A captura da Economia de Compartilhamento

Como uber-capitalismo apoderou-se de iniciativas que propunham superar a propriedade privada e (trágica ironia) usou-as para reduzir salários, direitos sociais e proteções ambientais

Por Susie Cagle | Tradução: Felipe Calabrez

Fundada em 2014, a Omni é uma startup que oferece aos usuários a possibilidade de armazenar e alugar suas coisas menos usadas em São Francisco e Portland, Califórnia. Apoiada por cerca de 40 milhões de dólares em capital de risco, a Omni proclama em seu site que “acredita em experiências acima de coisas, acesso acima de propriedade e uma vida mais leve, em vez do peso de nossas posses”.

Se você estiver onde a empresa atua, pode alugar uma cópia do livro A Mágica da Arrumação, de Marie Kondo, de um usuário denominado “Lan”, pelo preço módico de 1 dólar por dia; “Charles” está alugando uma pequena litografia emoldurada por 10 dólares por dia; e “Tom” está alugando uma cópia do filme Friends With Benefits em Blu-ray por apenas 2 dólares por dia. Esses preços não incluem taxas de entrega e devolução para os caminhões da Omni que atravessam a cidade, e cobram a partir de 1,99 dólares por trajeto.

Em 2016, o executivo-chefe e co-fundador da Omni, Tom McLeod, disse que “os empréstimos permitem que os membros da Omni ofereçam seus pertences ‘inativos’ em bom uso a sua comunidade.” Naquele mesmo ano, a revista Fortune disse que Omni “poderia criar uma verdadeira economia de compartilhamento”. Por um tempo, os princípios da economia compartilhada estavam à frente e no centro do modelo da Omni: prometia recolocar em uso bens subutilizados para sustentar um mundo mais saudável e construir a confiança da comunidade. Em 2017, McLeod disse: “Queremos mudar o comportamento em torno da propriedade no planeta”.

Apenas três anos depois, essas promessas parecem secundárias, diante da busca do lucro. Em 2019, o objetivo da Omni pode ser resumido pelos anúncios estampados em seus caminhões de entrega: “Alugue coisas de seus vizinhos, ganhe dinheiro quando eles alugarem de você!”

Durante anos, a economia compartilhada foi vendida como uma forma altruísta de capitalismo — uma resposta ao consumo descontrolado. Por que possuir seu próprio carro ou ferramentas elétricas ou exemplares de A Mágica da Arrumação, se cada um destes objetos ficou ocioso durante a maior parte de sua vida? A economia compartilhada permitiria que estranhos em todo o mundo maximizassem a utilidade de todas as posses para o benefício de todos.

Em uma palestra do TED de 2010, a campeã em economia de compartilhamento e escritora Rachel Botsman argumentou que a economia compartilhada, impulsionada pela tecnologia, poderia “reproduzir os laços que aconteciam no passado face a face, mas em uma escala e de uma maneira nunca antes possível”. Botsman citou um artigo do New York Times que dizia: “Compartilhar é para a propriedade o que o iPod é para a fita cassete, o que a energia solar é para a mina de carvão.” Em 2013, Thomas Friedman proclamou que a verdadeira inovação do Airbnb não era sua plataforma ou sua modelo de negócios distribuído: “É ‘confiança’”. Em uma conferência de 2014, o investidor do Uber, Shervin Pishevar, disse que compartilhar nos levaria de volta a uma era mítica do passado, de vida comunitária de baixo impacto.

Mais de 10 anos desde o surgimento da economia compartilhada, essas promessas soam dolorosamente desatualizadas. Por que alugar um DVD do seu vizinho ou possuir um aparelho de DVD, quando você pode assistir a seus filmes on-line? Por que usar o Airbnb para um quarto individual em sua casa, quando você pode sublocar um apartamento inteiro e administrar um lucrativo hotel na informalidade? Uber, Lyft e Airbnb – startups que apostaram nas promessas da economia compartilhada – agora valem dezenas de bilhões de dólares, com planos de abrir capital. (A Lyft entrou com um pedido de lançamento inicial de ações em 1º de março.) Essas empresas e os especialistas que as exaltaram abandonaram o argumento de compartilhamento, que deu vida a este setor e permitiram que ele contornasse os regulamentos dos Estados por anos. O compartilhamento deveria transformar nosso mundo para melhor. Em vez disso, a única coisa que estamos compartilhando é o rastro de bagunça que ele deixou.

***

Os primeiros vislumbres da economia compartilhada surgiram anos antes de o termo entrar em uso popular. Em 1995, o Craigslist integrou doação direta, aluguel e venda de tudo – de animais de estimação e móveis a apartamentos e residências. A partir de 2000, a Zipcar permitiu que os membros alugassem carros para tarefas diárias e viagens curtas, com o objetivo expresso de tirar mais carros da estrada. E o CouchSurfing, lançado como uma organização sem fins lucrativos em 2004, de repente transformou cada sala de estar em um albergue. Essa primeira onda de compartilhamento foi eclética e às vezes até lucrativa, mas antes da adoção em massa do smartphone, não conseguiu captar a imaginação do público.

Embora sua origem seja vaga, muitos creditam a introdução do termo “economia compartilhada” no léxico mais amplo da tecnologia a Lawrence Lessig, que escreveu sobre o compartilhamento em seu livro de 2008 Remix: Making Art and Commerce Thrive in the Hybrid Economy. A Grande Recessão estava apenas começando, e a economia de compartilhamento foi apontada como um novo híbrido “faça-você-mesmo” de rede de segurança social e modelo de negócios. Os contornos do termo nunca foram particularmente claros. Foi usado livremente para descrever projetos peer-to-peer e mercados de aluguel habilitados para tecnologia, mas também incluiu modelos antigos de escambo, cooperação e caronas casuais. A economia compartilhada era um movimento amplo e eclético, com metas ambiciosas e utópicas. A revista online Shareable foi lançada em 2009 para documentar esse “movimento de movimentos”.

O compartilhamento ajudaria a reduzir o consumo excessivo e nosso impacto no meio ambiente. Mary Meeker, uma investidora em “startups” e observadora de tendências de tecnologia, disse que os nortreamericanos estão mudando de um “estilo de vida baseado na posse de bens para uma existência despojada”, com a economia compartilhada liderando a transição. Harald Heinrichs, pesquisador de meio ambiente e política, sugeriu que a economia compartilhada era um “novo caminho potencial para a sustentabilidade”. Annie Leonard, do Greenpeace, categorizava compartilhamento em oposição a consumo: a economia compartilhada “conservaria recursos, daria às pessoas acesso a coisas pelas quais não podiam pagar e construiria comunidade.”

O compartilhamento também prometia benefícios sociais. Seria o instrumento pelo qual poderíamos nos conhecer novamente, um contrapeso à alienação de uma distopia tecnológica em expansão. A especialista em economia de compartilhamento, April Rinne, disse que o compartilhamento recriaria a estrutura social de comunidades unidas. “Engajar-se no consumo colaborativo – e se acostumar com isso – reduz a barreira da confiança ao longo do tempo”, escreveu ela na Shareable. Novas startups, como a TrustCloud, reuniriam todas as nossas diferentes classificações de plataforma e trilhas sociais de toda a Web e as compilariam em um novo tipo de pontuação de crédito social que permitiria a confiança e a responsabilidade na economia de compartilhamento.

As novas oportunidades de ganhar dinheiro trabalhando como freelancer, em tempo parcial, como hospedador ou taxista ajudariam a diminuir o déficit de riqueza e a desigualdade global. Em 2013, Van Jones, colaborador da CNN, disse que o compartilhamento poderia nos levar a “um futuro mais sustentável e próspero”.

Adam Werbach foi presidente do Sierra Club e consultor de sustentabilidade corporativa antes de ser co-fundador do mercado de compartilhamento de bens usados Yerdle, em 2012. Uma espécie de proto-Omni, o slogan original da Yerdle era: “Pare de comprar. Comece a compartilhar”. O site incentivou os locatários a alugar suas próprias coisas, recompensando-os com créditos e mantendo a reciclagem de mercadorias usadas na comunidade da Yerdle.

“Havia uma mistura de empresas apoiadas por capital de risco, empresas de benefícios sociais e organizações sem fins lucrativos no espaço, todas lutando por isso. E todas as empresas eram pequenas e todos os fundadores deixavam seus empreendimentos – era uma comunidade”, diz Werbach sobre os primeiros tempos. “Eu esperava que isso fosse a domesticação do capitalismo”.

Janelle Orsi, procuradora, co-fundadora e diretora executiva do Sustainable Economies Law Center [Centro Jurídico para Economias Sustentáveis], costumava chamar a si mesma de advogada de compartilhamento, que, diz ela agora, “muita gente achava que era uma piada”. Orsi ajudou a montar pequenas cooperativas de trabalhadores e trabalhou na legislação de alimentos caseiros para possibilitar que as pessoas na Califórnia vendessem alimentos que cozinhavam em casa em pequena escala, dentro e fora das plataformas digitais.

Para Orsi, o discurso de compartilhamento teve algum valor ao vender uma ideia que era desconfortável na época. “Foi preciso um certo tipo de pessoa voltada para a comunidade, disposta a arriscar e reservar um Airbnb ou entrar em um Uber, no começo”, diz Orsi. Para ela, e provavelmente para muitos dos primeiros usuários do compartilhamento, a vida mais limpa e mais leve, através da tecnologia de plataforma, era sedutora e incrivelmente promissora. Mas essa inocência durou pouco.

“Eu tinha uma visão muito comunitária de base”, diz ela. “E então, de repente, vêm as grandes empresas de tecnologia. Foi totalmente sequestrado.

* * *

Talvez nenhuma empresa seja tão emblemática do setor de economia compartilhada e sua rápida evolução como a Lyft. A Zimride, a empresa controladora original da Lyft, era um serviço voltado para campi universitários e passeios de longa distância em áreas com poucas outras opções de transporte público. O co-fundador Logan Green disse aos repórteres que se inspirou na lentidão do tráfego de Los Angeles, repleto de carros com um só ocupante. Se fosse possível encontrar uma maneira de atrair mais pessoas para carona, Green argumentou, haveria menos tráfego na estrada.

Em 2012, a Zimride lançou o Lyft para atender a viagens mais curtas nas cidades. A Lyft anunciou “passeios amistosos”, encorajando os passageiros a se sentarem ao lado do motorista e pagar uma doação sugerida, se quisessem. A empresa argumentou que, como a plataforma agia apenas para conectar caroneiros e motoristas, com pagamento opcional, ela não poderia ser regulamentada como prestadora de serviços de táxi. Mas apenas um ano depois de ter sido liberado, o Lyft instituiu as tarifas fixas e já havia arrecadado US$ 83 milhões em financiamento. Foi uma história de sucesso na economia compartilhada: em 2015, o Lyft foi reconhecido pelos prêmios da Economia Circular em Davos por “ajudar a descongestionar as estradas”.

Durante a primeira metade dos anos 2010, a chamada economia compartilhada evoluiu para um poderoso modelo econômico multibilionário. Mais ou menos na mesma época, a definição de “compartilhamento” começou a mudar. O compartilhamento ainda se referia ao modelo peer-to-peer de aproveitar bens subutilizados, mas também se aplicava cada vez mais a modelos centralizados de locação mais tradicionais.

Aparentemente, tudo fazia parte dessa nova economia: compartilhamento de bicicletas patrocinado por bancos multinacionais, aplicativos que permitiam que as pessoas alugassem vagas de estacionamento em ruas públicas e plataformas que permitiam a venda peer-to-peer de roupas usadas. O compartilhamento era a Wikipédia, sem fins lucrativos e patrocinada por doadores, e era, ao mesmo tempo, o co-working ultra-empresarial WeWork. Quando o Avis Budget Group comprou o serviço de aluguel de carros de curto prazo ZipCar em 2013, o investidor Steve Case disse que era um indicador do potencial crescente da economia compartilhada. “Compartilhar não é uma moda passageira”, escreveu ele no Washington Post. “Apertem os cintos: é apenas o começo.”

Embora o termo “compartilhamento” estivesse rapidamente sendo esvaziado de qualquer significado, os membros do setor ainda elogiavam seus benefícios sociais. Em 2014, o chefe global da comunidade do Airbnb, Douglas Atkin, disse em uma conferência: “A economia compartilhada merece ser bem-sucedida. Há uma descentralização da riqueza, controle e poder. É por isso que esta é uma economia melhor. ”

* * *

Em meados dos anos 2010, a narrativa em torno da economia inovadora e compartilhada começava a azedar. À medida que as plataformas que apostam no “consumo colaborativo” avançaram em direção a avaliações multibilionárias, o compartilhamento começou a parecer ingênuo.

Eu observei a mudança acontecendo a partir de 2016”, diz a advogada trabalhista Veena Dubal, que trabalhava com taxistas freelancers em São Francisco antes do compartilhamento deslanchar. “Houve um momento de novidade, mas depois a percepção de que eram a mesma coisa. Apenas muito mais barato e não regulamentado.

Há três anos, em uma peça em co-autoria com a empreendedora e modelo Lily Cole, Adam Werbach também sugeriu que as corporações sequestraram o compartilhamento. “Embora as modernas plataformas de locação ofereçam um enorme valor, elas não refletem o sentimento de compartilhamento que definiu as comunidades como tal por milhares de anos.” Em vez disso, eles ofereceram outra palavra: aluguel.

Em alguns casos, a economia compartilhada parecia ampliar os próprios problemas que pretendia resolver. O suposto aproveitamento de recursos subutilizados na verdade levou a novos padrões de consumo de recursos, talvez ainda mais intenso. Diversos estudos mostraram que a facilidade e o baixo custo subsidiado dos passeios Uber e Lyft estão aumentando o tráfego nas cidades e aparentemente afastam os passageiros de uma forma real de compartilhamento: o transporte público. Os estudantes da Universidade da Califórnia em Los Angeles estão fazendo cerca de 11 mil viagens por semana, sem nem sequer sair do campus. Ao colocar mais carros na estrada, as companhias incentivaram os motoristas a consumir mais comprando carros financiados ou alugando diretamente das próprias plataformas.

Além de facilitar a locação de quartos extras, as plataformas de locação de férias incentivaram o investimento imobiliário especulativo. Casas inteiras e edifícios de apartamentos são retirados do mercado de aluguel para funcionar como hotéis, comprimindo ainda mais os mercados de habitação em cidades já inacessíveis.

Os primeiros campeões de compartilhamento estavam corretos sobre a tecnologia como elemento que permite uma mudança de uma sociedade de propriedade, mas o que veio a seguir não era compartilhamento. A ascensão dos serviços de streaming, sistemas de subscrição e aluguel de curto prazo ofuscaram a promessa de compartilhamento de recursos não monetários. O poder e o controle não foram descentralizados; estavam ainda mais concentrados nas mãos de plataformas grandes e valiosas.

Por que se dar ao trabalho de trocar seus próprios DVDs por uma cópia de Friends With Benefits, se, afinal, quando você pode assisti-lo através do Amazon Prime Video por 2,99 dólares? A ideia de pagar pelo acesso temporário aos álbuns, em vez de adquiri-los diretamente, pode ter sido irritante no começo, mas estamos cada vez mais confortáveis em alugar todas as nossas músicas, junto com nosso software e nossos livros. Fazer o download e compartilhar os materiais que vivem nesses recursos transmitidos é impossível, ilegal ou ambos.

A nova relação de confiança nunca se materializou. A regulamentação governamental geralmente desempenha um papel importante na mediação das relações de consumo com empresas corporativas, e por boas razões. Plataformas peer-to-peer podem facilitar a discriminação, e muitas vezes alegam responsabilidade limitada ou zero quando as coisas dão errado. As novas ferramentas de reputação de mídias sociais não podem previnir problemas inevitáveis, especialmente quando as empresas de compartilhamento não instituem verificações de antecedentes de seus funcionários independentes ou não inspecionam casas e veículos, para atestar sua segurança.

O compartilhamento também não proporcionou estabilidade financeira. Os empregos criados pela economia compartilhada foram mal regulados e apressaram o crescimento mais amplo da mão-de-obra terceirizada, pressionando os salários que já eram baixos para freelancers e empregados. Alguns estudos alertaram que, em breve, a maioria de nós será freelancer. Mas a maior parte desse trabalho autônomo parece ser de meio expediente e meramente uma renda suplementar, e a rotatividade – de motoristas, em particular – é alta.

* * *

O compartilhamento não tem o poder positivo de mercado que exercia há 10 anos. Desde 2016, os empresários de tecnologia e seus promotores na imprensa parecem ter abandonado em grande parte a linguagem de compartilhamento. Agora, trata-se de “plataformas”, “serviços sob demanda” ou, mais recentemente, “a economia gig”.

O advogado trabalhista Dubal também não está entusiasmado com a nova linguagem “gig”. O termo pode parecer honesto — coloca a natureza precária do contrato de trabalho na frente e no centro — mas não resolve preocupações estruturais mais amplas. “Mesmo as pessoas que pararam de usar a ‘economia de compartilhamento’ não necessariamente viram a luz em termos de quais tipos de trabalho a empresa propagou de forma mais ampla”, diz Dubal. “Eles normalizaram negócios não regulamentados”.

Alguns dos primeiros e mais sinceros defensores do compartilhamento distanciaram-se do termo. Originalmente lançado em 2013 como “uma organização de base para apoiar o movimento de economia compartilhada”, a organização sem fins lucrativos Peers pretendia “crescer, integrar e proteger a economia compartilhada”, atuando essencialmente como uma empresa de lobby para compartilhamento, serviços “sob demanda” e startups da “economia gig”. Entre os parceiros da Peers estavam Lyft, Airbnb, TaskRabbit, Getaround e dezenas de outras empresas com fins lucrativos. A organização afirma que a maior parte de seu financiamento veio de “doadores independentes alinhados à missão” e fundações, mas também teve investimento da Airbnb.

Em 2016, a Peers havia se voltado para “benefícios eventuais” — uma infra-estrutura para sustentar os trabalhadores gig que trabalham sem contar com uma rede pública de segurança no trabalho. A Peers tornou-se “uma organização para pessoas que trabalham de novas maneiras” e se fundiu com o recém-criado Indy Worker Guild. Já Natalie Foster, co-fundadora da Peers, ajudou a criar o Projeto de Segurança Econômica, que faz lobby por uma nova solução para ajudar tanto os trabalhadores em dificuldades quanto os que têm emprego: renda básica universal.

Em 2018, April Rinne, que anteriormente apoiou a economia compartilhada, por ela prometer um “tecido social mais sólido”, reconheceu “o lado obscuro” da economia compartilhada, mas escreveu que “os desafios enfrentados por ela hoje são em grande parte resultado de seu sucesso. Rachel Botsman, que argumentou que o compartilhamento permitiria às pessoas confiar umas nas outras, agora escreve sobre como a tecnologia e a concentração de poder em grandes plataformas centralizadas levou a uma “erosão da confiança”.

O poder místico da comunidade de compartilhamento nunca se materializou. As plataformas de partilha de bens de vizinhança – Crowd Rent, ThingLoop e SnapGoods – estão mortas há muitos anos e a Josephine, que partilha as refeições, acabou há muito tempo. O CouchSurfing tornou-se empresa com fins lucrativos, com investimento de capital de risco.

Acontece que compartilhar “não é realmente uma idéia do mercado de massa, o que é deprimente”, diz Werbach, que transformou a Yerdle em uma empresa de logística para grandes marcas interessadas em revender seus produtos usados. “Os professores de jardim de infância estão interessados nisso, mas os consumidores estão realmente interessados no que há para eles”.

* * *

Alguns dos primeiros e verdadeiros crentes no compartilhamento migraram para o crescente movimento cooperativo de plataformas. “Agora há todo um consórcio de cooperativas de plataforma”, diz Orsi, do Sustainable Economies Law Center.

E essas empresas não confiam em compartilhamento. Organizações como Loconomics, Fairbnb e Stocksy veem seus esforços no consumo cooperativo e na produção menos como altruísmo e mais como proprietários coletivos dos meios de produção.

O compartilhamento recorreu à ansiedade econômica, ao isolamento e à frustração com a vida contemporânea da classe média norte-americana de uma maneira única e, por fim, lucrativa. Foi outra ação do pessoal do Vale do Silício para “mudar o mundo”, envolvida em uma embalagem suave de liberalismo amigo do ambiente e de bem-estar. Fomos encorajados a dar uma chance a empresas como a Lyft e a Airbnb, estimulá-las e ajudá-las para o bem maior. Se não acreditássemos em compartilhar, não éramos apenas cínicos, mas inimigos do progresso.

Muitas das corporações e especialistas que nos venderam as promessas de compartilhamento pararam de usar o termo, porque os consumidores já não o consideravam credível ou atraente. Mas foram os consumidores que realmente compartilharam. Uma verdadeira economia compartilhada é cheia de atrito e desconforto, e as margens — se é que existem — são finas como papel. O compartilhamento real é demorado e não é particularmente lucrativo para ninguém.

Para ganhar dinheiro, especialmente o tipo de dinheiro que os investidores em tecnologia esperam, as empresas apoiadas por capital de risco não podem apenas aproveitar recursos subutilizados — elas tiveram que fazer mais. As empresas com fins lucrativos exigem crescimento e as plataformas exigem escala. Em mais de uma década experimentando compartilhamento, pudemos avaliar totalmente os custos. O capitalismo não foi domado, como Werbach esperava – ele se reforçou.

Agora é apenas uma transação”, diz Werbach. “Não precisa estar travestido sob uma linguagem sobre mudar o mundo ou qualquer outra coisa.”

E embora o compartilhamento esteja em grande parte morto, outros modelos baseados em tecnologia tomaram seu lugar: empresas apoiadas por capital de risco que ainda surfam com a promessa de resolver desigualdades, promovendo justiça, consertando sistemas quebrados e fazendo o que reguladores e grandes empresas antigas não conseguiram fazer por décadas.

Hoje em dia, não é o compartilhamento que está redefinindo a confiança e suplantando os intermediários institucionais; é o blockchain. Botsman agora diz que o blockchain é o próximo passo na mudança da confiança das instituições para estranhos. “Mesmo que a maioria das pessoas mal saiba o que é o blockchain, daqui a uma década, será como a internet”, escreve ela. “Vamos nos perguntar como a sociedade funcionou sem isso.”

Essas promessas ambiciosas soam muito familiares…

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *