Cinedebate: a sobrevivência dos sonhos

150928_sonhosroubados_foto_02_vantoempereirajr

Jéssica, Sabrina e Daiane: protagonistas de Sonhos Roubados

Alana e Outras Palavras promovem nesta segunda, 5 de outubro, exibição de Sonhos Roubados e debate sobre a luta de jovens das periferias para manter alegria e esperança em meio à desigualdade e à violência

Por Redação

O Projeto Criança e Consumo,  do Instituto Alana, e Outras Palavras convidam para o Cinedebate ‘Infância, Gênero, Consumo e Violência’, com exibição e debate de Sonhos Roubados. Dirigido por Sandra Werneck, foi eleito o melhor filme (Juri Popular) e melhor atriz (Nanda Costa) no Festival do Rio de Janeiro de 2009. Tem ótimo elenco, premiado com a presença de Marieta Severo e MV-Bill.

Após a exibição pesquisadores sobre questões da infância, gênero, consumo e violência debaterão o filme: Eliane Trindade, jornalista e autora do livro que inspirou o filme; Ana Olmos, psicanalista especialista em crianças e adolescentes; e Jailson de Souza e Silva, geógrafo, educador e fundador do Observatório de Favelas. A mediação será da jornalista Maria Carolina Trevisan, dos Jornalistas Livres, especialista na cobertura de direitos humanos e Jornalista Amiga da Criança.

Sonhos Roubados foi inspirado no livro As Meninas da Esquina, que reúne os diários de seis jovens, três das quais dão vida às protagonistas: Jéssica, Daiane e Sabrina, meninas de uma comunidade carioca que eventualmente se prostituem como estratégia de sobrevivência e para satisfazer seus desejos de consumo e, apesar dos problemas do cotidiano, sonham com um mundo melhor.

Em artigo para a Folha, o psicanalista Contardo Calligaris faz um elogio dessa resiliência: “Nessas condições francamente adversas, elas não deixam de inventar a vida. Jéssica e Sabrina não desistem de ser mães. Daiane não desiste de encontrar uma profissão e uma família – se não um pai, pelo menos uma mãe. As três não desistem de sair à noite à procura de um amor que nunca dá certo, de um pouco de aventura e de umas risadas entre amigas.”

Calligaris não deixa de notar os homens apresentados pelo filme: “violentos”, como o tio de Daiane, que abusa da sobrinha-enteada, e o namorado da Sabrina, que a violenta sexualmente; e os “boçais”, como o que se deixa dominar pela mãe ou o que não consegue assumir a paternidade. “Com esses homens, Jéssica, Sabrina e Daiane não podem contar. Eles são sombras, incapazes de assumir um amor (seja ele paterno ou conjugal), uma amizade e, na verdade, qualquer compromisso: são todos nanicos morais. A única exceção é o presidiário encarnado por MV Bill – o que me levou a pensar (seriamente) que talvez homem só melhore mesmo na cadeia. Nas periferias e nas favelas, os núcleos familiares estáveis se organizam, em geral, ao redor de mulheres.”

Serviço

CineDebate: Infância, Gênero, Consumo e Violência

Data: 5 de outubro (2ª-feira), às 19hs

Local: Rua Conselheiro Ramalho, 945, Bixiga – São Paulo / SP

Próximo aos metrôs São Joaquim ou Brigadeiro (antigo Ateliê do Gervásio)

Entrada: Gratuita, com vagas limitadas. Inscrições aqui.

Sonhos Roubados, de Sandra Werneck, com Nanda Costa, Amanda Diniz, Kika Farias, Marieta Severo, Daniel Dantas, Nelson Xavier, Angelo Antonio, Mv Bill, Lorena da Silva, Guilherme Duarte, Silvio Guindane e Zezeh Barbosa

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Um comentario para "Cinedebate: a sobrevivência dos sonhos"

  1. Augusto Spoto disse:

    Acho que o link da inscrição não tá rolando 🙁

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *