Um outro lado da guerra na Síria

15kristof-master1050

Embora omita envolvimento dos EUA, documentário destaca algo de humanidade em meio ao conflito: os cidadãos comuns que, arriscando a pele, decidem salvar o máximo de vidas do inferno

Por João Fernando Finazzi

A guerra civil na Síria vêm atingindo seu ápice com os acontecimentos recentes. A crise internacional aprofundou-se com o bombardeio dos EUA sobre as tropas sírias no último sábado e a convocação pela Rússia de uma reunião emergencial no Conselho de Segurança. Nesse contexto, as narrativas muitas vezes se situam na divisão entre a acusação ou a relativização de um dos dois lados do conflito, algo que em muito lembra as chamadas proxy wars, ou guerras por procuração, do período da Guerra Fria. O lançamento pelo Netflix do documentário sobre os White Helmets, grupo que busca executar trabalho humanitário em meio ao conflito, pode ajudar a desconstruir, em parte essa divisão.

Apesar de o filme, assim como outros da marca, silenciar completamente sobre o papel dos EUA, tendo como as únicas referências do bombardeio indiscriminado de civis a Rússia e o governo sírio, ele possui o mérito de mostrar ao longo de seus 40 minutos o trabalho in loco dessas pessoas de carne e osso, sob a mira dos incessantes bombardeios e das câmeras de foto e vídeo.

Enquanto aqueles que possuem os meios e a vontade de deixar a Síria o fazem e o desastre da guerra continua, são os homens comuns – alfaiates, pedreiros, ferreiros – os verdadeiros heróis. São eles que, por escolha ou por necessidade, num gesto de bravura, decidem salvar o máximo de vidas no inferno.

Poderíamos dizer que se a Guerra do Golfo possibilitou pela primeira vez o acompanhamento ao vivo em grande escala do teatro de operações da guerra, o conflito na Síria – junto com os atuais desenvolvimentos dos meios de comunicação – talvez seja aquele que esteja levando essa lógica ao seu paroxismo, com a visualização, no terreno, do ponto de vista das vítimas. O estranhamento não deixa de ser significativo: é sobre a mesma tela e ao mesmo tempo em que também observamos homens de carne e osso, a cúpula que cerca Obama, Putin e Assad, decidirem sobre as bombas que cairão sobre aqueles civis. Talvez um retrato da guerra no século XXI.

João Fernando Finazzi é mestre em Relações Internacionais pelo Programa de Pós-Graduação em Relações Internacionais San Tiago Dantas (PUC-SP, Unesp, Unicamp)

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

4 comentários para "Um outro lado da guerra na Síria"

  1. Norma Nascimento disse:

    Quem não os conhece que os compre. Sempre bom um contraponto:
    Tras la imagen del niño Omran Daqneesh
    http://www.voltairenet.org/article193038.html
    Netflix and the White Helmets, hand in hand with al Qaeda
    https://www.youtube.com/watch?v=4oQTWn1JfeA
    The White Helmets – al Qaeda with a facelift
    https://www.youtube.com/watch?v=8aAaReVn2I4
    Para Londres, la propaganda de guerra es un arte
    por Thierry Meyssan
    http://www.voltairenet.org/article193043.html
    Who Are Syria’s White Helmets? “First Responders” for the US and NATO’s Al Nusra/Al Qaeda Forces?
    http://www.globalresearch.ca/who-are-syrias-white-helmets-first-responders-for-the-us-and-natos-al-nusraal-qaeda-forces/5532119

  2. As pessoas de origem libanesa no Brasil: Michel Temer, Alberto Yousseff e outros doleiros, Abdalla, Turcão e outros bicheiros, Geraldo Alckmin, Romeu Tuma e filho, Celso Pitta, Paulo Maluf, Lutfalla, Beto Richa, Paulo Ganem Souto, Ibrahim Abi Ackel e filho, Paulo Skaf, Afif Domingos, Roger Abdelmassih, Gilberto Kassab, Omar Aziz, Tasso Jereissati, Jorge Murad e outros de menor porte, bem como os judeus Civita e Georges Soros têm exibido fortes sinais de estarem desempenhando um papel muito importante no projeto de tornar o Brasil um imenso Líbano e a América Latina um imenso Oriente Médio.

  3. João disse:

    Esse documentário é pura propaganda de guerra!

    • Norma Nascimento disse:

      Exatamente, João. Desde que James Petras, Toni Negri e outros analisaram como estas ONGs e associações “humanitárias”, “ambientais” são o braço moral do capital sempre tenho um pé atrás. O site Red Voltaire (http://www.voltairenet.org/es) é que conhece bem esta história de capacete branco…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *