A Grécia decide não retroceder

A classe média adere: em 6/2, manifestação em Atenas defende as primeiras medidas do novo governo grego, diante das ameaças dos conservadores europeus

A classe média adere: em 6/2, manifestação em Atenas defende as primeiras medidas do novo governo grego, diante das ameaças dos conservadores europeus

Pressionado pela União Europeia, primeiro-ministro Tsipras anuncia ao Parlamento que implementará “integralmente” programa que o elegeu — a começar da Reforma Tributária

No Ekathimerinide Atenas | Tradução: Vila Vudu

Com semana difícil pela frente para a Grécia, e sob pressão crescente dos credores, o primeiro-ministro Alexis Tsipras apresentou ontem ao Parlamento seu programa político de governo, prometendo implementar as promessas pré-eleitorais de revogar medidas de austeridade, embora não todas ao mesmo tempo. “Temos um único compromisso – servir aos interesses do povo e ao bem da sociedade” – disse Tsipras, acrescentando que é decisão irrevogável de seu governo implementar “integralmente” as promessas de campanha.

O premiê disse que o governo não tentará qualquer prorrogação do “resgate” da Grécia. Disse que seria “prorrogar os mesmos erros e o mesmo desastre”; reiterou que os gregos exigem um acordo “ponte” a ser firmado até que se alcance “acordo mutuamente aceitável” com os credores. “Não temos nenhuma intenção de ameaçar a estabilidade na Europa”, disse ele, acrescentando que, contudo, não “negociaria” a soberania do país. Continuar lendo

TEXTO-FIM

Argentina e Brasil, juntos, confrontam FMI

 

Batista Jr.: pelas regras atuais, Luxemburgo tem, no Fundo, mais peso que Argentina ou África do Sul

Batista Jr. dispara: pelas regras atuais, Luxemburgo tem, no Fundo, mais peso que Argentina ou África do Sul

No Twitter, Cristina Kirchner associa Fundo a “abutres”. Em Washington, representante brasileiro critica resistência em democratizar organização e fala em “abismo de credibilidade”

Por Antonio Martins

Por algum motivo, você não verá nos jornais comerciais brasileiros destaque para os fatos a seguir — mas vale registrá-los. Brasil e Argentina estão travando juntos, nos bastidores do FMI, uma disputa crescente contra as lógicas e a estrutura de comando da instituição. O embate tornou-se especialmente árido a partir da última quinta (31/1), quando a diretoria [board] do Fundo lançou dois comunicados — que se transformaram imediatamente em polêmica.

Continuar lendo

Grécia para contra a “Troika”

Às vésperas da votação no Parlamento por pacote de austeridade, gregos iniciam 48h de greve geral

Por Yannis Almpanis, Atenas | Tradução Cauê Seigner Ameni

Hoje, na cidade de Atenas, e em toda a Grécia, uma das maiores mobilizações populares desde a queda da ditadura em 1974. Nas primeiras horas das 48h de greve geral centenas de milhares (500.00 segunda as estimativas dos sindicatos e 75.00 segundo a policia) inundaram o centro de Atenas em protesto contra o novo pacote de austeridade imposto pelo governo grego, FMI e UE. A multidão (não apenas os trabalhadores e jovens, mas também a classe média e trabalhadores autônomos) expressaram determinação para lutar contra o corte de 30.000 empregos, redução dos serviços públicos, pesada taxação, uma diminuição de até 40% dos salários, crescimento do desemprego e a destruição da saúde pública e do sistema educacional. Continuar lendo