PM paulista: o mais novo show de selvageria

Provocada por pequeno grupo, ao fim de ato contra Copa, polícia invade metrô, espalha pânico, humilha e prende 50. Enredo combinado? Por Tomaz Amorim, no blog do Negro Belchior

Por Tomaz Amorim, no blog do Negro Belchior

10276526_10201878716265626_1403478008_n

Provocada por pequeno grupo, ao fim de ato contra Copa, polícia invade metrô, espalha pânico, humilha e prende 50. Enredo combinado?

Por Tomaz Amorim, no blog do Negro Belchior

O quinto Ato Contra a Copa do Mundo em São Paulo terminou com a prisão de mais de 50 pessoas, entre eles menores de idade. Os manifestantes foram levados ao DEIC, órgão da Polícia Civil dedicado principalmente ao combate do crime organizado. Até o inicio da madrugada, a maior parte dos manifestantes havia sido liberada. A prisão coletiva e a tentativa de criminalização do movimento explicita uma vez mais a tática da Polícia Militar de fichar e intimidar indiscriminadamente manifestantes.

As prisões aconteceram por conta da ação de um pequeno grupo que, após o término do Ato, teria quebrado vidraças de duas agências bancárias na avenida Vital Brasil. A reação da Polícia Militar foi, então, desproporcional: eles se lançaram sobre todos os manifestantes, inclusive aqueles que já se aproximavam da estação Butantã do Metrô, rumo às suas casas. O pânico foi generalizado, tanto dos manifestantes que não entendiam o que aconteceu, quanto dos usuários do Metrô e do ônibus. Policiais invadiram a estação em busca de manifestantes e prenderam indiscriminadamente diversas pessoas que acabaram encurraladas entre as catracas e os seguranças. Foram presos e amarrados com braçadeiras de plástico jornalistas e manifestantes, dentro e fora da estação. Uma adolescente grávida desmaiou e não pôde ser atendida. Vídeos e fotos mostram jovens adolescentes sendo mantidas amarradas no chão e cercadas por policiais.

Sobre o Ato

O quinto Ato Contra a Copa do mundo aconteceu nesta terça (15) simultaneamente em São Paulo e no Rio de Janeiro. Assim como nos atos anteriores, a ação focou em um direito social fundamental: “Sem saúde pública de qualidade, não vai ter Copa”. O ato contou com mais de 5000 confirmados no Facebook e aproximadamente 1500 manifestantes presentes. Em São Paulo, a concentração foi no vão do MASP, sob frio e chuva que não assustou os manifestantes.

Não houve nenhum incidente entre a polícia e manifestantes durante o percurso do trajeto, já que desde o terceiro ato – quando a polícia prendeu coletivamente mais de 200 pessoas – os manifestantes se isolam, através de um cordão humano, do corpo de policiais.

Leia também: “O que significa gritar: Não vai ter copa?” 

10276326_10201878713665561_219085157_n

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *