Os que mandam e os que obedecem

jacques-e-a-revolucao-katia-iunes-e-a-mulher-de-veu-foto-marqo-rocha

“Quem é mais digno de pena? O que bate ou o que apanha?”… A pergunta ecoa em “Jacques e a Revolução”, que contrapõe criados e patrões, maridos autoritários e mulheres “domesticadas”, a subordinação e o pensar libertário

Por Wagner Correa de Araújo | Foto: MarQo Rocha


Jacques e a Revolução
, ou “Como o criado aprendeu as lições de Diderot”

Centro Cultural Parque das Ruínas
R. Murtinho Nobre, 169 – Santa Teresa
De 7 a 30 de outubro, no Rio de Janeiro – sexta a domingo, às 19h
R$ 30,00 reais e R$ 15,00 (meia)
Duração: 80m
Facebook: https://www.facebook.com/jacquesearevolucao/
_

“É por natureza que a maioria dos seres comanda ou obedece”, propugnava Aristóteles em sua Política.

E esta dicotomia – dominados e submissos – capaz de colocar uns acima e outros abaixo, feitores e escravos, patrões e criados, maridos autoritários e mulheres “domesticadas”, sexualidades passivas ou ativas, torturadores ou vítimas, continua como uma marca cínica do processo evolutivo civilizatório.

Mas não houve, afinal, em 1789, a surpresa histórica do propício questionamento da abusiva legitimidade divina do poder, até então consentida e resignada? Envolvendo, entre outros, luminares escritores/filósofos como o iluminista Denis Diderot?

No esteio das comemorações bicentenárias 1789/1989 deste marco zero, foi onde surgiu o ideário da peça de Ronaldo Lima Lins – Jacques e a Revolução ou Como o Criado Aprendeu as Lições de Diderot.

TEXTO-MEIO

Uma escrita dramatúrgica que se viu espelhada na fundamental obra de Diderot Jacques o Fatalista e o Seu Amo, dos anos de aproximação da Revolução Francesa. Como o fizera, em 1971, o escritor Milan Kundera em sua única incursão teatral Jacques e Seu Amo.

Remetendo ainda a uma precedente abordagem desta relação patrão x empregado no Bertolt Brecht de O Senhor Puntila e Seu Criado Matti, em tempo de comédia política. Enquanto no texto de Kundera é retomada a simbologia da viagem, elo condutor original do romance de Diderot, a concepção de Ronaldo Lima Lins envereda pelas relações clássicas do poder, transubstanciadas na contemporaneidade dos domínios de substrato econômico/empresarial.

A dualidade regimental entre o patrão/empresário (Luiz Washington) e o criado/empregado Jacques (Abílio Ramos) contrapõe-se entre o senso da subordinação e o pensar libertário do personagem titular. Dissimulando um desejo, comum a ambos, da convicção de serem apenas eles os donos de si mesmos.

Que alternativamente perpassa numa narrativa dialogal de afeto e ambição, lembranças e atitudes comportamentais, envolvendo e cruzando suas vidas também com personificações do elemento feminino (Ana Luiza Accioly/Katia Iunes).

Onde a coesa e cativante performance dos dois papéis masculinos (Abílio Ramos/Luiz Washington) tem sintonia perfeita num jogo mordaz e irônico de ataques e parcerias. Mantendo-se o ritmo da representação no empenho do elenco feminino (Ana Luiza Accioly/Katia Iunes), mesmo em papéis coadjuvantes e quase incidentais.

Correntes de ferro e cordas sugestionam domínio e prisão, ao lado de figurinos sóbrios (Mariana Ladeira/Thais Simões) e uma bem dosada fisicalidade (Carmen Luz). Tudo, enfim, ambientado sob os belos efeitos do desenho de luz (Renato Machado) e da trilha sonora (Caio Cezar/Christiano Sauer).

O comando diretorial de Theotonio de Paiva confere um olhar crítico e avança, assim, com energia, no desafio de transformar um discurso textual de prevalência da palavra em convicta e reveladora representação dramática.

A ecoar, reflexivamente, a instigante e laminar fala/signo de Jacques e a Revolução:

“Quem é mais digno de pena? O que bate ou o que apanha?”…

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Wagner Correa de Araújo

Jornalista especializado em cultura, roteirista, diretor de televisão, crítico de artes cênicas. Dirigiu os documentários "O Grande Circo Místico" e "Balé Teatro Guaíra 30 Anos" . Participou como critico e jurado de festivais de dança e cinema, no Brasil e na Europa.