Argentina: taxar fortunas entra no centro do debate

Imposto teria irrisória taxa de 1 a 2% sobre patrimônio. Seriam US$ 3 bi a mais para atender as regiões mais afetadas pela pandemia. Medida visa também cobrir rombo de evasão fiscal no país: estima-se que cerca de US$ 235 bilhões não estão declarados

Em protesto em 2018 contra acordo com o FMI, manifestante segura placa pedindo “Basta de fome”

Por Fernanda Paixão, no Brasil de Fato

Um projeto que pretende aplicar um imposto único às grandes riquezas na Argentina deverá ser apresentado no Congresso Nacional ainda este mês. O imposto se aplicaria a cerca de 15 mil pessoas físicas e jurídicas no país, que pagariam o equivalente a cerca de 1 a 2% do seu patrimônio. Dessa forma, o Estado argentino arrecadaria aproximadamente US$ 3 bilhões, que serviriam para atender as regiões mais afetadas pela pobreza e pela crise agravada pela pandemia do coronavírus.

O assunto surgiu em abril, a poucos dias do anúncio do isolamento social, preventivo e obrigatório no país. Impulsionado pelo partido governista, Frente de Todos, o projeto foi encabeçado pelo deputado nacional Máximo Kirchner, filho da ex-presidenta Cristina Kirchner. Há uma expectativa no setor progressista de que o projeto avance devido à urgência dada a crise econômica, mas, assim como a pretensão de expropriar a cerealífera Vicentin, o projeto ainda está em discussão.

Entre o atual índice de pobreza que alcança 16 milhões de pessoas e os altos indicadores de fuga de capitais que o país tem atualmente, um imposto sobre as grandes fortunas é tão necessário quanto um desafio aos interesses dos mais ricos, que têm lançado uma forte campanha contra o projeto.

“É impossível sustentar a quarentena e encarar a recuperação sem uma contribuição dos que podem fazê-lo”, afirma a economista Eva Sacco, do Centro de Economia Política Argentina (CEPA).

“Os únicos que estão em condições de fazê-lo são as grandes fortunas que, em muitos casos, não só não perderam como se viram favorecidas com a quarentena. O Mercado Livre, uma das maiores empresas do país, multiplicou seu valor em poucos dias. Há enormes oportunidades de negócio para quem tem capital para investir, e vai haver muita concentração econômica. É mais que justo pedir uma contribuição a esses setores; mas não só por justiça, senão porque é a única alternativa possível para sustentar o isolamento e não ter uma situação como a que vive o Brasil, por exemplo”, reforça a economista.

Evasão fiscal

A Argentina já possui um imposto sobre bens pessoais, de maneira regular – e que, em linhas gerais, têm pouco impacto em termos de arrecadação –, o que não estaria relacionado ao imposto sobre as grandes fortunas.

A diferença foi definida em uma conferência sobre o assunto pela deputada e coautora do projeto Fernanda Vallejos (Frente de Todos): “O imposto sobre as grandes fortunas é de caráter extraordinário e seria pago uma única vez, e estaria diretamente relacionado à crise do coronavírus e às fortunas dos residentes que declaram sua riqueza no país”, disse.

Uma porcentagem muito elevada das riquezas se mantêm fora do país e/ou não estão declaradas, o que marca a problemática da fuga de capitais na Argentina. Estima-se que cerca de US$ 235 bilhões não estão declarados, segundo o relatório da equipe de Vallejos. Com isso, o Estado estaria deixando de arrecadar cerca de U$S 1,2 bilhões de bens pessoais.

“Entre as pessoas que compõem as parcelas superiores na escala de ingressos, 80% da riqueza declarada está fora da Argentina”, afirma Vallejos. “Ao mesmo tempo, fizemos um balanço entre os dados da contabilidade nacional e os registros fiscais e, da totalidade de ativos exteriorizados dos argentinos, 70% ou mais não estão declarados à fiscalização nacional.”

O economista Claudio Katz, integrante do coletivo Economistas de Esquerda, pontua que um dos argumentos da campanha da direita contra o projeto é, justamente, a pressão tributária já existente. “Dizem que a carga tributária já é elevada, o que é falso, porque a média da Argentina é menor que a média latino-americana e muito menor que qualquer país desenvolvido”, afirma. “Inclusive a Angela Merkel, em uma visita que fez ao presidente Fernández, disse, surpreendida, que pelos dados, os impostos sobre os patrimônios na Argentina são baixíssimos comparados aos da Alemanha.”

Repensar a distribuição de riquezas

Projetos similares são discutidos em outros países da América Latina, como Equador, Chile, Peru, e inclusive no Brasil, marcados pelo contexto do coronavírus. Essas propostas levantam debates sobre a desigualdade social da região, e deixam à mostra como operam essas estruturas, em grande evidência pela pandemia.

O médico sanitarista e militante peronista Jorge Rachid enfatiza: a dicotomia entre saúde e economia é falsa. “Nunca houve contradição entre saúde e economia. Os países que adotaram outras formas de combate à pandemia viram quedas no PIB similares ou maiores que as da Argentina.”

Para Rachid, o individualismo meritocrático do neoliberalismo se ampliou com a crise sanitária. “O trabalhador, que não pode evadir, paga 11% de aposentadoria, 3% de plano de saúde e 3% de PAMI [Programa de Assistência Médica Integral]; vai ao mercado e paga 21% de IVA [Imposto ao Valor Agregado]. Ou seja, o trabalhador paga diretamente 38% de impostos sobre seu salário. E os senhores das grandes fortunas não querem pagar 1% em função dessa situação de emergência”, aponta.

Nesse sentido, abre-se também o debate sobre uma reforma tributária mais ampla, para além do projeto de imposto sobre as grandes fortunas. “Os trabalhadores, os pequenos empresários, as mulheres, já fizeram todo o possível resignando ingressos, ficando em casa – em muitos casos, fechando as empresas e perdendo seus trabalhos.”, diz Sacco.

“Temos que reformar nosso sistema tributário, gerar maior arrecadação na ponta da pirâmide, tirar pressão do meio e incrementar as transferências à base. Essa será uma das ferramentas fundamentais para crescer ao fim da crise. Não é a única, e ela não é suficiente. Mas é, sim, fundamental.”

Enquanto aspectos técnicos e práticos do projeto do imposto sobre as grandes fortunas ainda estão em discussão e negociação, debates como a distribuição de riquezas surgem como um novo cenário, segundo Rachid. “A pandemia provocou a recuperação do Estado como ordenador social e deslocou o mercado. É um conceito muito forte”, reflete, acrescentando o aspecto da solidariedade como outro importante resgate que marcaria a derrota do capitalismo. “Vamos confrontar uma Argentina colonial, oligárquica, trapaceira, contrabandista, ‘fugadora’ de capitais, com um povo argentino que quer recuperar o marco solidário social, conforme votou em outubro de 2019.”

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: