Breve debate sobre as Culturas de Periferia

 

Dois coletivos artísticos: “Fora de Frequência” e “A Banca” dialogam sobre educação, hip hop, poder público e protagonismo das periferias. Reflexões e anseios de quem vive militância perene

Num final de tarde gélido, dois coletivos (Fora de Frequência e A Banca) reúnem-se e iniciam uma conversa sobre cultura. Sem delongas, outros assuntos começam a ser abordados: educação, hip hop, poder público, falta de investimento e o protagonismo da cultura periférica.

O diálogo é informal e despretensioso. Entretanto, aborda questões que permeiam o cotidiano periférico desde a década de 90: falta de investimento em equipamentos públicos, estagnação da educação, a iniciativa de grupos de periferia, que adotaram a linguagem cultural como porta de saída (das mazelas) e entrada (para uma construção coletiva), e a visão interna/externa sobre a produção cultural nos bairros afastados do centro.

Toró de Ideias from agenciasonhoazul on Vimeo.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *