Metrô-SP: cartel forneceu trens com alto índice de falhas

130905-Metrô

Levantamento demonstra: embora novas, composições vendidas em concorrência manipulada quebram quatro vezes mais que as de trinta anos e alimentam caos no transporte público

Por Tadeu Breda* e Vinícius Gomes**


Atualização em 21/3/2014:

Menos de dois meses após uma paralisação de cinco horas na Linha Leste-Oeste (em 4/2), o metrô de São Paulo voltou a viver hoje um situação de caos. Falha ainda não identificada praticamente paralisou o trecho Norte da linha Norte-Sul, entre 6h e 10h20. Viagens que normalmente demorariam dez minutos arrastaram-se por quarenta. Formaram-se aglomerações em todas as estações.

Há nexo claro entre a crise de manutenção do sistema e os sinais de corrupção na Companhia do Metrô e no governo paulista, investigados pela Polícia Federal e Cade. Conhecido, por décadas, pela excelência de seus serviços, o transporte metroviário de São Paulo entrou em decadência abrupta há alguns anos, desde que os trens e a manutenção passaram a ser fornecidos por empresas acusadas de formar cartel e pagar propina a governantes.

Um dos focos de problemas está na chamada Frota K, à qual pertence o trem (K07) que causou caos em fevereiro. Os 19 trens que a compõem a frota fabricados nas décadas de 1970 e 80. Sua reforma, a partir de 2011, está marcada por contratos obscuros com um cartel privado. A operação acaba de ser interrompida, por exigência do Ministério Público.

Mas os transtornos perduram. Como mostra a matéria a seguir, a Frota K apresenta quatro vezes mais falhas que todas as demais — e algumas delas são gravíssimas, envolvendo abertura de portas com trens em movimento. Além de oferecer serviço cada vez mais inconstante, o Metrô-SP parece estar sob risco de um acidente grave. Mas o governo de São Paulo prefere atacar os usuários. Tem a cobertura da velha mídia, que se recusa a investigar sinais evidentes de desmantelamento de sistema que há poucos anos era tido como exemplar — e é cada vez mais indispensável para São Paulo (A.M.)
– 

Surgiu o primeiro sinal de que a série de fraudes que contaminou as concorrências do metrô paulista são parte do caos vivido todos os dias por milhões de usuários. Levantamento realizado por funcionários da Linha 3 Vermelha do metrô de São Paulo, com base no registro oficial de falhas do sistema, mostra que trens recentemente adquiridos ou reformados pelo governo do estado junto a empresas acusadas de formação de cartel apresentam problemas técnicos em frequência até quatro vezes maior que as composições antigas, com cerca de 30 anos de uso. Algumas das novas aquisições do metrô chegam a registrar média de 35 defeitos por dia. Os dados são preliminares. Foram levantados por trabalhadores impressionados com as constantes quebras e acidentes envolvendo estes carros. Diante dos dados, é essencial que a Companhia do Metropolitano apresente as estatísticas oficiais sobre falhas – que possui mas, até o momento, não disponibiliza.

Os números são resultado da análise do histórico de oito dos cerca de 50 trens que operam no trecho leste-oeste da malha metroviária paulista, e foram obtidos após consulta a um sistema conhecido como S-GUT, que registra informações sobre todas as composições do metrô, tais como localização, quilômetros rodados, tempo de operação e número de problemas técnicos denunciados pelos condutores. O S-GUT pode ser acessado a partir de computadores conectados à rede da empresa, mas apenas permite visualização dos dados na tela. As informações não podem ser gravadas. Por isso, a contagem de falhas teve que ser realizada manualmente.

Funcionários do metrô analisaram os últimos 1.000 dias de operação de trens novos, reformados e antigos que circulam pela Linha 3 Vermelha. Entre os novos, foram averiguados os registros das composições conhecidas como H59 e H60, construídos pela espanhola CAF e entregues à Companhia do Metropolitano entre 2008 e 2010. Entre os reformados, foram escolhidos os trens K01 e K07, modernizados pelo consórcio MTTrens, composto pelas empresas MPE, Temoinsa e TTrans, em circulação desde 2011. E também os L26 e L27, recondicionados pela francesa Alstom em conjunto com a Iesa a partir do mesmo ano. Novos e reformados foram comparados aos antigos conhecidos como 302 e 335, fabricados pela Mafersa nos anos 1980.

Alstom, TTrans e CAF estão diretamente envolvidas nas denúncias de formação de cartel para burlar a concorrência em editais do governo do estado de São Paulo para reforma de composições e ampliação da malha metroferroviária na região metropolitana da capital. De acordo com uma das empresas que integrou o embuste, a alemã Siemens, membros do alto escalão do governo paulista nas gestões Mário Covas, Geraldo Alckmin e José Serra, todos do PSDB, teriam participado e acobertado a maracutaia. Cálculos preliminares do Conselho Administrativo de Defesa Econômica (Cade) apontam que o conluio teria provocado prejuízos de R$ 425 milhões ao Erário estadual.

De acordo com o levantamento dos funcionários do metrô, as composições das frotas K e L, reformadas pela MTTrens e Alstom, respectivamente, foram as que mais apresentaram falhas. Os defeitos podem variar de mau funcionamento do ar condicionado a problemas mais graves de segurança, como trepidações excessivas, deficiência nos freios e panes nos sensores de descarrilamento. Aliás, pertence à frota K o trem que saiu dos trilhos no último dia 5 de agosto nas proximidades da estação Palmeiras-Barra Funda, destruindo 150 metros do sistema de eletrificação e provocando “curto-circuitos, estouros e fumaça”. Por sorte, dizem metroviários, ninguém saiu ferido.

A pesquisa dos funcionários do metrô mostra que, em seus últimos 1.000 dias de operação, os trens da frota K, reformados pela MTTrens, registraram 27,6 falhas por dia, somando as falhas repetidas – ou seja, as que são registradas mais de uma vez ao dia pelos condutores. Sem contar as repetições, o número cai para uma média de 3,75 defeitos diários. Nos trens da frota L, recondicionados pela Alstom-Iesa, os metroviários encontraram uma média de 35,75 problemas por dia, incluindo as repetidas. O registro de falhas únicas diárias chegou a um número diário de 2,6.

As composições novas da frota H, fabricadas pela CAF, conseguiram um desempenho melhor, mas ainda assim alta para uma frota recém-inaugurada: são 8,95 falhas por dia, contando as repetidas, e 0,8 falhas diárias únicas. Mas o melhor desempenho foi observado nos trens antigos. Apesar de estarem há cerca de 30 anos em circulação, as composições da Mafersa registraram 1,75 defeitos repetidos por dia, bem menos que os novos trens da CAF, e 0,9 falhas únicas, praticamente a mesma média de uma frota que está em operação há menos de cinco anos.

Na comparação, a análise dos metroviários mostra que, em seus últimos 1.000 dias de atividade, os trens K01 e K07, reformados pela MTTrens, apresentaram média de falhas diárias 4,17 vezes maior do que as composições antigas. E os trens L26 e L27, recondicionados pela Alstom-Iesa, registraram média diária de defeitos 2,8 vezes mais alta que as máquinas que operam há mais de trinta anos. A grande quantidade de problemas tem feito com que a média dos quilômetros rodados das composições novas e reformadas, que ficou em 234 km/dia no período analisado, seja bem menor que a média geral do metrô: 550 km/dia.

*Tadeu Breda é repórter da revista Rede Brasil Atual

**Vinicius Gomes é colaborador do Outras Palavras

 

TEXTO-FIM

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado Campos obrigatórios são marcados *


*

* Copy This Password *

* Type Or Paste Password Here *

Você pode usar estas tags e atributos de HTML: <a href="" title=""> <abbr title=""> <acronym title=""> <b> <blockquote cite=""> <cite> <code> <del datetime=""> <em> <i> <q cite=""> <strike> <strong>