A poética de João Cabral escrita com o corpo

150702_joaocabral (1)
Ao transpor obras para o palco, Renato Farias decifra árida simbologia do autor pernambucano e se aproxima de seu corte seco, direto e afiado

Por Wagner Correa de Araújo | Imagens Carol Beiriz


João Cabral está em cartaz em curta temporada na Sede das Cias. aos sábados, domingos e segundas às 20h, rua Manuel Carneiro, 10 – Lapa, Rio de Janeiro, fone (21) 2137.1271. Até 13 de julho.

Há uma grande distância quando Shakespeare rima versos de suas tragédias pensando em teatro, atores e plateia e o uso da voz poética singular, transmutada da folha de papel ao palco.

E, quando se trata então de João Cabral de Melo Neto, como seria o dimensionar e o traduzir em cena o intransponível e o irredutível do seu pensar poético abstrato e quase hermético?

Esse espetáculo ocorre numa outra chave, ao contrário, por exemplo, da comunicabilidade emotiva imediata de uma Adélia Prado e que mereceu, da Companhia de Teatro Íntimo, uma de suas mais envolventes concepções [aqui].

Renato Farias, mesmo assim, aceitou o desafio de se aventurar na transposição cênica da emoção sob controle desse poeta-engenheiro. Nele cada um de seus “objetos poéticos” tem o corte seco, direto e afiado de uma lâmina.

Arriscando-se diante da complexa e superlativa inventividade composicional do universo cabralístico, buscou imagens associativas para a decifração da árida simbologia dessa metalinguagem e metapoesia.

TEXTO-MEIO

150702_elenco+mala (foto Carol Beiriz)

Habilmente soube transformar os poemas, quase físicos, em sensóricos elementos cenográficos (Melissa Paro), assim como caules de cana para o referencial pernambucano, e sonoridades (Diego Zarcon) e gestual flamenco (Eliane Carvalho) para as evocações sevilhanas. Além de malas explicando partidas e chegadas, entre dois mundos e um mar.

A materialização visual nos figurinos (Thiago Mendonça), da sintética e metafórica linguagem cabralina, consegue, ainda, uma adequada conotação na sensibilizada e enérgica entrega do elenco.

Intimista e mais personalista nos atores Caetano O’Maihlan, Rafael Sieg e Raphael Viana, no confronto com a sutil exteriorização coreográfica de Gaby Haviaras, que, “subida ao dorso da dança vai carregada ou a carrega?”

João Cabral, a peça, enfim, é uma identificação dentro/fora, poesia/teatro, performance/palavra poética, capaz de convergir paisagens díspares canaviais/praças de touros, Sevilha/Recife, e interagir palco/plateia, num clímax estético de “Educação pela Pedra” .

E aproxima-se, na imagética definição do próprio poeta: “é a que se sente ante um revólver/ e não se sente ante uma bala”.

TEXTO-FIM
The following two tabs change content below.

Wagner Correa de Araújo

Jornalista especializado em cultura, roteirista, diretor de televisão, crítico de artes cênicas. Dirigiu os documentários "O Grande Circo Místico" e "Balé Teatro Guaíra 30 Anos" . Participou como critico e jurado de festivais de dança e cinema, no Brasil e na Europa.