Qual resposta para isto?

“Na primeira noite, eles se aproximam

e colhem uma flor de nosso jardim.

E não dizemos nada.

Na segunda noite, já não se escondem,

pisam as flores, matam nosso cão.

E não dizemos nada.

Até que um dia, o mais frágil deles, entra

sozinho em nossa casa, rouba-nos a lua,

e, conhecendo nosso medo,

arranca-nos a voz da garganta.

E porque não dissemos nada,

já não podemos dizer nada.”

— Maiakovski

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

9 comentários para "Qual resposta para isto?"

  1. Paulo Cezar disse:

    Só um reparo: esse poema não é de Maiakovski. É de Eduardo Alves da Costa, e faz parte de um livro deste autor chamado “No Caminho, com Maiakovski”. Há pelo menos uns 30 anos muita gente vem cometendo esse equívoco de atribuir os versos ao poeta russo. Aliás, um equívoco tão difundido quanto aquele que atribui a Jorge Luis Borges aquele texto tão repetido em que o autor lamenta nunca ter vivido pra valer, sempre ter preferido os livros etc. etc.

    • Olá Paulo Cezar, obrigada por seu comentário. De fato, há divergencias sobre a autoria do poema, decidi colocar como sendo do Maiakovski porque achei mais referencias a ele do que ao Eduardo, e não consegui confirmar nem um nem outro na minha pesquisa. Mas fica registrado! Abraços, Juliana

  2. Paulo Cezar disse:

    Tirando o reparo, gostei da associação que você faz entre o poema e as figuras. Um poema, uma obra de arte, um pensamento manifestado vale e pena quando nos leva a refletir assim sobre o que nos cerca.

  3. SeuZé disse:

    Perfeito. Gostaria muito de ter pensando neste post. Diga-me, você sendo feminista, é também feminina? Ou esta pergunta é também sem resposta?

  4. Júlio disse:

    Entre a Dr. Arnaldo e a Heitor Penteado tinha uma outro dia: “Brasil Nazista”. Só que não era crítica, era desejo mesmo. Foda. Tem gente sentindo na pele, e infelizmente não só não temos respostas para o problema (para além das gangues punks, que acreditam na violência como solução, o que é discutível mas não deixa de ser uma resposta) como vejo pouca gente fazendo as perguntas. Que bom que temos posts como esse.

  5. Paulo disse:

    Talvez a resposta esteja no esvaziamento de sentido e propósito da própria existência humana. Por isso, muita gente anda procurando no passado, sentidos para dar vazão à sua agressividade, violência ou simplesmente ignorância contidas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *