Cidade Eletronika e a ocupação das ruas em Belo Horizonte

Seguindo tendência das grandes cidades, festival incentiva a retomada do centro da capital mineira com música, debates e oficinas.

No BaixoCentro

Seguindo tendência das grandes cidades, festival incentiva a retomada do centro da capital mineira com música, debates e oficinas

No BaixoCentro

Entre os dias 3 e 9 de setembro, rolou em Belo Horizonte o Festival “Cidade Eletronika“.

Patrocinado pela Vivo, o festival trouxe três focos de atividade: Laboratório, espaço de debate e prática da apropriação consciente do espaço urbano; Quarteirão, dedicado a shows de música eletrônica, e oQuintal, que mais nos interessa aqui, um espaço de resgate do espaço de permanência e convivência.

O Quintal fechou uma quadra da rua Sapucaí, centro de BH, e trouxe gramas, piscinas de plásticos e areia, shows e performances de música eletrônica, feira de vinil, banhos de mangueira, comes e bebes – dentre outras atividades lúdicas que tornaram o evento muito próximo, em clima e conceito, ao que foi a ocupação do Minhocão no último final de semana do Festival BaixoCentro.

A região escolhida está no centro de uma espécie de revitalização do centro de BH. O Viaduto Santa Teresa e a Praça da Estação são lugares de duas manifestações importantes da cidade: o Duelo de Mcs, que completou 5 anos em 2012 e leva centenas de pessoas a um palco embaixo do viaduto; e a Praia da Estação, um movimento de reação à proibição de ocupação das ruas realizada pelo atual prefeito, Márcio Lacerda.

Dá uma olhada no vídeo abaixo sobre a Praia da Estação e em algumas fotos do Quintal do Cidade Eletronika:

*

Mais outras duas indicações desde BH: a primeira é o Manual Prático para transformar o barranco do seu bairro em uma praça divertida – http://ruaarduinobolivar.blogspot.com.br/2011/09/manual-pratico.html. Tem umas ideias bem simples e bonitas de urbanismo popular (ou o nome que se queira dar a isso).

A segunda é a publicação do Pet de arquitetura da UFMG chamada Parahyba. A segunda edição, sobre “genialidades cotidianas”, que tem um interessantíssimo mapa de circulação de ambulantes: qual o trajeto que percorrem, se a pé ou de bibicleta, ou ônibus, etc. Uma cartografia pessoal que pode ser muito interessante nessa era dos mapas. Uma pena que essa edição não está disponível na rede, mas a primeira, também interessante, dá pra ler online: http://editorialpet.wordpress.com/.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *