Yemen: balança um aliado de Washington

outras

Rebeldes cercam, em sua casa, presidente que autoriza os assassinatos seletivos praticados com drones, pelos EUA. Ocupado o palácio do governador

Por Antonio Martins

Uma peça importante no tabuleiro geopolítico do Oriente Médio pode estar se movendo neste instante. Na manhã de ontem, combatentes do grupo político-religioso houthi, de tendência muçulmana xiita, tomaram o palácio presidencial do Yemen em Sana’a, a capital. Como o presidente, Abdu Rabbu Mansour Hadi, encontrava-se em sua residência particular, esta foi cercada pelos rebeldes — e assim permanece. Um automóvel da diplomacia norte-americana foi incendiado. O líder dos houthis anunciou, num discurso pela TV, que não pretende destituir o governo, mas que adotará “todas as medidas necessárias” para que as reivindicações políticas de seu grupo sejam atendidas.

Os novos atos indicam a retomada de uma ofensiva houthi, iniciada em setembro e motivada por duas questões. A primeira é econômico-social. As condições de vida já precárias (o Yemen é o 157º colocado, numa lista de países segundo seu Índice de Desenvolmento Humano — IDH) agravaram-se em agosto, quando o governo de Abdu Hadi eliminou subsídios e provocou alta de 100% no preço dos combustíveis. Os houthis, que existem como movimento há 25 anos e adquiriram força militar em período recente, ocuparam pontos estratégicos da capital — inclusive estações de rádio e TV.

Em negociações subsequentes, o presidente aceitou a formação de um governo “de unidade”, que acabou não se conformando. A ofensiva houthi dos últimos dias foi deflagrada depois que autoridades anunciaram plano para dividir o país em seis províncias, o que é rechaçado pelos revoltosos. Na segunda-feira, eles aprisionaram o chefe de gabinete da Presidência. Ontem, tomaram o palácio e sitiaram Abdu Hadi.

O segundo fator da ofensiva é geopolítico e aflige Washington. O Yemen é base de um ramo importante da Al-Qaeda — o mesmo que teria assumido a responsabilidade pelo atentado praticado este mês contra o Charlie Hebdo. Os EUA desencadearam há anos, contra o grupo, uma guerra baseada em assassinatos seletivos, praticados por drones. Assim como ocorre no Paquistão, os homicídios, além de serem afronta brutal os direitos humanos, costumam atingir também a população civil. Só em 2014, segundo o Consórcio Internacional de Jornalismo Investigativo, entre entre 148 e 214 pessoas foram mortas em ataques deste tipo. São mais vítimas fatais, por mês, do que as mortas na carnificina praticada no jornal francês…

Os houthis combatem a Al-Qaeda, mas se opõem tanto aos assassinatos por drones quando à interferência de Washington nos assuntos do Yemen. Não são os únicos a fazê-lo. Em abril de 2013, Farea al-Muslimi, uma jovem ativista yememita que cursou ensino médio nos EUA, prestou depoimento no Senado norte-americano. Ela é originária da cidade de Wessab, uma das atingidas por assassinatos por drones. “O ataque conseguiu realizar, num instante, o que os terroristas jamais haviam obtido”, disse: “Agora há ira intensa e ódio crescente dirigidos aos Estados Unidos,” disse ela. A possível queda de Abdu Radih, o presidente submisso a Washington, pode ser mais um sinal deste sentimento.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *