Um grande passo adiante e uma incógnita

Difusão mundial dos protestos e tentativa de formular reivindicações concretas marcaram 15-O. Mas falta avançar na construção de consensos

Por Pep Valenzuela, de Barcelona

O sábado 15 de outubro marcou o sucesso da grande convocatória mundial por “mudança global”. Não é a primeira vez que se faz uma convocatória nesse padrão: em 2003, o mundo já se mobilizou contra a guerra no Iraque atendendo chamado surgida no espaço do Fórum Social Mundial daquele ano. Mas a mobilização do sábado, também contra uma guerra – a que o capital declarou contra o povo trabalhador de todo o mundo – vai além do protesto e exige uma mudança global do sistema econômico e político. Democracia real, direitos humanos reais e efetivos, justiça social… e passar “da indignação à ação”.

A extensão da mobilização pelo mundo não é produto de técnica de marketing alguma. Talvez seja o início real da articulação e organização dos hoje subalternos, mundo afora. Aqueles que há tempo sofrem as consequências de uma globalização realizada no interesse dos grandes percebem que os espaços nacionais já não bastam: é preciso articular, também, respostas globais.

Na Espanha, onde a mobilização foi maciça e se espalhou por muitas cidades, a exigência de “mudança global” desdobrou-se em reivindicações concretas. O efetivo direito à moradia – portanto, contra o despejo das milhares de famílias que, devido à crise, não conseguem mais pagar as hipotecas. A manutenção dos serviços de assistência à saúde, hoje limitados por conta das políticas de austeridade fiscal. O direito pleno à educação de qualidade e para todas as pessoas.

Para materializar a passagem “da indignação à ação”, os manifestantes em Barcelona, depois da passeata, dividiram-se em três grupos que ocuparam um prédio de apartamentos num bairro popular da cidade (onde devem se alojar famílias sem casa); uma faculdade da Universidade Central; e o Hospital do Mar.

Deste modo, o movimento dá mais dois passos importantes. O primeiro, na internacionalização das lutas. O segundo, na efetivação das reivindicações pela ação direta. Aponta, assim, vias para continuar transitando e avançando.

O êxito do 15-O trouxe, ainda, outras consequências. Com o aumento de participação e de capacidade, cresceu também a sensação de responsabilidade – e, com ela, a necessidade por parte de alguns setores de acelerar o processo, de definir e concretizar objetivos e alvos para dar resposta a tudo ou, pelo menos, ao máximo possível de questões. Questões sobres as quais o movimento, que nasceu há apenas cinco meses, parece longe de definir respostas de consenso.

Realizada após uma manifestação gigantesca, a assembleia geral na Porta do Sol, em Madri, foi um bom exemplo das dificuldades que o movimento encontra para definir as suas propostas. Segundo os jornalistas Herrera e Requena, a reunião “tornou-se caótica e inclusive tensa em alguns momentos”, até que, de madrugada, a equipe de moderação decidiu encerrá-la pela impossibilidade de manter o silêncio e a alternância dos que falavam. Enfim, não é fácil crescer e, menos ainda, crescer tão rápido.

Por outro lado, chegam, do próprio mundo institucional, ecos do sucesso da jornada e de sua potencialidade. Numa surpreendente declaração pública, os próprios presidentes da Comissão Europeia e do Conselho Europeu, Durão Barroso e Van Rompuy, afirmaram nesta segunda (17/10) que são “legítimas” e “compreensíveis” as reivindicações do movimento dos indignados. Apesar de sua duvidosa sinceridade, as palavras revelam que as reivindicações já pesam: estão ganhando a simpatia de importantes setores da sociedade. Também podem estar ajudando a aprofundar contradições dentro do sistema: setores da política institucionalizada podem estar incomodados com o domínio todo-poderoso da finança. É o mesmo Durão Barroso quem pede, num discurso claramente dirigido a este setor, “sanções proporcionais ao abuso que fazem algumas entidades”.

Uma nota triste, por fim, nas manifestações ocorridas na Itália, onde a participação nas passeatas foi tão grande o maior do que no Estado espanhol, Checchino Antonini, relata, no jornal Liberazione, a presença de 500 mil pessoas em Roma. Mas tudo acabou numa duríssima batalha entre alguns pequenos grupos violentos, que participavam na manifestação e a polícia que, sempre segundo Antonini, teria “perdido a cabeça” – e atacado toda a gigantesca manifestação.

O caso chama a atenção, no mínimo, para duas questões. Primeiro, por mais globalizado que esteja o mundo, as características específicas das sociedades, culturas e processos políticos país continuam decisivas, nos conflitos políticos e sociais. Dificilmente haverá uma única proposta para o movimento no mundo.

Segundo: mesmo que até hoje a violência tenha sido relativamente limitada, (nenhuma ou quase nenhuma), no caso dos indignados, o acirramento do conflito pode gerar momentos e práticas violentas. Como se sabe, os Estados defendem o princípio do monopólio da violência, segundo eles legítimo. Já os novos movimentos, que ao crescerem assumem novas responsabilidades, terão em breve de debater este tema.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *