Ursal e a ignorância sobre política externa

De forma distorcida e caricata, provocação do Cabo Daciolo aponta a necessidade de entender o que é política externa e o que são os processos de integração regional

 

Por Julia de Souza Borba GonçalvesLucas Eduardo Silveira de Souza

O termo URSAL, acrônimo de União das Repúblicas Socialistas da América Latina, veio à tona no debate televisivo entre os candidatos à presidência realizado pela Band. Na ocasião, o candidato Benevenuto Daciolo (Patriota), conhecido como “Cabo Daciolo”, acusou o seu concorrente Ciro Gomes (PDT) de ser um dos articuladores da referida URSAL. O fato repercutiu sobremaneira em redes sociais e levantou a questão do que é a URSAL.

Acredita-se que URSAL representa um projeto político de unificação da América Latina, o que implicaria na transformação de todos os países da região em uma única grande república. Como todo projeto político, essa unificação corresponderia a etapas progressivas até a consecução de seu objetivo final. Desse processo de integração regional estaria suposta a criação de uma nova entidade política que englobaria a referida área geografia sob o comando de um poder centralizado.

Em evidente tom de reprovação, o candidato se refere à URSAL como um plano que está atrelado ao Foro de São Paulo, à ideia de Pátria Grande e ao comunismo. No dia seguinte ao debate, Cabo Daciolo reforçou seu rechaço à URSAL em uma postagem no Facebook, atrelando a crítica à existência da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) e seu suposto plano de transformar a América do Sul em um único país. O artigo 4º da Constituição Federal, cujo parágrafo único estipula a busca pela integração regional e a formação de uma comunidade latino-americana de nações como um dos princípios que regem as relações internacionais do país, é também alvo de críticas por parte do candidato. Segundo Daciolo, o texto abre uma brecha para que “o Brasil deixe de ser Brasil”.

A acusação de ares conspiratórios teve uma repercussão massiva em redes sociais, mas de tom contrário ao do candidato: memes, páginas, eventos e grupos específicos para apoiar a criação da URSAL. O apoio à sátira ficou por conta das vantagens que a unificação agregaria: uma maior variedade musical, cultural, ambiental, representatividade religiosa (o Papa seria nosso), e, claro… uma seleção de futebol composta por Neymar, Suárez, James Rodríguez e Messi – além de ser a única a contabilizar nove títulos mundiais.

Brincadeiras à parte, por trás de toda essa movimentação, fica o questionamento: o que é de fato a URSAL? A primeira menção a ela de que se tem notícia remonta à socióloga Maria Lucia Victor Barbosa, que também reivindica a autoria do termo. Em 2001, a professora sugeriu a sigla fictícia como um gesto de deboche aos discursos integracionistas de movimentos de esquerda. Desde então, a invencionice vem sendo apropriada e propagada por interesses diversos. Sob a perspectiva de estudos sérios na área de regionalismo e integração, é preciso responder a absurdos como esse do modo mais conclusivo possível: a URSAL é fruto de devaneios de parte de setores políticos da sociedade brasileira que maldizem as iniciativas do governo brasileiro e dos vizinhos sul-americanos para a integração regional.

A “Pátria Grande” é uma quimera do pensamento latino-americano cuja semente remonta a movimentos independentistas e de estruturação dos Estados nacionais da região no século XIX. Defendida por líderes revolucionários como Simón Bolívar e José de San Martín e exaltada por romancistas modernos tal qual Francisco Otaviano, o ideal de integração tem adquirido distintos significados, sentidos e formatos no delongo da história.

Atualmente, o que existe na América Latina são diversos organismos regionais que intentam promover tanto a cooperação entre os países, como nos casos da Organização dos Estados Americanos (OEA), a Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (CELAC) e a Unasul; o desenvolvimento econômico da região em diferentes contextos histórico-políticos, como a Comissão Econômica para a América Latina e Caribe (CEPAL), e o próprio processo de integração entre os mesmos, como no caso do Mercado Comum do Sul (Mercosul), Mercado Comum Centro-americano (MCCA), Comunidade Andina (CAN) e os mais recentes Aliança Bolivariana para os Povos da Nossa América (ALBA), Aliança do Pacífico.

No entanto, é importante salientar que nessas propostas de integração latino-americanas subsiste uma lógica intergovernamental, ou seja, uma lógica em que o processo político e suas dinâmicas estão passíveis de grande controle governamental, evitando, assim, a conformação de uma estrutura decisória acima dos Estados nacionais. É uma característica da integração regional na América Latina que perfaz dois outros elementos: o presidencialismo e o nacionalismo na diplomacia. Em outras palavras, a transferência da soberania do Estado para um novo ente não está realmente em jogo na região. O fato de essas iniciativas não apontarem evidências concretas de constituição de uma supranacionalidade torna ainda mais improvável a acusação de que as mesmas pavimentariam o caminho rumo a uma espécie de URSAL.

É bastante provável que as ideias recentes por trás da URSAL tenham sido impulsionadas no bojo de movimentos reacionários às iniciativas governamentais levadas a cabo pelo ciclo petista no poder. Durante a Onda Rosa, que representou o momento de ascensão de governos de esquerda na região durante a primeira década do século XXI, houve uma profusão de organismos regionais críticos destinados à articulação política interestatal. É o caso da ALBA, fundada em 2004, da Unasul, criada em 2008, e da CELAC, de 2010. Essas organizações vieram a florescer em um contexto sociopolítico mais crítico aos postulados do regionalismo liberal que vigorou na região durante a década de 1990.

Contudo, nenhum desses organismos conta com uma instância decisória acima dos Estados. O panorama geral é dado pelo Observatório do Regionalismo, vinculado à Rede de Pesquisa em Política Externa e Regionalismo (REPRI). Atualmente, a Unasul se encontra em um momento de crise. A CELAC não vem expressando relevância aos Estados-partes; não se avançou na conformação de um Mercado Comum pleno previsto no Tratado de Assunção em 1991, além do bloco estar se empenhando para estabelecer acordos com a Aliança do Pacífico. Além do mais, os organismos de caráter pós-liberal criados durante esse período representaram mais um modelo de defesa da capacidade de atuação do Estado do que um impulso rumo à dissolução de suas fronteiras.

Assim ponto, pode-se dizer que a URSAL representa uma visão extremada e deturpada de um processo de integração regional que se suporia socialista. A menção à URSAL soou uma atitude insensata e ilógica, além de, em certa medida, representativa de uma visão pueril e ingênua por parte do candidato novato.

Em tempos de sociedade em rede, a propagação massiva dessas narrativas através de postagens e compartilhamentos torna mais complexa a tarefa de discernir entre o que é fato e o que é fake. Teorias da conspiração como a URSAL podem ainda ganhar certo status de veridicidade se amparadas em inúmeros resultados de busca na internet. Basta uma rápida procura pelo termo para se ter acesso a um rol de informações entre website, textos jornalísticos e imagens. Dentre estas, a mais importante se encontra no próprio site intitulado Dossiê URSAL.

O dossiê traz uma listagem dos procedimentos e etapas que o Partido dos Trabalhadores estaria colocando em prática para “transformar o Brasil num país comunista”. Dentre os 10 pontos para a instalação de uma ditadura perpétua no país estão a implantação de uma reforma que extinguisse a propriedade privada no país e a instauração da reeleição de Lula de forma perpétua. Não há dúvidas de que o antipetismo alimenta visões como essa, sem a mínima razoabilidade dos fatos.

O que é motivo de chacota para uns pode ser algo muito sério para outros. O fato preocupante não diz respeito à improvável organização, como discutimos acima, mas ao fato de tal absurdo vir à tona em um debate dos pleiteantes ao mais alto posto do Executivo nacional. De forma viral, distorcida e caricata, o assunto URSAL aponta para a necessidade de se discutir ainda mais e entender o que é política externa e o que são os processos de integração regional, tendo em vista que são assuntos que há muito tempo estão na agenda governamental e que compõem as obrigações do chefe de Estado, seja quem for.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Um comentario para "Ursal e a ignorância sobre política externa"

  1. Arthur disse:

    Pois é. A URSAL é mais uma das invenções estúpidas produzidas por essa penca de imbecis reacionários e ignorantes que atualmente anda com a corda à toda no Brazil (com z), incluisive a criadora do termo, uma professora universitária tão imbecil quanto os que nela acreditaram. Pobre Brazil com z.

Os comentários estão desabilitados.