Covid chega ao maior campo de refugiados do mundo

Reportado primeiro caso de contágio no acampamento rohingya, em Bangladesh, com quase um milhão de pessoas. Estrutura sanitária precária e falta de leitos suscitam hipótese tenebrosa de contágio aceleradíssimo e fatal

Por Rodion Ebbighausen, na DW Brasil

Desde o início da pandemia, organizações internacionais de ajuda humanitária alertaram que um surto nos campos de refugiados do mundo pode ter consequências catastróficas. Para evitar esse cenário, Bangladesh praticamente isolou o campo de refugiados rohingya em Kutupalong desde o início de abril de 2020. A entrada e saída do campo foram restritas ao mínimo necessário. As medidas foram acompanhadas de bloqueios e patrulhas realizados pela polícia.

Organizações humanitárias como o Comitê Internacional de Resgate (IRC) e a Care da Alemanha se prepararam o melhor possível para um surto nas últimas semanas. A equipe médica foi treinada, foram instaladas estações de isolamento. Segundo o IRC, está prevista uma estação com 1.700 leitos, centenas dos quais já estão prontos para serem usados. Existe uma unidade de terapia intensiva com dez respiradores.

Primeiro caso confirmado

Alguns dias atrás, um refugiado se sentiu doente. Ele foi à enfermaria mais próxima, onde um médico suspeitou de covid-19, devido aos sintomas. Um teste foi enviado a um laboratório em Bangladesh, que confirmou a suspeita.

+ Em meio à crise civilizatória e à ameaça da extrema-direita, OUTRAS PALAVRAS sustenta que o pós-capitalismo é possível. Queremos sugerir alternativas ainda mais intensamente. Para isso, precisamos de recursos: a partir de 15 reais por mês você pode fazer parte de nossa rede. Veja como participar >>>

“O infectado, membro do grupo étnico rohingya, está sendo tratado em uma ala de isolamento num hospital da [ONG] Médicos sem Fronteiras. Seis membros da família estão em quarentena”, informou à DW Mohammad Mahfuzar Rahman, da comissão governamental para refugiados, que é responsável pelo campo de Kutupalong.

ONG Care faz trabalho de conscientização de distanciamento para refugiados

Desde então, o governo de Bangladesh e várias organizações de ajuda humanitária vêm trabalhando intensamente na reconstrução da cadeia de infecção. Com o caso confirmado, agora estão ameaçados mais de 855 mil refugiados no campo superlotado, além de mais de 440 mil residentes que vivem nas imediações. Houve casos fora do campo, mas o governo diz que esses estão sob controle.

Ajuda adicional necessária

“Apesar de todos os preparativos, um alastramento que seria catastrófico no campo dificilmente pode ser evitado sem apoio adicional”, alerta Manish Agrawal, diretor do IRC em Bangladesh. “As instalações médicas já estão superlotadas de qualquer maneira. Faltam os equipamentos necessários, equipe médica e espaço suficiente para tratar os doentes.”

As instalações sanitárias no campo já eram insuficientes mesmo antes da covid-19. Muitas famílias compartilham banheiros. Longas filas se formam diante das saídas de água potável e dos banheiros. Nas acomodações apertadas, manter distância é algo impensável. Em tais condições, uma disseminação rápida do vírus é inevitável.

“A densidade populacional é 1,6 vezes maior do que no navio Diamond Princess, no qual o vírus se espalhou quatro vezes mais rápido que em Wuhan, na China, durante o pico do surto”, explica Agrawal. Wuhan é a capital da província central chinesa de Hubei. Ali, o novo coronavírus Sars-Cov-2 foi descoberto pela primeira vez.

Conscientização é importante, mas difícil

Apesar de várias campanhas de informação na língua rohingya, Agrawal vê uma grande falta de conhecimento sobre a pandemia entre os refugiados. Isso também se deve às restrições da internet que Bangladesh impôs para conter a disseminação de boatos e informações falsas.

“As restrições de internet e de celulares no campo levaram à falta de informações precisas sobre o vírus e sobre como se proteger. As restrições também dificultam que as organizações humanitárias respondam rapidamente ao surgimento de um caso”, diz Agrawal.

O IRC não conseguiu confirmar à DW se a notícia sobre o primeiro caso confirmado já havia se espalhado no próprio campo de refugiados.

A organização de ajuda alemã Care endossa os apelos do IRC. A Care atua nos campos desde o final de 2017. Mais recentemente, a ONG distribuiu pacotes de higiene e equipamentos de proteção contra o vírus nos campos de refugiados.

“Os rohingya já sofreram traumas terríveis. Portanto, instamos a comunidade internacional a fornecer apoio financeiro para organizações de ajuda que trabalham em Bangladesh”, apela Deepmala Mahla, diretora regional da Care para a Ásia.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: