Brasil: os gigantescos desafios na indústria e tecnologia

Investimentos públicos podem ser três vezes menores que os de 2014. Pólos de inovação são sucateados; pesquisas cruciais à Indústria 4.0, descontinuadas. Danos do ataque à infraestrutura produtiva tendem a se prolongar por muitos anos

O enfrentamento dos desafios da Quarta Revolução Industrial (Indústria 4.0) pressupõe investimentos crescentes em ciência e tecnologia. Para se sair bem no processo o Brasil precisaria estar investindo, permanentemente, bilhões de reais em pesquisa e inovação industrial. No entanto, o orçamento disponível para investimentos do Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações (MCTI) para o ano passado foi de apenas R$ 3,7 bilhões, e a proposta do governo para 2021 é reduzir ainda mais esse valor, chegando a R$ 2,7 bilhões. Em 2014, o mesmo orçamento, sem correção monetária, foi de 8,4 bilhões, mais do que o triplo.

Os danos que os cortes do orçamento em ciência e tecnologia causam para o país permanecerão por muitos e muitos anos. Na pesquisa, por exemplo, com os cortes orçamentários a partir de 2016, equipes se desmontaram e aprofundou-se a chamada “fuga de cérebros”, cientistas e pesquisadores que vão morar em outros países em busca de oportunidades de trabalho e de continuidade em seus estudos. A evasão de cientistas ocorre por motivos financeiros, falta de oportunidades, e até políticos, em função do fechamento dos poucos espaços democráticos na sociedade, fenômeno que o golpe de 2016 acelerou. É bom lembrar que ciência séria não convive bem com obscurantismos e semelhantes.

O corte de orçamento em ciência e tecnologia desde 2016 afetou pesquisas da indústria de nanotecnologia e os estudos de genética, que vinham recebendo apoio das fundações estaduais de pesquisa, especialmente na área de commodities agrícolas, e desenvolvidos pela Embrapa (Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária). A política dos golpistas, de destruição da ciência e tecnologia não está sendo cometida apenas por estupidez (que, inegavelmente, é muito grande). É um plano. É uma política deliberada, que está destruindo o que o Brasil construiu nessas áreas, sempre à duríssimas penas. Uma das primeiras ações do golpe de Estado foi a interrupção do programa de enriquecimento de urânio e de todas as demais etapas do ciclo do combustível nuclear. O Brasil estava desenvolvendo uma das mais bem-sucedidas experiências mundiais na viabilização, com tecnologia nacional, do desenvolvimento e instalação nuclear para submarinos, incluindo a fabricação, no Brasil, de todos os equipamentos e componentes. O Brasil vinha também desenvolvendo o mais moderno programa de construção de centrais nucleares e armazenamento de rejeitos. Desmontaram todos esses projetos, e de caso pensado. A operação Lava Jato, que à altura todos sabem que foi criminosa, prendeu, inclusive, o vice-almirante Othon Silva, cientista e o grande cérebro brasileiro na área de tecnologia nuclear. Foi a primeira prisão da Lava Jato, pelo menos de pessoa tão importante, logo no início, ainda em julho de 2015.

Desde 2016 estão cortando criminosamente o orçamento das universidades públicas. O Brasil precisaria formar profissionais, na Engenharia de Computação, nas Ciências da Computação, e outras áreas, profissionais que são formados em número insuficiente. Nesse processo as universidades têm papel fundamental. A principal função da universidade é formar pessoas bem preparadas do ponto de vista básico. Outra função essencial das universidades é a pesquisa, que estão matando à míngua. O país precisa muito de ciência e pesquisa acadêmica, agora mais do que nunca. Desenvolvimento conectado, é claro, com o processo produtivo, de forma que se transforme em conquistas concretas na indústria e no processo produtivo de uma forma geral.

Em função da destruição da indústria nacional, que já vem em um processo de encolhimento há décadas, (hoje representa menos de 10% do PIB) o grande capital internacional aprofundou a apropriação desse vazio em nosso mercado interno. Grandes empresas internacionais dominam setores estratégicos de bens industrializados com tecnologia de ponta, com grandes lucros. Um simples estudo das quinhentas maiores empresas que atuam no Brasil revela o dramático nível de internacionalização da economia brasileira.

Segundo a revista Forbes, das 500 maiores empresas do mundo em 2019, 62% se originam em quatro países (EUA, China, Japão e França). Só os EUA é o país-sede de 128 grupos, representando mais de ¼ do total. O país de origem das grandes empresas mundiais é sempre uma boa referência para saber a posição do país do aspecto do desenvolvimento. Das 500 maiores empresas do mundo apenas oito são brasileiras, de acordo com o ranking Fortune 500, o que diz muita coisa sobre o nosso (sub) desenvolvimento.

Isto significa que, apesar de o Brasil ser a 10ª economia do mundo, sedia apenas 1,6% das 500 maiores empresas do mundo. Não por coincidência, a primeira empresa brasileira, com a 74ª colocação no mundo, a Petrobrás, foi a empresa-alvo da operação Lava Jato e do golpe em geral. Observe-se que das oito empresas brasileiras que constam da lista da Forbes três são estatais, na mira dos tubarões para serem privatizadas. É uma situação desesperadora.

Por conta da internacionalização da economia, e da pouca expressão das empresas brasileiras no ranking global, o grosso da indústria não tem os centros decisórios e tecnológicos localizados no Brasil. O país é importador de tecnologias de fora. Quando ocorre uma mudança tecnológica, como agora com a 4ª Revolução Industrial, o Brasil fica para trás. Foi assim com a eletrônica, pois o país não conseguiu entrar com força no desenvolvimento de produtos nessa área. O fato de não haver centros de desenvolvimento de tecnologias no Brasil implica que o grau de inovação é mais baixo e, se o grau de inovação é mais baixo, a produtividade é menor, a dinâmica da indústria é menor e assim por diante.

Esse é o agravante do golpe dentro do golpe, que é a entrega do pré-sal, e o assalto à Petrobrás, que vem sendo privatizada e desintegrada. Segundo a AEPET, entre 2015 e 2018, foram privatizados cerca de US$ 19 bilhões em ativos da Petrobrás. Apenas em 2019, foram vendidos US$ 16,3 bilhões (ainda não temos os resultados consolidados de 2020). Querem transformar a maior empresa da América Latina numa empresazinha fornecedora de óleo cru para as “donas do mundo”. A Petrobrás, além de tudo que significa para a economia (uma autêntica “nação amiga”), é um centro irradiador de inovação tecnológica. Por isso, também, ficou no olho do furacão do golpe. Por isso montaram, como ponta de lança de interesses imperialistas, a operação mais sórdida da história, a Lava Jato, que agora foi totalmente desmascarada.

A década que se encerrou em 2020, foi perdida para a indústria. Entre 2011 e 2019 a perda acumulada é de 15%. Após uns cinquenta anos, o Brasil está saindo do ranking dos 10 maiores países industriais do mundo. No Brasil, o problema maior não é a ausência de um projeto nacional de desenvolvimento por parte dos golpistas. É muito mais grave. É que o Estado nacional foi tomado literalmente de assalto. Estão desarticulando toda a estrutura produtiva que o Brasil construiu ao longo de décadas, desde Getúlio Vargas, fundamental para garantir uma indústria de base nacional, e enfrentar a quarta revolução industrial. Essa estrutura havia sobrevivido em parte ao primeiro ataque neoliberal na década de 1990, comandada por Fernando Henrique Cardoso (FHC), que liderou a primeira grande nuvem de gafanhotos que devorou o Brasil. Mas o período FHC, comparado com os governos do golpe (Temer e Bolsonaro), é fichinha.

Os países que estão se saindo melhor no atual processo de revolução industrial são os que têm projeto nacional, coordenado pelo Estado. Alemanha, China, Coreia do Sul, EUA e outros, são os que já estão tirando partido desse processo de avanço das forças produtivas e certamente aproveitarão para avançar em todos os aspectos. Mas do governo atual do Brasil não podemos esperar nenhuma ação em prol do desenvolvimento nacional. O governo Bolsonaro é inimigo do Brasil, do povo brasileiro, e da tecnologia. Por isso, com esse governo, não tem como imaginarmos que o Brasil possa se dar bem no enfrentamento da Quarta Revolução industrial.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

2 comentários para "Brasil: os gigantescos desafios na indústria e tecnologia"

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *