Witzel e a política do extermínio no RJ

Com média de uma execução por dia, aumento da letalidade policial, comemorado por governador, é principal bandeira política do estado. Mas uso de “caveirões aéreos” em operações não diminuiu violência – e sobram balas aos inocentes

Por Mariana Ferrari, no Ponte Jornalismo

Com os braços erguidos e a mão suspensa, o governador do Rio de Janeiro, Wilson Witzel (PSC), chega de helicóptero no fim de uma ação policial que terminou com a morte de Willian Augusto da Silva, 20 anos, morto por um sniper. O homem havia sequestrado um ônibus com 39 pessoas na ponte Rio-Niterói, que liga a capital fluminense ao município vizinho. Ao mesmo tempo, um helicóptero da polícia jogava bombas nas ruas da Cidade de Deus. Para especialistas, tanto as ações policiais quanto a comemoração do governador estão longe do considerado correto.

A cena performática do governador aconteceu na manhã desta terça-feira (20/8), após um snipner (atirador que usa armas de alta precisão) disparar seis vezes contra o sequestrador, conforme laudo publicado pelo G1 – tiros no antebraço direito, na perna esquerda, no braço esquerdo e duas vezes no tórax. William permaneceu com os reféns durante três horas até morrer baleado. Pouco depois, Witzel chegou ao local do sequestro com o sorriso no rosto e parabenizando o desfecho do trabalho da PMERJ (Polícia Militar do Estado do Rio de Janeiro).

Helicóptero da PMERJ joga bomba na Cidade de Deus – Ponte Jornalismo

Para Ignacio Cano, professor da UERJ (Universidade Estadual do Rio de Janeiro) e membro do laboratório de análise da violência, a cena é “repugnante”. “Não se comemora a morte de ninguém. Me pareceu uma atitude oportunista, para tentar reivindicar essa política homicida que ele está desenvolvendo, inclusive de pessoas inocentes”, explica o especialista, citando o aumento na letalidade policial desde que Witzel assumiu o governo do estado, em janeiro. Apenas no primeiro semestre, até junho passado, a polícia de segurança registrou média de 6 operações e ao menos um morto por dia no RJ.

Cano sustenta que, de alguma forma, Witzel enxergou a situação, ocorrida na ponte Rio-Niterói, como forma de reforçar a narrativa de combate que tem implementado. “A chegada do governador, de helicóptero, é feita para reafirmar a política dele. Não tenho dúvida nenhuma de que essa morte vai reforçar essa política. Se ele [sequestrador] era um doente mental, se a arma era de brinquedo, vai deslegitimar essa política”, completa. Seguindo sua política de recrudescimento da violência estatal, seis jovens foram mortos em operações policiais no Rio em um intervalo de 80 horas, entre eles Margareth, 17 anos, que sonhava ser policial militar.

Wilson Witzel disse em coletiva de imprensa que o mesmo ocorrido na manhã desta terça-feira (20/8) está acontecendo nas comunidades do estado, com as pessoas feitas reféns no dia a dia por bandidos. “Eles estão de fuzis nas comunidades, aterrorizando as comunidades. Se a polícia puder fazer o trabalho dela de abater quem estiver de fuzil, tantas outras vítimas serão poupadas”, disse Wilson Witzel, sem comentar sobre o vídeo em que um helicóptero da PM joga bombas nas ruas da Cidade de Deus, bairro localizado na zona oeste da cidade.  

Horas antes do sequestro na Ponte Rio-Niterói, vídeos de granadas sendo atiradas na Cidade de Deus começaram a circular na internet. A cena é clara: o helicóptero sobrevoa rente aos prédios e, em seguida, é visto um clarão com forte barulho, indicando a explosão da bomba. A aeronave mantém o voo raso, quando é possível ouvir disparos e mais barulhos similares ao da primeira bomba.

Na entrevista, Witzel ainda aproveitou a ocasião para dizer que “algumas pessoas não entendem que o trabalho da polícia tem que ser dessa forma”. O que, para o antropólogo e pesquisador da UERJ Robson Rodrigues é uma forma de reforçar uma campanha política. Rodrigues, que é coronel reformado da PMERJ, completa que não faz o menor sentido comparar uma ação isolada, com controle, isolamento e organização, com uma ação dentro de uma favela. “Seis tiros para um sniper, em uma situação relativamente controlada. Imagina um helicóptero na favela, com todo mundo correndo, quantos tiros vai disparar? O risco de ter um, odeio essa expressão, efeito colateral é altíssimo, vale a pena?”, questiona.  

Robson Rodrigues analisa que atirar de cima de um helicóptero contra um local extremamente populoso e movimentado é “querer executar”. “Você não consegue identificar quem é quem. Mesmo com todo conhecimento… A não ser que ele queira abater antes. Execução, isso é execução. Isso não é ação, não é operação. É querer executar”, finaliza o PM aposentado. 

“Fazer, somente para reforçar uma narrativa polícia, de campanha, me parece muito preocupante. É temerário isso. Tem todo histórico, precedente, para dizer que isso não está certo. O que está certo é investigação, cortar algumas formas de acesso a esses insumos. O que é certo é combater a corrupção policial. Muitas vezes a violência alimenta a corrupção”, finaliza o antropólogo.  

Para o presidente do IDD (Instituto de Defesa do Direito de Defesa), Fábio Tofic Simantob, a ação pode até ser legítima, mesmo que “os agentes poderiam ter insistido na negociação, mas houve uma escolha de tentar preservar a vida dos reféns, em uma típica situação de legítima defesa de terceiros”. Segundo ele, o que não pode é o governador usar o caso como plataforma política. “A insistência do governador Wilson Witzel de defender a violência como estratégia de segurança pública, como tem feito desde o período eleitoral, atenta contra o Estado Democrático de Direito e deve ser amplamente repudiada”, avalia.

Helicópteros como ‘caveirões aéreos’

Os helicópteros têm sido uma nova arma das polícias sob o governo de Witzel, que fez questão de transformar as “plataformas aéreas”, como denomina as aeronaves com snipers que atiram na direção do chão. O próprio governador se vangloriou de ter implementado este sistema ao gravar um voo que fez, quando uma tenda evangélica foi atingida por disparos. O ativista social Raull Santiago compartilhou o vídeo de uma moradora que registrou as bombas sendo lançadas na Cidade de Deus e descreveu que a cena era “um absurdo”. “Terrorismo de estado”, completou.  

Salvino Oliveira, integrante da rede de Observação de Segurança Pública do Rio de Janeiro e morador da Cidade de Deus, entende que a ação e comemoração do Witzel com a morte do sequestrador vai legitimar a violência na favela. “Isso é muito assustador. Esse tipo de política é aplaudida. E, nas favelas, quando eles não estão vendo? Quando não tem ninguém, em outro território, o que vai ser de nós em outra operação?”, questiona, em entrevista à Ponte. Moradores de comunidades chamam os helicópteros da polícia de “caveirões aéreos”, em referência aos veículos blindados usados pelas tropas no chão, os Caveirões.

“Quando inicia o governo Witzel as coisas ficam muito piores. A polícia faz ações muito mais violentas, com muito mais equipamento. Não só violência física, mas xingar o morador, as crianças ficam com trauma psicológico, várias outras violações vão acontecendo por parte do Estado, que vão legitimando com o discurso do Witzel. Essa ação coloca o morador como alvo, a favela como território inimigo, do não ser. E coloca que a gente está em uma guerra e que, no território do inimigo, nas comunidades, pode tudo”, completa Oliveira.  

A crítica é compartilhada por Pablo Nunes, coordenador de pesquisa da Rede de Observatório de Segurança Pública do Rio de Janeiro. Ele destaca uma fala do secretário de governo do estado, Cleiton Rodrigues, que lamentou as mortes “que possam acontecer” no estado. “Temos um governador que estimula que haja mortes, que comemora essas mortes e que lamenta, de forma preventiva, essas possíveis mortes que poderão ocorrer”, diz à Ponte. Para Nunes, a cena de Witzel na Rio-Niterói nada mais é do que a “comemoração de uma morte”.  

O coordenador ainda destaque que, em nenhum momento, o número de mortes representou algum tipo de diminuição da violência e ou da sensação de insegurança na população. Para ele, Witzel usa do medo dos cidadãos para agir de forma violenta e questiona: “Como é que um policial em cima de um helicóptero, atiram a esmo, vai fazer algum tipo de efeito contra a criminalidade?”, cobrando que o governo precisa depositar energia em políticas públicas de combate à milícias.

No dia 12 de agosto, a Redes da Maré divulgou cartas de crianças que pediam ao governador o fim dos ataques aéreos. “Eu não gosto de helicóptero, porque ele atira baixo e as pessoas morrem”, dizia uma das cartas. “Você está andando e daqui a pouco está morto. É muita tristeza perder alguém”, escreveu outra criança.  

Laerte Breno é morador do Complexo da Maré e se sentiu ofendido com as falas de Witzel. “Quando você vê um representante do Rio de Janeiro comemorando um assassinato é surreal. É doentio”, diz o colunista do site Voz das Comunidades e educador popular. 

Em nota, a Assessoria de Imprensa da Secretaria de Estado de Polícia Militar disse que “por conta da ameaça iminente às vítimas e pelo perfil do tomador de reféns, o atirador de precisão do BOPE interveio neutralizando a ação. Ele chegou a ser socorrido ao Hospital Municipal Souza Aguiar, onde veio a óbito”. A corporação disse ainda que as vítimas foram liberadas ilesas e “conduzidas para a Delegacia de Homicídios de Niterói e São Gonçalo”. 

Sobre as bombas na Cidade de Deus, a Polícia Militar se limitou a dizer que “não houve operação da Corporação na Cidade de Deus nesta terça-feira (20/8)”.

Também em nota, a Polícia Civil do Rio de Janeiro disse que já instaurou inquérito policial. “A DHC realizou perícia no local e corpo foi encaminhado ao IML para exame de necropsia. A arma que ele usava – aparentemente de brinquedo – também será periciada, assim como um teaser (equipamento de choque) e outros objetos encontrados com William”, dizia o texto. As investigações estão em andamento.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: