Energia limpa, solução para o planeta… e a economia

Recessão deflagrada pela covid-19 deve aumentar, com recente crise do petróleo. Mas há saída: segundo relatório inédito, energia renovável poderá iniciar recuperação imediata, ao criar milhões de empregos e evitar catástrofe climática

Por Bruno Toledo, no EcoDebate

Avançar com uma transformação baseada em energia renovável é uma oportunidade para cumprir as metas climáticas internacionais, ao mesmo tempo em que promove crescimento econômico, criando milhões de empregos e melhorando o bem-estar da humanidade até 2050, aponta o primeiro relatório Global Renewables Outlook publicado nesta semana pela Agência Internacional de Energia Renovável (IRENA, sigla em inglês).

Enquanto um caminho para aprofundar a descarbonização requer investimentos em energia de até US$ 130 trilhões, os ganhos socioeconômicos de tal medida podem ser massivos, revela o relatório. Transformar o sistema energético poderia promover ganhos cumulativos para o produto interno bruto (PIB) global acima do cenário business-as-usual, de até US$ 98 trilhões de agora até 2050. Essa medida quase quadruplicaria os empregos em energia renovável para 42 milhões, expandindo a mão-de-obra também em eficiência energética para 21 milhões e adicionando 15 milhões em flexibilidade de sistemas energéticos.

O diretor-geral da IRENA, Francesco La Camera, diz que “os governos estão enfrentando um desafio difícil de lidar com a emergência sanitária imposta pela pandemia de COVID-19 e, ao mesmo tempo, introduzir grandes medidas para estímulo e recuperação econômica”. Para ele, esta crise expôs as vulnerabilidades embutidas no sistema atual.

+ Em meio à crise civilizatória e à ameaça da extrema-direita, OUTRAS PALAVRAS sustenta que o pós-capitalismo é possível. Queremos sugerir alternativas ainda mais intensamente. Para isso, precisamos de recursos: a partir de 15 reais por mês você pode fazer parte de nossa rede. Veja como participar >>>

“Este relatório da IRENA mostra caminhos para que possamos construir economias sustentáveis, equitativas e resilientes, alinhando esforços de recuperação de curto prazo com os objetivos de médio e longo prazos do Acordo de Paris e dos Objetivos do Desenvolvimento Sustentável (ODS) das Nações Unidas”, aponta La Camera. “Ao impulsionar as fontes renováveis e tornar a transição energética uma parte integral do esforço mais amplo de recuperação, os governos podem atingir múltiplos objetivos econômicos e sociais na busca por um futuro mais resiliente que não deixe ninguém para trás”.

O Global Renewables Outlook examina todos os setores do sistema energético, juntamente com as estratégias de investimento e as ações políticas necessárias para gerir essa transição. Ele explora formas de reduzir as emissões globais de dióxido de carbono (CO2) em pelo menos 70% até 2050. Além disso, uma nova perspectiva de descarbonização mais profunda mostra um caminho para que tenhamos emissões líquidas zero no sistema energético. A partir de cinco pilares tecnológicos, particularmente o hidrogênio verde e a eletrificação prolongada da utilização final, o relatório analisa como podemos substituir os combustíveis fósseis e reduzir as emissões da indústria pesada e nos setores mais difíceis para a descarbonização.

Investimento em baixo carbono teriam retorno financeiro significativo, aponta o relatório, com ganhos até oito vezes mais altos que os custos quando considerada a redução de externalidades ambientais e de saúde pública. Um caminho seguro para o clima requer investimentos cumulativos em energia de até US$ 110 trilhões até 2050, mas viabilizar uma neutralidade carbônica integral adicionaria outros US$ 20 trilhões.

O relatório também indica caminhos para a transição energética e socioeconômica em dez regiões do mundo. A despeito dos diferentes caminhos, existe a expectativa de que todas as regiões registrem percentuais crescentes de uso de energia renovável, com o Sudeste Asiático, América Latina, União Europeia e África Subsaariana numa trajetória de 70-80% de fontes renováveis utilizadas em seu mix energético até 2050. De maneira similar, a eletrificação da utilização final, como transporte e aquecimento, também cresceria em todo o mundo, excedendo 50% no Leste Asiático, América do Norte e em boa parte da Europa. Todas as regiões também registrariam ganhos significativos de bem-estar e crescimento líquido no número de empregos no setor energético, a despeito das perdas relativas aos combustíveis fósseis. No entanto, os ganhos em termos de economia e empregos seriam distribuídos de maneira desigual. Enquanto o crescimento do PIB regional mostraria variação considerável, muitas regiões poderiam esperar por ganhos.

Elevar a ambição regional e nacional é crucial para que possamos cumprir os objetivos energéticos e climáticos, ao mesmo tempo em que cultivamos bem-estar socioeconômico. Uma coordenação mais forte entre os níveis internacional, regional e doméstico seria igualmente importante, conclui o relatório, com apoio financeiro sendo direcionados aos mais necessitados, inclusive em muitos países e comunidades vulneráveis. Como parceira da Climate Investment Platform, lançada para facilitar e mobilizar investimentos em energia limpa, a IRENA seguirá agindo de forma colaborativa para ajudar os países a criar condições que viabilizem e liberem esses investimentos em renováveis.

O relatório Global Renewable Outlook está disponível no link

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: