A Amazon tenta forjar o Trabalhador-Vassalo

Exame da construção de subjetividade submissa. Rastreado, ele obedece e se adequa, para ter “direitos”. Não procura companheiros. Tudo é individualizado e emana competição. Em contraponto, são urgentes espaços sociais de autonomia

Ilustração: Glenn Harvey

Por Panos Theodoropoulos, na Roar Magazine | Tradução: Vitor Costa

A Amazon criou uma identidade coletiva que está firmemente enraizada nos ideais neoliberais. Para desafiá-la, sindicatos e movimentos sociais devem se concentrar na construção dos Comuns.

São cerca de três da tarde em um armazém bem iluminado da Amazon em Glasgow, na Escócia. Estamos cumprindo nossas funções, quando os gestores nos chamam para a sala comum onde observamos de imediato o clima festivo e os hambúrgueres, as batatas fritas e os drinks. Estávamos esperando a habitual reunião mensal em que nossos superiores nos informam alegremente sobre nosso sucesso e amigavelmente nos alertam sobre nossas infrações, mas dessa vez parece muito melhor.

Dizem-nos para relaxar e definir nosso dispositivo portátil, que monitora a maioria de nossas atividades, no modo “administrador”. A responsabilidade por nossa pausa no trabalho agora será assumida pela administração. Quando começamos a comer, nosso gerente de local anuncia que um de nossos colegas foi nomeado “Associado do Mês”, um prêmio que vem com prestígio e um voucher de 50 libras da Amazon. As paredes da sala comum estão forradas com as fotografias dos vencedores anteriores, uma lembrança diária do seu sucesso para o resto de nós.

Este “associado” — não “funcionário”, não “colega” — provou ser digno de se tornar um funcionário permanente. A partir do próximo mês, receberá o cobiçado “distintivo azul”. Nos dizem que sua ética de trabalho incansável, sua simpatia, flexibilidade e disposição para ajudar o restante da força de trabalho são os motivos para sua seleção. Somos informados de que ele demonstrou compromisso inabalável com a satisfação do cliente ao verificar consistentemente as datas de validade de cada produto antes de embalá-lo.

Aplaudimos alegremente o seu sucesso e a administração nos lembra que todos têm a chance de subir ao seu nível. Eles se comprometem a nos ajudar em qualquer coisa que possamos precisar para alcançar nosso verdadeiro potencial. Afinal, somos uma equipe de pessoas apaixonadas e altamente capazes. Revigorados e inspirados, retomamos nosso trabalho.

Covid-19 e a quebra da normalidade

A descrição acima dificilmente se ajusta aos principais relatos sobre os armazéns centros de distribuição da Amazon que são divulgados pelos movimentos sociais e meios de comunicação progressistas. Qualquer pessoa, mesmo remotamente interessada em questões de trabalho e resistência, já leu os relatos horríveis de funcionários sobrecarregados — engrenagens impotentes na busca incessante da enorme multinacional por lucros máximos — entrando em colapso pelo estresse, urinando em garrafas devido à pressão implacável de cumprir metas impossíveis.

As intensas operações de combate aos sindicatos feita pela Amazon, destacadas na recente campanha de sindicalização fracassada em Bessemer, provam que a gigante não está nem remotamente interessada no bem-estar dos trabalhadores. Sua parceria com a agência Pinkerton, famosa por matar trabalhadores em greve no final dos anos 1800, e seu esforço persistente para monopolizar todos os setores da economia em que puder colocar as mãos, completam a imagem da Amazon como a principal encarnação da superpotência distópica pós-moderna.

Essas questões são bem documentadas e constantemente combatidas com novas campanhas e iniciativas organizacionais. Mas trabalhar para a Amazon revela uma realidade mais complexa, que destaca as intenções subjacentes da corporação e como ela pretende moldar as mentes dos trabalhadores de amanhã. Agressão aberta, repressão e controle são apenas um último recurso em um projeto muito mais sombrio, que se tornou cada vez mais visível por causa das medidas adicionais introduzidas devido à pandemia no centro de distribuição em que eu trabalhava.

Ser um picker [selecionador, ao pé da letra] em um depósito da Amazon Prime no Reino Unido é uma tarefa aparentemente simples. Suas responsabilidades são pegar os produtos das prateleiras, colocá-los ordenadamente nas sacolas de papel necessárias para entrega aos clientes e, em seguida, reabastecer as prateleiras. Em cada um desses estágios, um dispositivo portátil informa tudo o que você precisa fazer: onde o produto está localizado, o que é o produto, se precisa de embalagem adicional e em qual sacola deve ser embalado. Em geral, o sistema foi regulamentado a tal ponto que dentro de algumas semanas os trabalhadores sabem tudo o que precisam para fazer o trabalho, e o gigante prossegue sem problemas com suas metas de produtividade.

O depósito em que trabalhei é o menor da Amazon no Reino Unido. Quando a covid-19 chegou, a necessidade de manter o distanciamento social em seus corredores extremamente estreitos significou que as notórias taxas de sucesso dos “pickers” da Amazon tiveram que ser temporariamente abandonadas. À medida que as encomendas aumentavam e a Amazon exibia toda a escala de seu repertório repressivo em outros locais, diziam-nos para relaxar, caminhar devagar e focar na manutenção do distanciamento social. Embora nossos superiores ainda tivessem acesso às nossas estatísticas de desempenho, ainda assim tivemos um período de serenidade que ficava em total oposição ao que existia em quase todos os outros locais.

Começamos a poder contar piadas com os gerentes e a ter tempo para algumas pequenas conversas enquanto cumpríamos nossas obrigações. Tudo isso, pelo salário comparativamente bom de £ 9,50 a hora, uma libra a mais do que o salário mínimo do Reino Unido. Entetanto, uma vez que o foco implacável na produtividade foi suspenso, revelou-se uma imagem clara das subjetividades dos trabalhadores que a Amazon está tentando criar.

Moldando o novo sujeito capitalista

Ao longo da história do capitalismo, os sistemas de gestão do trabalho mudaram significativamente. Em vez da pesada realidade fordista do emprego permanente em uma única indústria sindicalizada, da adolescência à aposentadoria, a maioria dos trabalhadores no Ocidente agora está experimentando a fluidez e a insegurança do emprego precário. Este regime de trabalho é caracterizado pelo aumento das agências de emprego, a falta de direitos trabalhistas, contratos temporários e a quase completa ausência de sindicatos.

Essas mudanças estruturais são acompanhadas por um foco intenso nos trabalhadores como indivíduos. Governos, sistemas educacionais e produção cultural promovem cada vez mais os valores do individualismo, empreendedorismo e da competição em uma corrida ladeira abaixo, onde os mais adaptáveis, os mais aptos e muitos obedientes sobrevivem para trabalhar no dia seguinte. A Amazon é o apogeu desse novo sistema.

A pequena celebração descrita acima trai alguns elementos importantes da real distopia por trás do sorriso patente da Amazon. Essas performances pretendem reforçar as crenças já sustentadas da Amazon sobre si mesma, seu propósito e sua identidade. Nesse sentido, cumpre um plano quase ritualístico. As paredes são forradas com slogans inspiradores e fotografias de “Associados do Mês” anteriores. Os presentes oferecidos aos funcionários como comida grátis e outras bugigangas têm o objetivo de mostrar o “apreço” de nosso chefe pelo nosso trabalho árduo.

Quando alguns trabalhadores são elevados acima do resto de nós por causa de seu trabalho árduo, obediência e “compromisso inabalável com a satisfação do cliente”, isso nada mais é do que um empregador reconhecendo as contribuições de um trabalhador para sua própria lucratividade. Mas na Amazon, isso é apresentado como um reconhecimento das qualidades pessoais do trabalhador.

À medida que participamos da torcida por esses trabalhadores, reforçamos coletivamente tanto as premissas subjacentes desta celebração quanto nossas próprias crenças de que um dia poderíamos ser nós em sua posição.

E precisamos estar em sua posição. Porque, como um recém-contratado na Amazon no Reino Unido, você não tem direitos ou segurança trabalhista. A empresa faz a contratação de pickers e embaladores exclusivamente por meio de agências de emprego. Isso isenta a empresa de toda responsabilidade para com seus trabalhadores e mantém o direito da Amazon de demiti-los quando quiser. Além de permitir que a empresa gerencie todas as suas operações sem se incomodar com direitos e bem-estar dos trabalhadores, essa precariedade também é uma excelente ferramenta para selecionar um grande número de indivíduos e reter os poucos selecionados que receberão o cobiçado distintivo azul, um contrato permanente.

Esses contratos são feitos diretamente com a Amazon (no lugar de uma agência) e incluem direitos trabalhistas, como seguro-saúde relativamente humano. Essa condição contrasta fortemente a dos trabalhadores temporários que são demitidos se ligam dizendo que estão doentes mais do que algumas vezes durante um período de seis meses. Os contratos da Amazon também incluem vários benefícios, como sessões de treinamento, que os trabalhadores podem acessar para subir na hierarquia ocupacional. Mais importante ainda, o distintivo azul protege os trabalhadores de demissões arbitrárias — uma vez que a pessoa “vence”, a Amazon não poderá mais se livrar dela de um dia para o outro. Como trabalhadores, este emblema é a nossa segurança e todos nós nos esforçamos para alcançá-lo.

Esse panorama é reforçado pelo compromisso de fachada da Amazon com ideais positivos, como diversidade e saúde mental. As paredes estavam forradas com frases como “Diversidade é a nossa força” e, de fato, o local de trabalho era o mais multicultural em que já me encontrei. Durante o Mês da História Negra, foram colocados pôsteres de personalidades negras “inspiradoras”. Claro, pessoas como Malcolm X não foram incluídas, mas Martin Luther King, Serena Williams e Oprah Winfrey foram. Curiosamente, uma citação de Angela Davis também foi incluída, demonstrando até que ponto o capitalismo pode recuperar de forma adaptativa algumas figuras radicais para se adequarem a seus projetos.

Compromisso semelhante foi observado em relação aos direitos LGBTI+. Em um vídeo que foi mostrado durante nosso treinamento inicial, fomos encorajados várias vezes a notificar nossos superiores se tivéssemos algum problema de saúde mental e tivemos a garantia de que teríamos apoio.

Longe de reproduzir o estereótipo da corporação opressora que participa da estigmatização racista, machista e homofóbica, a Amazon investe interna e externamente na promoção de uma imagem moderna de inclusão e tolerância. Essa meta faz todo o sentido: por que a maior multinacional do mundo perderia trabalhadores produtivos por conta de características que não impactam a lucratividade? Se você puder andar e se comunicar em inglês, está pronto para trabalhar lá.

Quando a mecânica das práticas de trabalho da Amazon é considerada em sua totalidade, a intenção por trás dessas celebrações ritualísticas, conforme descrevemos acima, torna-se visível. Toda a atuação tem como objetivo — e consequência direta — formar trabalhadores que agradecem a oportunidade de participar do fortalecimento de sua própria alienação. A Amazon consegue fazer com que os trabalhadores se esforcem, para competir uns com os outros, enquanto ao mesmo tempo mantém uma fachada de espírito coletivo e diversidade que usa para se defender contra a ameaça dos sindicatos e outros esforços de organização liderados pelos trabalhadores.

Muitos dos gerentes e supervisores que participam desse circo já passaram por ele como trabalhadores terceirizados. Eles não são dissimulados ou malvados. Simplesmente foram moldados de forma mais completa e, portanto, estão investidos em seu desempenho porque acreditam profundamente nele. Essa crença não se manifesta necessariamente em uma atuação encantada do estereótipo do “bom trabalhador”. De fato, muitos deles são críticos à Amazon e sua posição dentro dela. No entanto, na ausência de uma narrativa crítica e de oposição mais ampla, os “ideais” da empresa e as práticas de competição e esforço excessivo dos trabalhadores são naturalizadas.

O resultado é uma identificação subjetiva profunda com a opressão que sofremos e com os comportamentos exigidos de nós. Com o tempo, todos participam do circo. Como anarquista e organizador sindical que estava perfeitamente ciente do que acontecia ao meu redor, me peguei tentando trabalhar da forma mais eficiente possível para obter um reconhecimento e segurança que sempre pareciam a um passo de ser conquistados.

As conversas dos trabalhadores giram em torno do distintivo azul: quem merece, quem está trabalhando bem e quem não está, quem acredita que foi desprezado e quem está “enganando o sistema” ao tentar usar as relações pessoais para melhorar suas chances. A organização do trabalho ali depende fortemente da colaboração. Se, por exemplo, um trabalhador guardou um item incorretamente, isso afeta diretamente o próximo trabalhador que tentará retirá-lo. Isso significa que cada erro individual afeta negativamente as chances de todos de alcançarem a segurança no emprego.

Sob o verniz de felicidade e apoio, somos participantes de um sistema abrangente de individualismo e competição sutil, mas onipresente, que visa penetrar profundamente em nossa psique. Quanto mais você participa, mais você o reproduz com um sorriso no rosto.

O grau de crença e investimento dos trabalhadores nesta nova forma de identidade coletiva é, portanto, inversamente proporcional à possibilidade de até mesmo passar a considerar a organização coletiva. O foco nas qualidades individuais, combinado com um salário relativamente privilegiado e um ambiente de trabalho relativamente favorável, mascara as desigualdades estruturais que formam a base da experiência de trabalho na Amazon. Com o tempo, os trabalhadores aceitam a ideia de que devem provar-se dignos de direitos que antes eram considerados inegociáveis.

Tomados em conjunto, esses processos cultivam um ciclo vicioso de individualismo neoliberal que torna os sonhos coletivos não apenas impossíveis, mas inimagináveis.

Cultivando a imaginação radical

Contra a força esmagadora do ataque do neoliberalismo em todas as esferas da vida social e econômica, a maioria dos sindicatos no Reino Unido tem se mostrado terrivelmente inadequada. Baseados fundamentalmente em um modelo de organização que atendia ao estereótipo do trabalhador industrial fordista, masculino, eles têm sido incapazes de atender às necessidades da força de trabalho precária de hoje. Na Amazon, isso se demonstra de forma chocante por sua inexistência completa no local de trabalho ou próximo a ele. Embora as iniciativas de sindicalização global nos depósitos da Amazon sejam dignas de nota, a realidade na maior parte dos galpões do Reino Unido permanece sombria.

Mesmo nas semanas que antecederam uma importante greve coordenada dos trabalhadores da Amazon na Europa, não vimos um único folheto sindical ou representante do lado de fora nosso local de trabalho. A maioria dos trabalhadores não tinha ideia de que uma greve estava acontecendo. Em vez disso, quando a Amazon tentou conter a greve literalmente subornando sua força de trabalho, oferecendo uma soma única de 300 libras para funcionários permanentes e 150 para temporários, rotulando-a de “bônus”, a maioria dos funcionários entendeu que se tratava de mais um bem-vindo reconhecimento por seus esforços. Sem um sindicato para explicar aos trabalhadores por que recebiam essa verba, a empresa conseguiu usar a greve para reforçar sua hegemonia.

Os sindicatos deveriam dar poder aos trabalhadores, especialmente os segmentos mais explorados da força de trabalho. No Reino Unido, ocorre o oposto. Quanto mais precário alguém se torna, menor é a probabilidade de encontrar um sindicato em seu local de trabalho. A impermanência e a mobilidade aguda, associadas ao trabalho temporário representam uma dificuldade: mesmo que um sindicato tentasse organizar trabalhadores precários, enfrentaria profundas adversidades logísticas. Postos provisórios e a ameaça de demissão arbitrária tornam difícil construir a confiança necessária para envolver trabalhadores temporários em conversas sobre organização.

A presença engajada e empoderadora de sindicatos radicais e outros movimentos sociais em nossas comunidades é um primeiro passo essencial para começarmos a imaginar alternativas para esse abismo distópico. Visto que alcançar os trabalhadores em seus locais de trabalho não é apenas difícil, mas pode até mesmo colocar em risco seus meios de subsistência, o bairro surge, ao lado da fábrica, como um local crucial de luta. A mudança poderia começar pela realização regular de ações de divulgação, como piquetes e eventos em comunidades da classe trabalhadora, em vez dos centros das cidades – que podem garantir maior participação no papel, mas excluem grandes somas de trabalhadores sobrecarregados e empobrecidos.

No entanto, o engajamento a longo prazo e o questionamento da hegemonia neoliberal que é inculcada cotidianamente pelo trabalho em lugares como a Amazon só podem ser alcançados com o estabelecimento de centros sociais nessas comunidades. Por exemplo, o Centro de Trabalhadores Imigrantes em Montreal é um ponto-chave nas redes que fomentam a organização de trabalhadores precários e migrantes na cidade.

Outros exemplos de espaços sociais autônomos e radicais podem ser encontrados em todo o sul da Europa e são de importância inestimável para as lutas sociais. Isso inclui espaços sociais radicais como o K-Box em Atenas, que opera em muitas frentes, incluindo uma clínica de saúde autônoma e espaços para múltiplos movimentos sociais se organizarem. Em Madrid, a Fundação Anselmo Lorenzo, ligada ao sindicato radical CNT, é um espaço comprometido com a preservação da memória histórica e com a continuidade da educação política das massas. Esses são apenas dois exemplos de como os centros sociais conectam a ação social concreta e de oposição ao empoderamento prático e criativo.

Estabelecer um espaço radical nas comunidades da classe trabalhadora desafia diretamente sua fragmentação, estimulada pelas políticas neoliberais tanto no nível econômico quanto social. Nele, é possível que trabalhadores compareçam no momento que puderem e quiserem, em vez de desgastarem-se para marcar uma reunião ou evento em data definida. Em vez de tentar fazer com que as pessoas se envolvam em alguma propaganda abstrata, ele estabelece um diálogo sustentado com as comunidades a longo prazo. Também permite que sindicatos e movimentos forneçam oportunidades reais de empoderamento, por exemplo, realizando oficinas regulares sobre direitos trabalhistas.

Essas habilidades e conhecimentos permanecerão com os trabalhadores, independentemente de eles se tornarem ou não ativistas, e poderão fazer inclinar a balança diretamente a favor da classe trabalhadora, uma vez que esses saberes poderão ser compartilhados com amigos e parentes. Alguns deles se tornarão ativos e trarão as ideias e práticas para seus locais de trabalho. No Reino Unido, as iniciativas para alcançar a integração na comunidade já começaram, embora em pequena escala.

À medida que o monopólio de empresas como a Amazon se expande, empregando um número cada vez maior da força de trabalho total, esses espaços comunitários radicais tornam-se locais cruciais de autonomia política. Devemos estar bem cientes de que não estamos simplesmente lutando contra um maior empobrecimento das massas, mas contra a extinção gradual e completa de todas as possibilidades de imaginar alternativas. Estamos lutando com um monstro que tem recursos infinitamente melhores do que nós.

A questão passa a ser utilizar os recursos disponíveis com a máxima eficiência. Enquanto a Amazon continua seus esforços para convencer grupos cada vez maiores de trabalhadores de que não há alternativa, nosso tempo pode estar acabando. O estabelecimento de espaços físicos comuns, não como um projeto paralelo em outras atividades do movimento, mas como uma prioridade central, surge como uma necessidade inescapável para nossa libertação.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *