Ken Loach, nova vítima da ultradireita judaica

Cineasta britânico, que sempre lutou por democracia, direitos e tolerância, é acusado de “antissemitismo”. Movito: defendeu povo palestino e boicote a produtos de Israel. Patrulhamento imita regimes que aterrorizaram judeus no século XX

Por Antônio Augusto, na Carta Maior

O cinismo dos judeus de direita apoiadores de Israel não tem limites.

Recente ação execrável deste “lobby” move campanha contra o humanista, o consagrado cineasta britânico de esquerda, Ken Loach, autor de dezenas de filmes relevantes, clássicos como “Vida em família”, “A canção de Carla”, “Meu nome é Joe”, “Pão e rosas”, “Looking for Eric”, “Jimmy’s hall”, “Eu, Daniel Blake”.

Como não poderia deixar de ser, dadas suas posições de esquerda, em defesa da justiça social no mundo, Loach é firme defensor dos direitos nacionais do povo palestino, aviltados e negados cotidianamente pelo Estado de Israel.

Ele é acusado pelo “lobby” pró-Israel de ser… “anti-semita”. Além de difusores de “fake news”, falta originalidade a estes judeus de direita, alinhados pela extrema-direita (isso depois de sofrerem genocídio do nazismo, a ditadura de extrema-direita na Alemanha de então). Quem defenda o povo palestino é rotulado por tais caluniadores como “anti-semita”.

Embora minoritários, há judeus de esquerda, tanto em Israel, como em todo o mundo, igualmente no Brasil, que não se identificam com a política do Estado sionista – ao contrário, contestam-na.

O anti-semitismo é uma das pragas difundidas pelo extremismo de direita, pelo fascismo. Nunca pelos antifascistas, pela esquerda, pelos defensores dos direitos dos povos, como é o caso de Ken Loach.

Quem está próximo do anti-semitismo não são os democratas, mas o “lobby” pró-Israel: próximo não só não só nas mentiras, na demagogia, como na discriminação, na opressão praticada contra os palestinos.

Colonialismo e ocupação militar contra os palestinos

Israel ocupa o território palestino, e o faz militarmente.

Executa política sistemática de “apartheid” contra os palestinos, além de massacres sistemáticos e bombardeamentos periódicos nos cada vez mais escassos territórios palestinos.

Tais agressões militares se estendem a países árabes onde palestinos estão refugiados, como já ocorreu diversas vezes na Jordânia, no Líbano, na Síria.

O Estado terrorista israelense fomenta o roubo contínuo de terras palestinas, numa política de anexação e extinção do território palestino, concretização do mais nocivo colonialismo.

Israel, linha de frente do imperialismo americano

Tudo isso com o incentivo, o completo apoio do imperialismo americano, que financia – além de proporcionar armamentos de ponta, aviões de alta tecnologia, e munições – Israel como potência militar, país super-armado, até com arsenal de bombas atômicas.

Israel, ainda com apoio central dos Estados Unidos, descumpre dezenas de resoluções da ONU garantidoras dos direitos do povo palestino.

A situação a que chegou o terrorismo de Estado israelense é comparável à executada pelo extinto regime de “Apartheid” do regime racista da África do Sul. Contra o “apartheid” sul-africano, as sanções internacionais foram importantes na dissolução desse regime.

O mesmo tipo de dissuasão impõe-se agora contra Israel. É hora de reforçar cada vez mais o boicote contra o regime israelense em todos os níveis: dos investimentos ao comércio internacional, das relações diplomáticas ao corte de intercâmbio de quaisquer relações, sejam culturais ou esportivas.

Não por acaso Israel e o extinto regime sul-africano do “Apartheid” mantinham íntimas relações, inclusive de cooperação nuclear.

Também não à toa Israel é apontado como exemplo por movimentos neofascistas, e regimes extremistas de direita pelo mundo. Isso se dá, inclusive, aqui no Brasil: as muitas amistosas relações estabelecidas com Israel deste símbolo do atraso e do retrocesso, do escárnio contra a democracia e os Direitos Humanos, o governo Bolsonaro.

Pelo boicote internacional a Israel: obrigação moral de todos os democratas do mundo; das pessoas de perspectiva humanitária; de todos os países compromissados minimamente com a democracia, os Direitos Humanos, a afirmação civilizada do Direito Internacional.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: