Um 8 de março para homens

Não dê rosas, nem presentes: não é celebração comercial. Leia, assista a filmes, reflita. Participe de uma experiência de inversão

140307-feminista

Por Marília Moschkovich | Imagem: Matheus Coimbra

Há alguns anos nós, feministas que militamos na internet (sobretudo em blogs), reforçamos a máxima de que aquela rosa que muita gente distribui no dia 8 de março pode ficar pra vocês. Um bom texto que não sai de moda, nesta época, é o “Dispenso esta rosa”, da Marjorie Rodrigues (leia aqui). Muito confusos com essa recusa, alguns leitores têm me escrito desde a semana passada, tentando entender: afinal de contas, se dar parabéns junto a flores ou presentes não é bacana no dia 8 de março, o que podemos fazer para que não passe em branco?

Pra inventarmos maneiras de viver o 8 de março sem sermos machistas, precisamos entender o que é esse dia. Ao contrário do que dizemos no dia-a-dia, o 8 de março não é “Dia Internacional da Mulher”, mas sim o “Dia Internacional de Luta Pelos Direitos das Mulheres”. Dá pra sacar a diferença?

8 de março não é uma data comercial como o dia das mães, dia dos pais, dia das crianças. Não foi definida por associações comerciais para vender mais rosas  em março e alavancar vendas que sem a data talvez ficassem um pouco lentas (já repararam como os dias das mães, pais e crianças são estrategicamente distribuídos no calendário? pois é).

A data de 8 de março foi reivindicada com muita luta, ao longo de muitas décadas, como dia de luta pelos direitos das mulheres. É neste dia que celebramos as conquistas da luta feminista através dos séculos. Essa celebração nos lembra que nem sempre as coisas foram como hoje, e também que podemos perder esses avanços, dependendo das disputas políticas de nosso tempo. Ao mesmo tempo, refletimos sobre outras transformações que ainda estão por vir, que desejamos que venham, e pensamos sobre como podemos promovê-las. O 8 de março é um dia de informação, reflexão e luta política.

No auge da minha criatividade de quem passou o carnaval descansando e longe da folia, listei algumas ideias de coisas bacanas pra fazer no dia 8 de março. Certamente todas elas são mais produtivas para os direitos das mulheres do que dar parabéns e oferecer rosas, e definitivamente alguma delas é possível de ser feita por você.

Por e-mail ([email protected]) ou Twitter (@MariliaMoscou), peço que me contem também, a partir do domingo, o que foi que fizeram no dia 8. Pretendo traçar uma pequena coletânea de atitudes dos homens em prol da luta das mulheres na semana que vem! Vamos à lista:

1. Participar de alguma marcha ou manifestação de 8 de março

Como homem, é importante que você possa mostrar que entende que esse é um dia de luta e que apoia publicamente essa luta. As marchas costumam ser bem tranquilas, com grupos diferentes e bandeiras bem diversificadas. É uma experiência legal pra quem anda com alguma curiosidade sobre qual é a cara do feminismo nos dias de hoje, que reivindicações são feitas, etc. Dando uma busca por “Ato 8 de março 2014” no Google, é possível encontrar informações sobre as marchas programadas para diferentes lugares.

2. Ler (ou começar a ler) um livro de uma escritora feminista

Não precisa chafurdar na teoria e encarar logo O Segundo Sexo, da Simone de Beauvoir, claro. As escritoras de literatura são excelentes para se começar. Por meio da literatura muitas questões sobre os direitos e as vidas de mulheres em várias épocas são muito bem trabalhadas. Meus livros preferidos pra esse começo são os seguintes:

– Três Vidas (Gertrude Stein)

– O Conto da Aia (Margaret Atwood)

– Um teto todo seu (Virginia Woolf)

– Persépolis (MarjaneSatrapi) [quadrinho]

– O País das Mulheres (Gioconda Belli)

– As boas mulheres da china (Xinran)

– Barragem contra o Pacífico (Marguerite Duras)

– A casa dos espíritos (Isabel Allende)

– Flor da Neve e o leque secreto (Lisa See)

3. Assistir filmes que tragam uma perspectiva feminista sobre as mulheres

Faça uma panelada de pipoca, ajeite uma bebida maneira e vamos lá. Eu indico aqui alguns filmes bacanas, de ficção ou não, mas há realmente muitos filmes feministas bons por aí. Alguns deles que você talvez nem imaginasse que fossem feministas! Se você jogar “filmes feministas” no Google, ele retorna boas listas pelas quais você pode se pautar, também. Minhas sugestões:

– Que bom te ver viva (Lúcia Murat, 1989)

– A excêntrica família de Antônia (MarleenGorris, 1995)

– Thelma & Louise (Ridley Scott, 1991)

– Tomboy (CélineSciamma, 2011)

– XXY (Lucía Puenzo, 2007)

– Pequena Miss Sunshine (Jonathan Dayton & Valerie Faris, 2006)

– A Vida Secreta das Abelhas (Gina Prince-Bythewood, 2008)

– A Cor Púrpura (Steven Spielberg, 1985)

– Além do bem e do mal (Liliana Cavani, 1977)

– Philomena (Stephen Frears, 2013)

– Em nome de Deus (Peter Mullan, 2002)

– As horas (Stephen Daldry)

4. Participar de alguma outra atividade proposta para o dia, que envolva informação, reflexão e debate

Na cidade de São Paulo, a prefeitura lançou uma listinha muito bacana cheia de atividades interessantes para o 8 de março. Nessas atividades, muitos aspectos do “ser mulher” serão debatidos, apresentados, pensados. Vale a pena conferir a programação extensa e escolher uma atividadezinha pra participar (veja a lista aqui). Eu mesma vou dar um workshop curto voltado para homens nesse dia, também em Sampa (inscrições e informações aqui).

Se você não está em Sampa, uma busca no Google por “8 de março atividades” vai retornar diversas possibilidades; adicionando o nome de sua cidade à busca dá pra ter uma ideia de eventos próximos. Se nada disso funcionar, procure por coletivos feministas e setoriais de mulheres de partidos de esquerda, que esses grupos sempre têm ideias legais de atividades para a data. As ONGs ligadas aos direitos das mulheres, direitos sexuais e reprodutivos e direitos humanos também costumam propor encontros e debates legais no dia. Fique atento!

5. Faça um experimento de inversão

Essa proposta é muito mais ousada do que os outros itens da lista, claro. A ideia é viver como se fosse mulher, em algum aspecto do teu cotidiano, durante um dia. Você pode passar o dia usando sapato de salto alto, por exemplo. Fazer maquiagem feminina, tentar fazer as unhas, fazer depilação com cera nas pernas, usar vestido, ou trocar as tarefas diárias com uma mulher que conviva com você (mãe, irmã, esposa, namorada, amiga, etc). Seja criativo e depois me conte como foi! O lado mais bacana dessa experiência, porém, é discuti-la com as próprias mulheres dos teus círculos sociais. Escute o que elas tem a dizer sobre a experiência delas cotidianamente fazendo o que você fez por um dia.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

26 comentários para "Um 8 de março para homens"

  1. Garrido disse:

    curti bastante as ideias …bora praticar .

  2. Marcus Vinicius disse:

    Eu queria saber que direitos são esses que as mulheres tanto querem… perante a lei a mulher pode mais, tem um estatuto só dela.. perante a sociedade a mulher também pode mais, pois somente com o corpo é capaz de abrir várias portas (que um homem precisaria de anos de trabalho e estudo para abrir).
    Então, qual é a desvantagem em ser mulher ?… não consigo ver nenhuma, muito pelo contrário

    • Marcus Vinícius, deixa eu te contar uma coisa: cê parou pra pensar que, ao afirmar que “mulheres são capazes de abrir muitas portas usando o corpo”, você está tratando o corpo da mulher como uma moeda de troca. Então, chegamos no ponto, meu caro: tratar a mulher desse jeito é uma forma de objetificação, e isso surgiu do machismo.
      Além do mais, se você associa o crescimento social e profissional de uma mulher a usar o corpo, é você que, muito preconceituosamente está subestimando a capacidade dela de destacar pela inteligência e pelo trabalho. Aí temos a resposta da sua pergunta: elas querem (entre tantos outros direito) o direito de viverem suas vidas sem estarem sujeitas a um tratamento como esse que você demonstra.

    • Juliana disse:

      Realmente, é super vantajoso ser mulher e entrar em um ônibus e ver um homem quase caindo nos seus seios de tanto encara-los, ou de andar a noite na rua e um homem parar o carro ao seu lado e falar: ” ô delicia, não quer dar uma volta?” E olhar ao redor e perceber que não tem ninguém a sua volta e o medo tomar conta de você, ou de um idiota qualquer falar: “ê lá em casa!”, ou de um louco qualquer começar a se masturbar no meio da rua na sua frente, ou voçe perceber claramente que o cara sentado do seu lado esta te olhando e se “acariciando”, ou de ver no serviço aquele cara quase quebrando o pescoço e babando com cara de ridiculo para uma mulher bonito, ou até mesmo ouvir aquele comentário típico: “só foi promovida porque deu pro chefe”!!!
      Realmente, temos muitas vantagens!!!!

    • Que tal fazer valer esses direitos? Já é um começo….

    • San disse:

      A mulher quer ter o direito de não precisar ler esse tipo de abobrinha. Se uma mulher bonita tem sucesso na sua carreira, um acéfalo qualquer pode e certamente irá subjugar a inteligência dela afirmando que só conseguiu por ser bonita ou em troca de favores sexuais com o chefe. Esse tipo de mentalidade só atrasa vc meu querido.

    • Marcus Vinicius disse:

      Quando eu falei sobre a vantagem do corpo da mulher, em momento algum afirmei que essa vantagem era usada VIA DE REGRA, ou que a mulher alcançasse o sucesso SOMENTE com isso (Por favor, LEIAM e PENSEM antes de responder). Mas o corpo é sim, inegavelmente, uma vantagem. E não é preciso necessariamente sexo, um corpo bonito em si já influencia na decisão do chefe.
      Quanto aos babões de plantão, se não são vantagem, também não são desvantagem. Não há dano algum que outra pessoa ficar “babando” na garota. Ao contrário, dependendo da mulher, é uma chance dela explorar o cara, que não tem um pingo de amor próprio e pode ser facilmente manipulado com a mera possibilidade de relação sexual. Além de aumentar a autoestima da mulher.
      Tudo isso deixando de lado a hipocrisia absurda que é sair na rua toda maquiada, com um elastano apertado tentando transformar gordura em formas, bojo no sutiã aumentando volume, decote, bunda empinada no salta alto, cabelo pintado, perfume e etc e depois reclamar da atenção recebida, sendo que toda essa maquiação serve unica e exclusivamente para isso. Atenção vem, e de tudo quanto é tipo de gente, inclusive de outras mulheres (que por muitas vezes fazem comentários maldosos. O homem, pelo menos, só elogia).
      Portanto, concluo que não obtive nenhuma resposta a minha pergunta.

  3. Marin disse:

    “… perante a sociedade a mulher também pode mais, pois somente com o corpo é capaz de abrir várias portas…”. Meu caro Marcus, é justamente este o ponto totalmente errado: o corpo da mulher não é um objeto para abrir portas. Esta é a visão machista que o texto quer mostrar e o respeito que as mulheres merecem. Isso é igualdade. É liberdade. É humanidade.

  4. Marin disse:

    “… perante a sociedade a mulher também pode mais, pois somente com o corpo é capaz de abrir várias portas…”. Meu caro Marcus, é justamente este o ponto totalmente errado: o corpo da mulher não é um objeto para abrir portas. Esta é a visão machista que o texto quer mostrar. Além disso, existe a questão do respeito que as mulheres merecem. Isso é a igualdade. É a liberdade. É humanidade.

    • David disse:

      Se não é uma ferramenta para abrir portas, porque as mulheres o usam como tal (feministas ou não)? Resposta sem hipocrisias, por favor.

    • Marcus Vinicius disse:

      Mas Marin, nesse caso, quem esta objetificando a mulher é ela mesma e não a “sociedade machista”. Quando ela tira vantagem do corpo, ela mesma se põe como objeto, como moeda de troca. Quando ela gasta seu dinheiro com maquiagem e roupas, ao invés de ferramentas de trabalho ou estudos, ela corrobora essa objetificação, demonstrando conhecer o valor da beleza. E num país como o Brasil, esse valor é alto, e é explorado sempre que possível, tanto pelo comprador quanto pelo vendedor.
      Eu não queria que o mundo fosse assim, mas isso é fato. Não dá pra fugir para a fantasia da infância e fingir que não vê.
      Igualdade também é meu ideal de luta. E é por isso que estou aqui.
      A mulher alega que é ruim ser acusada de ter ascendido ao sucesso pelo uso do corpo…isso não configura desvantagem para a mulher, pois o homem também é acusado de ascender as custas de puxar saco, trapacear, “rabo-preso” e etc. Acusações falsas existem em ambos os lados, não é exclusivo a homem ou mulher. Agora o uso da beleza, do corpo, esse sim é exclusivo da mulher. Portanto configura vantagem.

  5. Ana Melo disse:

    Texto feminista e fútil.

  6. Geraldo Vicentão disse:

    Olha a cara de quem faz amor com a b*[email protected] desse zé mané. Homens e mulheres são iguais e quem os trata de maneira diferente não passa de lixo idiota.

    • Marcus Vinicius disse:

      Se vc estudar um pouquinho, vai ver que, cientificamente, homens e mulheres não são iguais, não pensam iguais, não veem o mundo da mesma forma e não têm o mesmo comportamento. Se vc os trata de maneira igual, então é vc quem não passa de lixo idiota.

  7. Maria Beatriz Bilac disse:

    Marcos Vinícius, todo mundo tem o direito de externar sua opinião, mas não sem antes refletir sobre elas. A pobreza de seu pensamento mostra que você deve ser uma pessoa completamente desatenta da realidade. A simples existência de indivíduos como você é que faz necessária a luta das mulheres por dignidade e respeito. Instrua-se um pouco antes de exercer seu direito de opinião e torne esse direito legítimo.
    Boa sorte em sua vida. Você precisa …

  8. Ricardo Ribeiro disse:

    Pensando na sua lista de filmes, que obviamente não se propõe ser completa e abrangente, lembrei de “Lovelace”, a história da atriz pornô Linda Lovelace que era abusada pelo marido.
    Não se conhece ou viu, mas acredito que é um filme que provoca a reflexão sobre o conceito que se faz das mulheres que têm sua atividade profissional ligada ao sexo.
    Obrigado por todas as dicas! Vou tentar assistir a um desses filme com minha esposa!
    Abraços

  9. Bete Gonçalves disse:

    Num tempo de amplos direitos humanos é inacreditável que alguém em sã consciência possa vir a uma rede social expor uma mentalidade tão atrasada como a sua, Marcus

  10. César Fonseca disse:

    Tens razão Marcos. A promoção das mulheres na piramide hierarquica é diretamente proporcional à abertura das pernas delas (para o chefe)… Por causa disso é que as mulheres conseguem abrir portas muito rápidamente, em que um homem precisaria de anos de trabalho e estudo para abrir. Peace 🙂

  11. poxa, brochei com esse post, sempre faço meu rango ou lavo a louça (na real, sempre lavo a louça, principalmente quando cozinho sozinho) e isso independe se almoço sozinho ou com uma amiga/amigo…não me classifico em nenhum padrão, eu simplesmente faço o que acho justo fazer naquele exato momento.

  12. Maria disse:

    Só não concordo com a última. Não se sente como é ser mulher por usar sapato de salto alto ou se depilar. Além de tudo, isso estereotipa mais ainda o gênero. Imagina se no dia da consciência negra um texto mandasse um branco fazer uma coisa “de negro”?! Não acho válido e até ofensivo. Não se pode viver como se fosse mulher ao reproduzir esteriótipos durante um dia assim como um branco não pode viver como negro durante um dia se pintasse seu corpo. As outras propostas porém achei super válidas.

  13. Raphael disse:

    Fe mimimi nismo

  14. José disse:

    Marcus Vinicius
    Não tentando te defender mas usando talvez o ponto que você quis dizer e acabou não sendo tão claro. Acredito que você quis dizer que a beleza da mulher abre portas de emprego para ela, se comparar à situação do homem, pois é fato que uma mulher bonita consegue muito facilmente emprego como: recepcionista (de hotel ou outras instituições), vendedora, secretária, promotoras de eventos (nesse último caso sendo a mulher não somente bonita mas com o corpo bem definido. Sem hipocrisia, a mulher bem gostosa mesmo), entre outros empregos.
    Enfim… se foi dessa maneira que você quis se expressar então não tem nem como negar pois é fato: mulher bonita consegue emprego fácil em qualquer dessas áreas que citei e em outras que não lembro nesse exato momento.

    • Marcus Vinicius disse:

      Sim, foi exatamente esse o ponto, com os exemplos que vc citou. Mas posso dizer que essa vantagem é mais abrangente do que somente a questão profissional. A mulher consegue também boa autoestima e favores no geral.
      Boa autoestima pelos elogios, olhares, cantadas… alguns homens se comportam como garotos na presença de uma mulher bonita, e isso não passa desapercebido por elas, ou seja, nesse caso, mais uma vez, ela está sendo lembrada do seu alto valor. No caso do homem, o valor tem que ser conquistado… conquistar posses, mulheres (sim, isso conta perante outras mulheres. “Pegadores” nunca estão sozinhos, isso é fato)… aprender boa locução verbal, bom comportamento, bom “papo” e etc.
      Favores elas recebem no geral, em todas as áreas. Repare aquelas pegadinhas na TV, em que a vítima é atraída por uma mulher precisando de ajuda com algo. O atrativo é sempre uma mulher, e isso não é coincidência, tanto homens quanto mulheres são mais solícitos a uma mulher precisando de ajuda do que a um homem precisando de ajuda.

  15. marcio ramos disse:

    … que legal este texto, valeu as dicas maluca!!!!
    … e que papo é este de inversão, pirou de vez????
    … este ano não fotografei a mulherada na Marcha, fiquei aqui com a Maria que é linda de morrer esfregando o chão encardido do ap velho que aluguei…
    … Maria – 35a – me disse que começou a trampar com 8 anos na roça, ela e mais 10 irmãos… o pai queria que ela casasse com 16 ela não quis e enfrentou o pai; o pai disse que filha so sai de casa casada… Maria foi pra casa do irmão mais velho e como se recusou a ir a Igreja com o irmão Maria aos 20 fugiu do Parana e parou em SP… casou com paraibano e largou o marido pois nao aguenta homem mandão… tem uma filha de 8 anos e agora vai sair da casa que mora pois nao pode pagar aluguel e vai morar com a filha em quarto de 600 reais para economizar e tentar comprar algo no Parana… Maria que é um T faz faxina, trabalha muito, é forte, espirituosa e na boa, Maria é bonita demais, rapou o cabelo uns 15 dias atras e que rosto e que corpo…. meu deus!!!! perguntei a Maria se ela ja foi em alguma Marcha e ela disse que estas coisas ela não gosta… Maria não entende muito bem esta coisa de Marcha… (que portas a beleza de Maria conseguiu abrir?)
    A tarde, depois da faxina, fui almoçar com uma patricinha, gente boa, ricaça na Vila Madalena que tem “projeto” – pq a palavra ONG esta desgastada – de trabalhar com “comunidades carentes”, a moça entrou de cabeça em um “projeto de rico que quer ensinar pobre a viver”, estas bobagens de ongueiros da Vila Madalena, ali ta cheio de bobagens… bem a moçoila, gostosinha, toda emperiquitada também me disse que nao vai nestas Marchas porque tem muita maloqueira… ai ai ai… a Carla tem estudo, pai rico psiquiatra e mãe professora e um irmão nerd da engenharia… casou no papel 2 vezes e morou junto mais duas vezes com homens ricos e hj ta só… tem muita grana, toma comprimido pra dormir, anda toda maquiada e adora dizer que so tem 40 anos e é hiperativa… não sei por que, deve ser a droga da pressão social mas Carla quer trabalhar pra que???? pouts… !!!! (que portas a beleza da Carla abriu?)
    … Carla quer me dar trabalho e o trabalho quando não foge de MIM sou eu quem foge dele… detesto este papo de trabalho… Maria só trabalha mas aposto que quer parar de trabalhar, Maria ta nem ai para os machistas ela tira de letra, ja Carla toda estudada e pomposa precisa trabalhar para provar para esta sociedade machista que é boa de trampo, mas quem trabalha mesmo é Maria…
    … valeu maluca o teu feminismo é porreta…
    ………………………………………………………………………………………………………..
    Marcus Vinicius vc ta certo, mas não fala pra ninguém, as pessoas adoram idealizar tudo… é obvio que a beleza física abre muitas portas – mas que portas e como e que beleza? – de forma consciente e/ou inconsciente… natural ou cultural ser assim?

    • Marcus Vinicius disse:

      A questão são as VANTAGENS em ser mulher. Se a beleza feminina abre portas, pronto, configura-se uma vantagem. Não foi dito que essa seria a ÚNICA E ABSOLUTA forma de poder, foi dito que seria uma vantagem.
      Nas suas estórias, a vantagem da beleza simplesmente não foi usada. No primeiro caso, porque a mulher tinha força de vontade para trabalhar e correr atrás, e não gostava de se submeter a ninguém. No segundo caso, a mulher nunca precisou, pois era rica.
      Agora, falando de homens x mulheres, falamos sempre do comportamento coletivo, não individual. Da REGRA, não da EXCEÇÃO. Maria é uma exceção, que eu venho procurando a anos. E aliás, Maria usou sua vantagem, pois se casou uma vez, só se separou devido a outra característica dela, a de não aguentar ser mandada por outro. Mas mesmo que Maria nunca tivesse usado, isso não muda o fato de ela possuir uma vantagem. Se a mulher não precisa usar, ótimo, bom pra ela. Mas isso não muda o fato de que ela tem uma vantagem.

    • Marcus Vinicius disse:

      Quanto a forma de usar a beleza, a mulher nasce com isso, é natural para ela, e portanto inconsciente. Mas, uma vez estando ciente disso, a mulher usa sua vantagem de forma consciente, propagando, junto as suas congêneres, tal hábito, tornando-o portanto cultural.
      Com relação as portas, a beleza abre todas aquelas que se abrem por uma decisão humana. Se há alguém decidindo, este alguém será influenciado pela beleza no processo de decisão. Mas, de qualquer forma, independente de como e quando a porta se abre, o fato é que a beleza configura vantagem prévia. Entre um homem e uma mulher, igualmente qualificados e concorrendo a mesma porta, a mulher sai na frente pela sua beleza, mínima que seja (só precisa do padrão médio de beleza que qualquer mulher saudável tem, não precisa ser nenhuma panicat).

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *