Nas aldeias e ocupações, solidariedade contra a covid

A fome não espera: das moradias populares no centro de SP às famílias de bóias-frias e domésticas no interior do estado. Na Aldeia do Jaraguá, já falta água. Por meio de redes solidárias, é possível ajudá-los com alimentos e produtos de higiene

Por Priscila Figueiredo

Um grupo que milita junto a ocupações de moradia e aldeias indígenas está agora trabalhando para deter a disseminação da covid-19 e cuidar de garantir  condições mínimas de alimentação e higiene. Está-se trabalhando também para ajudar, por via de algumas redes que se estabeleceram no interior, a atender famílias de boias-frias e empregadas domésticas.

As artes em abaixo indicam os produtos que estão em falta para  a cesta básica e a higiene. Estão também indicados os lugares em que as doações devem ser entregues. Caso alguém que queira ajudar e prefira não sair de casa, podemos ir até você para recolhê-los (com luvas e máscaras e a devida distância). Uma residência na Lapa também estará disponível para receber doações.

As ocupações em que esse grupo, não vinculado a partido ou ONG, trabalha, são: Ocupação Mauá  (237 famílias), Ocupação Ipiranga (50 famílias), Ocupação Prestes Maia (478 famílias). Cada família tem em geral de 5 a 6 integrantes. Entre as aldeias indígenas, está a do Jaraguá. No caso desta, é particularmente dramático, onde já ocorre escassez de água, de modo que estão a precisar de pelo menos 3 caixas d’água. Pode-se comprá-las diretamente ou por ajuda financeira.

Quem quiser prestar essa ajuda específica também pode entrar em contato com o grupo de apoio através do email à abaixo.

Obrigada e boa saúde a todos e todas.

Contato do email para quem se interessar em ajudar: [email protected].

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: