Licença poética

— Quanto tá o biscoito?. — Seis temers. — Como subiu tanto? — Explico: licença poética. Este presidente aí não é poeta? Curte: “Embarquei na tua nau sem rumo. Eu e tu”…

160525-Globo

Por Daniel Cariello

– Ô, biscoito.

– Aê!

– Quanto tá?

– Seis temers.

– Não tô perguntando o preço do lote, só de um pacotinho.

– É isso aí, seiszão, tá fresquinho, vai?

– Mas como isso aconteceu?

– Os maluco da fábrica fizeram o biscoito ontem e eu comprei hoje. Tá cocrante.

– Não, o preço, como ele subiu tanto?

– Licença poética.

– É o quê?

– Licença poética. Explico. Esse presidente aí, não é poeta?

– Parece que é.

– É, sim, curte o que ele escreveu: “Embarquei na tua nau sem rumo. Eu e tu…”

– Calma, calma, acredito em você. Pode pular essa parte de recitar.

– Então, acompanha. O artista chegou à presidência tocando o terror, mudando as regras, passando por cima de tudo e o diabo.

– Verdade.

– Quer dizer que as leis agora tão de licença, concorda?

– É.

– É a licença do poeta. Poética. Sacou?

– Boa lógica.

– Então, se o cara faz isso, tô só embarcando na sua nau.

– Na minha?

– Não, maluco, na dele!

– Mas esse seu barco vai afundar. Todo mundo na praia vende a quatro reais, ninguém vai comprar sua bolacha de seis.

– É biscoito. Mas aí entra a malandragem. Se o cliente dá aquela choradinha, baixo pra três, mais barato que a concorrência. Aí a notícia espalha e eu monto a clientela.

– Três reais?

– Se for brasileiro. Gringo, três obamas, pra compensar o preju do outro lado.

– Mas isso é desonestidade!

– Não, é a licença poética, tu não entendeu nada, né? Essa foi até prevista em poema. Escuta: “Quando eu nascer, Senhor, daqui a quatro horas, pela sexuagésima segunda vez, fazei com que eu nasça outro homem (…). Que eu seja honesto, Senhor…”

– Ele escreveu isso?

– Escreveu. Não é perfeito?

– Ele tá dizendo que a culpa de não ser honesto é do Senhor.

– E não é? O maluco fez esse poemoração, tá assumindo a fraqueza. O cara lá de cima tinha que dar uma força, né não? O mínimo…

– Mas aí é fácil.

– Fácil, o quê, doido, eu não consigo escrever bonito assim.

– Melhor assim. Basta um desses aí! Boas vendas pra você.

– Pô, vai levar nada, doido?

– Tá bom, dá um pacote dessa bolacha.

– Biscoito. Pra tu faço a três, sem precisar derramar lágrima.

– Tá aqui, cinco.

– E aqui o troco.

– Peraí, isso é balinha. Cadê meus dois reais? Tá achando que sou otário?

– Não tenho os dois, comecei agora. Mas tenho um novo versinho do poeta: “Somos todos palhaços, choramos no camarim…”.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *