várias lideranças indígenas foram assassinadas. Crianças são discriminadas.

renatosoares

Beleza dos povos indígenas também poderia ser lembrada pelos jornais (Foto: Renato Soares)

E não é o único caso, sabiam? Há tantos outros pelo país. Lembro-me que a Folha esteve em Humaitá (AM), há dois anos, cobrindo o apartheid contra os Tenharim, na Transamazônica, região do Rio Madeira. Bom, sei que não foi essa a abordagem do jornal, mas de fato o que acontece por lá é um apartheid. Poderiam enviar novamente um repórter, questionar o fato de não terem reconstruído a sede da Funai, ou da Secretaria de Saúde Indígena – incendiadas por uma população furiosa, instigada por comerciantes, fazendeiros e madeireiros. Carros e barcos foram queimados. E a população indígena ainda vive com medo.

Acreditam que não se trata do único caso de apartheid? Esse caso mesmo de Santa Catarina decorre de uma segregação. Um colunista gaúcho chegou a ser condenado, chamou os Kaingang de “sujos, ignorantes e vagabundos“. Há tantos outros casos, de norte a sul do país, que clamam por ser relatados para um grande público. No nordeste de Minas Gerais, membros da etnia Maxakali são espancados e mortos. O SBT fez uma matéria, em agosto, mas não precisam se acanhar. A história ainda existe e sempre pode ser contada de outra forma: Índios são vítimas de agressão e assassinato no nordeste de Minas Gerais.

E tem os Tupinambá de Olivença, na Bahia, os Saterê-Mawé no Amazonas, povos diversos em Santarém, no Pará. Seria exaustivo enumerar todos os casos. Estamos diante de um fenômeno que não pode motivar apenas coberturas episódicas, somente quando acontece algo mais grave – e nem isso tem ocorrido. Trata-se de algo sistemático. Que poderia motivar editoriais frequentes, menção pelos colunistas mais importantes, reportagens de fôlego, acompanhamento regular dos conflitos e das iniciativas da Funai, do Ministério Público, das organizações indigenistas. Mas não somente uma vez por ano, para ganhar prêmios de jornalismo, vamos combinar?

RACISMO E GENOCÍDIO

Sabe, Grande Imprensa. Não é por fúria revolucionária que pedimos isso. É pela preservação de direitos elementares, consagrados no pós-guerra por países capitalistas. Pelo próprio sistema. Pela Declaração Universal dos Direitos Humanos. Não sei se recordam, mas promulgamos também uma Constituição, em 1988. Não é um documento incendiário. É bastante tímido em relação à nossa desigualdade no campo e à nossa dívida histórica para com camponeses, quilombolas, povos tradicionais e originários. Mas estão garantidos lá os direitos indígenas. O direito à demarcação de terras – terras deles. Para não falar no direito à vida.

E os temas estão relacionados, sabiam? Acho que já falei do Mato Grosso do Sul. Lá morrem muitas crianças por desnutrição (fome), atropelamentos ou falta de atendimento médico. Ontem mesmo – 6 de janeiro de 2016 – morreu um bebê de 1 ano em Coronel Sapucaia: Sem ambulância, criança indígena de um ano morre em acampamento. Seria inimaginável um espaço nos jornais, um canto de página que fosse? Só provisoriamente, até fazerem uma reportagem de maior fôlego sobre o tema. Quem sabe com chamada de capa. A mortalidade infantil indígena tem aumentado no Brasil. Não é constrangedor o veículo mais atento ao tema ser o espanhol El País?

denilsonbarbosa-ms

Enterro de Denilson Barbosa, 15 anos, assassinado no MS (Foto: Ruy Sposati/Cimi)

Sobre o bebê degolado em Imbituba, espero também que a Senhora cumpra sua função civilizatória, tomando todos os cuidados para que não se linche midiaticamente o assassino confesso. Os direitos do rapaz precisam ser garantidos, pela polícia e pela Justiça, pois são os direitos de todos nós. Ele parece ser uma pessoa confusa. E é claro que precisa ser punido com rigor. Agora, não foi ele quem criou esse ódio. Sua condenação não purgará todas as culpas do Brasil e do Ocidente em relação aos povos indígenas. A Matheus apenas o que é de Matheus.

Como lembrou ontem a mãe do Vítor, foi por algum motivo que ele escolheu um bebê indígena para matar. E não por uma força externa, pelo satanismo, como já querem nos fazer crer. Escolheu porque a cultura (local, regional, nacional) é a do racismo. Essa é a palavra correta. E as pessoas que perpetuam o racismo contra indígenas não são exatamente confusas. Sabem muito bem o que estão fazendo. Elas fazem parte do poder político, do poder econômico. São proprietárias de terras, boa parte delas usurpada. São deputados, senadores. Não se esqueça delas, sim?

Atenciosamente,

Um jornalista.

LEIA MAIS:

Eu, leitor, à espera de notícias sobre um bebê indígena assassinado

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

7 comentários para "Carta aos jornais que descobriram, com atraso, a degola de um bebê indígena"

  1. Como jornalista, publiquei a notícia no dia seguinte ao crime. Seguimos publicando desdobramentos, como o curioso perfil do assassino, que pode ser conferido no link http://www.tudosobrefloripa.com.br/index.php/desc_noticias/conheca_o_perfil_de_matheus_suspeito_de_matar_o_menino_indio_em_imbituba

  2. André Tristão Aquino disse:

    Excelente abordagem!
    Os mesmos conceitos valem para os negros, homossexuais, moradores de periferia etc!

  3. Valkiria Polo disse:

    Não sei como ajudar, alguém pode nos dizer o que fazer? Abaixo assinado, exigindo que as autoridades tomem alguma providencia?

  4. Marcio Ramos disse:

    Certíssimo Alceu. Entendo perfeitamente seu ponto de vista. Mas eu não me preocuparia com a mídia bandida, assassina, corrupta, esta mídia deve ser tratada como bandida, assassina e corrupta, não perca tempo com estes canalhas, nem espere porra nenhuma destes pilantras.

    Ja vi suas matérias e são muito honestas, na Publica e em outros lugares.

    A experiencia que eu tenho é que a sociedade do Amazonas ao Rio Grande do Sul é racista e preconceituosa e detestam os indígenas. É muito preconceito, na floresta e na cidade. Ribeirinhos da Região Norte têm preconceito forte com os indígenas, nas cidades do MS é incrível o preconceito, no litoral da Bahia, Espirito Santo, Santa Catarina, enfim em todo lugar. Antropólogos, ONGs, Institutos Socioambientais da vida e tal não chegam a uma conclusão nunca sobre uma politica indígena – e muitas se acham donos do futuro das aldeias e da população em que trabalham – a FUNAI na minha opinião nunca prestou pra nada e a maior parte dos jornalistas, muitos honestos e de boa vontade escrevem baseados em ideologias fajutas, não vivem com os indígenas, desconhecem seu dia a dia, moram longes das aldeias, cresceram em cidades e por estas e outras acredito que não conseguem mostrar a complexidade dos problemas. Mas que bom que tem gente que luta! Que bom!

    Eu sou neto de indígena do Alagoas – meu avô sobreviveu os irmãos morreram de fome, desnutrição,conflito – cresci no MS, ja rodei e andarilho pelo Brasil e nunca, nunca presenciei nada que eu possa dizer “ali eu vi uma politica inteligente respeitando os indígenas e não tratando-os como seres saídos do neolítico que merecem apenas um gueto para se multiplicarem”. Claro que conheço indígenas professores, políticos, comerciantes, agricultores, etc mas são poucos e sofrem tbm com o preconceito. Ou um ou outro lugar que em determinado momento parecia que as coisas dariam certo, mas o tempo passa e nada se resolve. No Espirito Santo tem aldeia que quer ser asfaltada, antropólogo não deixa; No MT tem aldeia que quer estrada, mas não pode nunca tem dinheiro pra estrada em terra indígena; no Amazonas, bem, no Amazonas vi tudo quanto e tipo de treta; perto de Dourados os indígenas se matam e morrem nas mãos de jagunços; latifundiário joga veneno em cima de aldeia com aviãozinho; tem área indígena que já tem superpopulação e nunca ninguém fez nada; escolas, hospitais, orientação profissional? Nem pensar, a maioria um lixo. No Pará acompanhei reunião de indígenas para marcar curso para aprenderem a fazer farinha – to falando sério foi em Alter do Chão – para poderem exigir terra, vai vendo. Ja tive que parar e voltar com barco porque ribeirinho não tinha grana pra pagar pedágio para indigena em rio, vai vendo. Muita treta, de todo lado. Sem contar a dificuldade que os indígenas tem de se unir, de liderança que satisfaça etnias diferentes. Terena e Kaiowa no MS vc deve saber das brigas. É mano, mundo cão. Tenho um amigo Kadiweu que toda vez que vai para a a Serra da Bodoquena volta triste isso pq a demarcação ali tem mais de 100 anos. Muito triste.

    Esqueça a mídia bandida e força na luta. Sua luta é exemplo, dos bons. Valeu.

    • Alceu Castilho Alceu Castilho disse:

      Grato, Marcio. Bom, o texto tem uma boa dose de ironia em relação à grande imprensa. Mas, sim, defendo, por um lado, a necessidade de uma crítica de mídia, para que mais gente fique ciente das contradições. E, por outro, a pressão de movimentos sociais para que se publiquem notícias de interesse público. Tudo isso em paralelo com a construção de uma mídia contra-hegemônica. Sobre os povos indígenas, sei como é complicado. Mais um motivo para defendermos seus direitos.

  5. Marco Giebels Vitorino disse:

    Fico confuso com o que as pessoas defendem e o que fazem na prática, matar não é um último recurso, mas muitas vezes se recorre a este recurso, porque os recursos e leis não são aplicados na sua plenitude. Todo o mundo é importante, todo o mundo tem coração igual ao meu, que tem meios é obrigado a defender as causas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *