Missa para Clarice: liturgia da palavra literária

160413_Missa para Clarice

Eduardo Wotzik, ator e diretor

Em busca da espiritualidade universal, entre sacra e profana, peça constrói ritual para “mistérios e milagres” de Clarice Lispector

Por Wagner Correa de Araújo | Imagem: Ricardo Brajterman

Estudo para Missa para Clarice – Um espetáculo sobre o homem e seu Deus
Em cartaz, no Rio de Janeiro, até 2 de Maio
De quinta a segunda, às 20 horas
Teatro Glaucio Gill – Pça. Cardeal Arcoverde, s/nº [mapa] – Fone: 2332.7904.
Duração: 80 min. Classificação: 14 anos


Os autos sacramentais e os mistérios, iniciados com as passagens evangélicas teatralizadas da vida de Cristo, ultrapassaram, especialmente a partir do período barroco, a sua mera singularidade de tradição religiosa medieval.

Sua simbologia alcança, assim, uma composição dramática cerimonial de estrutura alegórica, entre o sacro e o profano. Para celebrar o mundo, a natureza, os sentimentos humanos, além de todos os dogmas e rituais religiosos, numa transcendente espiritualidade universal.

É este o grande lance de dados da concepção dramatúrgica de Eduardo Wotzik em Estudo para Missa para Clarice – Um espetáculo sobre o homem e seu Deus. Ao desnudar a profundeza filosófica e a subjetividade psicológica dos conceitos abstratos da obra de Clarice Lispector, através de uma extasiante liturgia cênica.

“Será que Deus sabe que existe?” Esta metafórica imagem é um enunciado dos segredos que marcam Clarice e seu Deus. E já no prólogo do missal, a trajetória da santificação é induzida pela mensagem amorosa da Macabéa, a protagonista/mártir de A Hora da Estrela:

“Na pobreza do corpo e do espírito eu toco na santidade, eu que quero sentir o sopro do meu além”.

O celebrante Eduardo Wotzik, numa expressiva entrega sacrificial, com sua “batina” atemporal de pregador, conduz o ritual “católico”. Instaurando, como um arauto, de Elêusis ou de Cristo, a cerimônia dos mistérios e milagres de Clarice.

TEXTO-MEIO

Neste seu desempenho de ator/diretor/mensageiro do divino, manifestado na contemplação da palavra interior, ele conclama a participação da plateia de fiéis nas preces da bem aventurada Lispector – “Eu só rezo porque palavras me sustentam. Eu só rezo porque a palavra me maravilha”.

As atrizes Cristina Rudolph e Natally do Ó, como acólitos do diácono protagonista, em suas breves intervenções, estabelecem um imanente clima dialético com os espectadores/devotos das benditas espiritualidades da escritora.

O intensivo impulso criativo da direção de arte (Analu Prestes) acentua cada instante cenográfico desta envolvente epifania da palavra literária e do gesto teatral sacralizados.

Onde o desenho das luzes (Fernanda e Tiago Mantovani) alcança um maneirismo barroquizante, entre brumas e sombras de refletores e velas.

E os acordes melancólicos da elegíaca Sinfonia nº 3, de Gorécki, com seus cantos de dor, conduzem ao clima místico idealizado.

Capaz, enfim, de estabelecer um ritual coletivo palco/plateia (sacro>espiritual>profano>físico) de comunhão estética e louvação, entre as parábolas e prédicas de Clarice:

“Meu Deus, me dê a coragem de viver trezentos e sessenta e cinco dias e noites, todos vazios de Tua presença… Faça com que eu seja a Tua amante humilde, entrelaçada a Ti em êxtase… Receba em teus braços o meu pecado de pensar”.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Wagner Correa de Araújo

Jornalista especializado em cultura, roteirista, diretor de televisão, crítico de artes cênicas. Dirigiu os documentários "O Grande Circo Místico" e "Balé Teatro Guaíra 30 Anos" . Participou como critico e jurado de festivais de dança e cinema, no Brasil e na Europa.