Surfistinha, capitalista e carola

José Geraldo Couto alfineta: formalmente, filme nada inova; como ideologia, glorifica “vencedora” que se reintegra a família, carro e cartão

Por José Geraldo Couto, editor do  Blog do Zé Geraldo [1]

Bruna Surfistinha é um sucesso estrondoso: em dez dias de exibição, ultrapassou a marca de um milhão de espectadores.

Não é difícil explicar o “fenômeno”, pois de fenômeno ele não tem nada. O filme de Marcus Baldini simplesmente realiza com eficiência a junção de vários filões de sucesso garantido.

O mais evidente deles é o dos filmes sobre celebridades de nosso tempo: Cazuza, Meu nome não é Johnny, Dois filhos de Francisco, Jean Charles etc. (Chico Xavier poderia entrar também, mas corre em outra raia; por outro lado, poderíamos acrescentar sucessos estrangeiros como A rede social e A rainha) Todos eles “baseados em fatos reais”, com aqueles inevitáveis letreiros finais informando o destino dos personagens.

Mas há também a intersecção com uma tradição muito antiga, a das obras sobre prostituição, e outra muito atual, a do mundo de relações mediadas pela internet.

Prostituição sem glamour

A prostituição na era da internet: eis uma frase publicitária possível para Bruna Surfistinha. Se há um mérito no filme, é o de desglamourizar a profissão mais antiga do mundo, mostrando-a como um frio comércio igual a qualquer outro. O bordel em que Raquel/Bruna se emprega é uma firma meio precária, mas regida por metas e padrões de eficiência capitalista. A cafetina (Drica Moraes) é uma pragmática executiva. Estamos longe da putaria lírica dos “castelos” dos romances de Jorge Amado.

De certo modo, a narrativa reitera o esquema de tantas ficções sobre moças que “caíram na vida” por circunstâncias familiares, mas o esquema aqui sofre um ligeiro deslocamento. Primeiro, porque a protagonista não é pobre, e sim de classe média. Segundo, porque não é particularmente oprimida em casa, nem sofreu propriamente um abuso, um estupro ou coisa do tipo.

Ideologia do sucesso

Há em Raquel/Bruna uma insatisfação difusa, apenas catalisada pelo episódio do colega que coloca suas imagens íntimas na internet. O que ela quer, ao sair de casa para a vida, é “não depender de ninguém”. É, em outras palavras, “vencer na vida”. A ideologia do sucesso é a moral amoral dessa “história de uma vencedora”.

É nisso que reside, a meu ver, o que o filme tem de mais conservador e conformista. Toda a trajetória de Bruna se justifica pelo desejo de independência profissional e financeira. Depois de ganhar o seu dinheiro e servir ao mercado, seja como fornecedora de serviço especializado ou como consumidora (de roupas, de jóias, de cocaína), ela pode deixar a prostituição e se tornar dona-de-casa. Trocar o vício pela virtude.

Se, entre todos os gêneros que se entrecruzam em Bruna Surfistinha, fosse necessário definir um, eu diria que é um filme de auto-ajuda, com uma vaga mensagem de “acredite nos seus sonhos” ou “faça as coisas ao seu modo” e “você vencerá”. Se precisar abrir as pernas para isso, tudo bem. Se puder publicar um best seller, melhor. O importante é que depois, com o dinheiro ganho não importa como, você se “legalize” e se integre à sociedade “bem”, com marido, filhos, carro na garagem,  flores na janela e cartão de crédito no bolso.

Ah, faltou dizer que Deborah Seco é ótima em todos os sentidos, que “se entregou ao papel com garra” e todos esses clichês que dizemos quando não queremos falar sobre o que interessa.

[1] Título original do texto: Bruna auto-ajuda ponto com

José Geradl Couto é crítico de cinema e tradutor, foi durante anos colunista na Folha, escreve suas criticas hoje em seu próprio blog e na revista Carta Capital.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

9 comentários para "Surfistinha, capitalista e carola"

  1. Zelmar Antônio disse:

    Beleza, o texto mordeu no fruto certo: “… é o de desglamourizar a profissão mais antiga do mundo, mostrando-a como um frio comércio igual a qualquer outro.” A ‘maçã’ da mitologia de Adão e Eva, hoje é um teclado, um msn e o corpo se dobra no com mercado da oferta e tudo termina (ao menos no filme) por reitegrar à vida monótona do cotidiano… Auto-ajuda ambígua e complexa…

  2. Conrado disse:

    Vale lembrar também que, apesar a Débora Secco ser um boa atriz, ela fazer uma menina de 17 é meio intragável. Que se colocasse uma moça mais nova (mas maior de idade, claro) e deixasse a atriz experiente fazer o papel da Raquel/Bruna mais velha, como seria feito em qualquer outro filme. Das duas uma, ou é pobreza de elenco ou má-vontade em permitir a entrada de atores/atrizes jovem para privilegiar grandes nomes.

  3. Alexandre de Oliveira Kappaun disse:

    Fiquei curioso em saber qual seria a raia pela qual o filme Chico Xavier corre?

  4. clara alcione martins disse:

    Pobre país em que seu “idolos” são meninhas sem vergonhas e consumistas (ter autonomia financeira); frustradinhas por nada (em casa nao me deixam fazer nada. Observem que a dita cuja tinha casa, comida e roupa lavada), entao nao era pobre para “ter de Cair na vida!”…
    Ah Meu Deus! Estou perdendo meu tempo comentando sobre esta insiginificante criatura!….
    Lucido o texto…é o que valhe….

  5. Mônica Athayde disse:

    Achei o filme uma porcaria, muito clichê e pouca “cabeça”. Se repararem bem, a debora secco parece que está sempre no mesmo papel. Pior de tudo foi a falta com a verdade: ela gostava da profissão, só não soube administrar o dinheiro que ganhava. Isso ela não assumiu, deveria tê-lo feito ao invés de ficar se desculpando o tempo todo.

  6. Marcos Tadeu disse:

    O pior de tudo que foi um filme pago com dinheiro da lei de incentivo a “Cultura”. Eita Brasil lixo, onde o Partido dos Trabalhadores é capitalista, revolução não vem pela escola, mais uma vez confirmo isso.

  7. zé geraldo disse:

    pessoal: obrigado pela leitura atenta e crítica do meu texto. uma resposta específica para o alexandre: a “raia” em que chico xavier corre, evidentemente, é a dos filmes espíritas, filão dos mais lucrativos do nosso cinema recente.
    abraços a todos, quando puderem visitem meu blog, comentem, divulguem.

  8. Alexandre de Oliveira Kappaun disse:

    Obrigado pela resposta, Zé Geraldo! Qualquer dia destes, poderíamos conversar um pouco mais sobre o filão dos filmes espíritas, que tal? Creio que neste filão existam desde filmes mal feitos, como Bezerra de Menezes, até bons filmes como Chico Xavier! Mas esta é a opinião de um amador, com a qual você talvez não concorde. Abraços e sucesso com o seu blog! Alexandre

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *