Arábia, para pensar o Brasil

Em “Arábia”, uma aula de economia política a partir dos que estão na base da pirâmide

Ao imaginar a acidentada história de um operário brasileiro à beira da morte, filme de Uchôa e Dumans transita entre poesia e política, com notável construção visual

Por José Geraldo Couto

Em momentos de trauma político e social como o que estamos vivendo, o cinema pode servir como evasão, válvula de escape (lembremos de Hollywood durante a Grande Depressão), mas pode também aprofundar o conhecimento e a reflexão sobre o real, além de manter viva a sensibilidade que nos resta e que os tempos brutais tendem a embotar. Um filme brasileiro em cartaz realiza com brio essa nobre vocação: o road movie proletário Arábia, de Affonso Uchôa e João Dumans.

As primeiras imagens de Arábia acompanham, num travelling fluente, um adolescente cabeludo (Murilo Caliari) que desce de bicicleta uma sinuosa estrada de montanha, ao som de uma balada country de Jackson C. Frank. Não fosse pela vegetação tropical e pela precariedade da pavimentação, poderíamos estar diante de um filme francês pós-Nouvelle Vague ou de um indie norte-americano.

Jogada essa isca, deliberadamente ou não, para capturar o público habituado a certo “cinema de arte”, o filme desce em seguida para uma dimensão social bem mais crua, substantiva e sem glamour. Há um menino que tosse num quarto escuro, cuidado pelo irmão mais velho (o ciclista da sequência de abertura), André, que lhe aplica uma inalação caseira. Acabou o remédio, acabou o leite, o parapeito da janela tem uma camada espessa de fuligem: estamos no bairro industrial de Ouro Preto, diante de uma fábrica de alumínio que produz barulho e fumaça.

Mas não é a história desses dois irmãos abandonados pelos pais e pela sorte que Arábia vai mostrar, e sim a de Cristiano (Aristides de Sousa), operário internado em coma no hospital local depois de sofrer um colapso. Ao recolher roupas e pertences de Cristiano para levar ao hospital, André encontra um caderno em que o operário escrevia suas memórias.

TEXTO-MEIO

Inventário de opressões

O filme passa a narrar então, como num longo flashback, os dez anos anteriores na vida de Cristiano, uma trajetória que passa por uma infinidade de experiências difíceis: prisão por assalto, vida de andarilho, trabalho na construção de estradas, na colheita de mexericas, no transporte de cargas, na indústria têxtil, na metalurgia. Mais do que um mero inventário de situações de opressão e exclusão, vale como uma aula prática de economia política, do ponto de vista de quem está na base da pirâmide social.

A predominância de planos médios com a câmera parada nas cenas em que os diálogos esclarecem dinâmicas de exploração faz lembrar em alguns momentos o cinema materialista dialético de Jean-Marie Straub e Danièle Huillet, em que pesem as diferenças enormes em outros aspectos. A história de amor do protagonista com uma colega da tecelagem (Renata Cabral) serve como impulso para que ele transcenda sua banalidade cotidiana, mas mostra ao mesmo tempo seus limites materiais e, digamos, espirituais. Não é uma história romântica.

A locução em off, na voz do próprio personagem, faz os nexos entre as sequências e registra seu aprendizado técnico, moral e político. Alguns diálogos, não isentos de um humor amargo, colocam em evidência preocupações do mundo do trabalho, no campo e na cidade, que passam longe do nosso cinema habitual: os piores lugares para se dormir quando não se tem uma cama, as cargas mais difíceis para carregar e descarregar de um caminhão, a melhor época para colher mexericas.

Que não se pense, pelo que foi dito, que a preocupação com o “conteúdo” implica descuido ou desinteresse na construção visual do filme. Os enquadramentos, bem como a encenação ilusoriamente “documental”, o ritmo da montagem, a articulação com a locução e com a trilha sonora, tudo conflui para expressar uma visão orgânica e lúcida do universo retratado. Não há firula, mas há beleza, e especificamente cinematográfica, sobretudo em momentos como o do atropelamento de uma pessoa à noite, numa estrada deserta, ou do instante de surdez do operário na metalúrgica, que em silêncio, na penumbra rasgada pelas labaredas dos fornos, se assemelha a uma visão do inferno. Uma verdadeira epifania às avessas.

Em tempo: no último festival de Brasília, Arábia ganhou os prêmios de melhor filme, montagem (Luiz Pretti e Rodrigo Lima), trilha sonora (Francisco Cesar e Cristopher Mack) e ator, para Aristides de Sousa, que foi revelado ao viver seu próprio papel, o de um rapaz no limiar da criminalidade na periferia de Contagem, no longa anterior de Affonso Uchôa, o documentário A vizinhança do tigre.

Melhores do ano
O Cinesesc, em São Paulo, exibe até o próximo dia 25 boa parte da melhor produção nacional e internacional do ano passado, na 44ª edição do Festival Sesc de Melhores Filmes. A seleção é resultado da votação de 120 críticos de todo o país e de cerca de 11 mil internautas, em sua maioria frequentadores do cinema. É uma ótima oportunidade para ver ou rever filmes relevantes numa das melhores salas de exibição da cidade.

Na sessão de abertura da mostra, no último dia 4, foi exibido o inédito Aos teus olhos, de Carolina Jabor, programado para entrar em cartaz no circuito na quinta-feira, 12 de abril. Premiado no Festival do Rio do ano passado, o filme aborda um tema atualíssimo – uma suspeita de pedofilia por um professor de natação que logo degenera em linchamento virtual peles redes sociais e grupos de whatsapp – e atesta o amadurecimento artístico da diretora, que trafega por um terreno delicado e consegue manter o tempo todo a tensão e a dúvida, graças em grande parte ao ótimo elenco (Daniel de Oliveira, Marco Ricca, Luisa Arraes, Malu Galli).

Na votação do Cinesesc, os principais premiados foram, entre os nacionais, A Glória e a Graça, de Flávio Tambellini (melhor filme, para o público), Como nossos pais, de Laís Bodanzky (melhor filme, para a crítica), Arpilleras, de Marina Calisto (melhor documentário, para o público), Martírio, de Vincent Carelli (melhor documentário, para a crítica), e Era o Hotel Cambridge, de Eliane Caffé (melhor direção, para público e crítica).

Entre os estrangeiros, o público escolheu como melhor filme Com amor, Van Gogh, de Dorota Kobiela e Hugh Welchman, e a crítica optou por Corra!, de Jordan Peele.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

José Geraldo Couto

*José Gerado Couto é crítico de cinema e tradutor. Publica suas criticas no blog do IMS. Para ler as edições anteriores da coluna, clique aqui.

Latest posts by José Geraldo Couto (see all)