O Pinheirinho visto pela ciência política clássica

[Março] Por distintos motivos, Hobbes, Locke e Montesquieu condenariam sem vacilar a brutalidade do governo paulista. Mas… e Maquiavel?

Por distintos motivos, Hobbes, Locke e Montesquieu condenariam sem vacilar a brutalidade do governo paulista. Mas… e Maquiavel?

Por Luís Fernando Vitagliano

Segundo Thomás Hobbes o estado moderno deve ser como um Leviatã, com todos os poderes opressores possíveis. Detentor da força e da capacidade de submeter seus cidadãos ao poder das suas opressões. Mas um bom leitor de Hobbes vai se lembrar do contrato social ao qual até mesmo o rei deve se submeter. Todo estado moderno deve levar em consideração que os cidadãos abram mão da sua liberdade e ganhem com isso segurança. Contra a barbárie de uma guerra de todos contra todos, da sujeição do homem ao egoísmo do próprio homem, nasce o Leviatã, o estado, aquele aparato que vai impor ordem à sociedade. E mesmo nesta proposta hobbesiana de política, onde o estado é monárquico e absoluto há uma única possibilidade de desobediência civil: quando o estado não dá segurança aos seus cidadãos, os cidadãos têm o direito de questionar a autoridade do rei.

Porém, devemos entender segurança no seu sentido mais amplo: segurança alimentar, segurança civil, segurança contra ameaças internas e externas à vida dos cidadãos, e também segurança de que se pode ter uma vida plena para realizar tranquilamente o trabalho e a devoção a Deus (Hobbes era um dedicado cristão). Enfim, para resumir a teoria hobbesiana, se não é por todas essas funções exercidas pelo estado em nome da segurança, por que uma pessoa trocaria sua liberdade? Justificam-se, em consequência, as atitudes que confrontam as ações do estado, quando ele não garante condições dignas de segurança social.

John Locke, um dos pais do liberalismo moderno e talvez a principal referência clássica aos federalistas da Constituição americana defende que a propriedade privada deve ser resguardada em todos os casos. Para isso, não há exceção. A propriedade privada, fruto do trabalho e da dedicação do homem na transformação da natureza, deve ser defendida como o direito fundamental de qualquer sociedade política. Para Locke nenhum direito está acima deste. Para defender sua propriedade, uma pessoa pode até mesmo desobedecer as regras impostas pelo Estado. Todos os cidadãos têm direitos e deveres, mas nenhum direito pode se impor ao direito da propriedade, porque Locke entende que ela é fruto do trabalho e a dignidade de quem trabalha deve ser defendida a todo o custo.

E quando conquistamos propriedades ilicitamente, sem o uso do trabalho? Nem mesmo Locke defende este regime de propriedade. O estado, para ele, deve se preocupar exclusivamente com isso: as garantias das valorizações do trabalho como forma de resguardar a propriedade. Que ninguém use da força ou de poder para levar vantagens sobre ninguém e que simplesmente seja preservada a liberdade de fazer.

Dos liberais, o mais marcante cientista político clássico é Jean Jaques Rousseau. Sua obra é uma mistura de ensaios com defesas engajadas da emancipação humana. Rousseau teve influencia fundamental na Revolução Francesa e foi sem dúvidas um dos intelectuais mais lidos para a formação das noções da república moderna. No seu Discurso sobre as origens e fundamentos da desigualdade entre os homens, defende que, nas várias fases do desenvolvimento das sociedades humanas, a desigualdade começa a aparecer quando se cria a noção de propriedade privada. Neste momento os governos garantem que a divisão entre ricos e pobres preserve-se, assim como a divisão entre governantes e governados.

No Contrato Social, Rousseau não aceita que os homens entreguem sua liberdade aos dirigentes. Liberdade, Igualdade e Fraternidade. Azul, Branco e Vermelho são os lemas da Revolução Francesa que colorem a bandeira daquele país e que se baseiam nas noções de pensadores clássicos como Rousseau (principalmente), Montesquieu, Diderot, d’Alembert, Voltaire etc. A ideia de república é a mesma: que o público se coloque acima dos interesses individuais. Para a filosofia política francesa, os interesses republicanos valem mais que os interesses privados.

Levando em consideração esses filósofos clássicos, há uma clara diferença entre a ciência política francesa e a saxônica. Enquanto as constituições inglesa (monárquica) e norte-americana (federalista) simplesmente versam sobre os direitos e deveres individuais, a constituição republicana francesa fala do universalismo dos direitos e das garantias básicas dos cidadãos. Pensa a sociedade de forma coletiva e universalizada, com garantias que devem sobrepor o coletivo ao individual.

O Brasil foi nitidamente influenciado pelo Estado de Direito francês onde a universalidade de direitos se impõe aos individualismos é a base da Constituição Federal. É só lembrar que a Carta Magna de 1988 foi batizada de “Constituição Cidadã”, dada a abrangência com que garantia direitos sociais aos brasileiros.

Não foi despropositado este longo exercício de memória da ciência política clássica e dos filósofos políticos. Se tomarmos esses pensadores para falar da recente crise da reintegração de posse dos moradores de Pinheirinho, nada do que se defende em relação à reintegração pode ser fundamentado.

Primeiro, o estado brasileiro tem obrigação de garantir aos cidadãos condições mínimas de direito. A tomar pela Constituição do estado republicano brasileiro, não podemos condenar comunidades que tentam, por meio da desobediência civil, garantir seu direito a moradia, educação e saúde. Hobbes poderia dizer que no Brasil o dever fundamental do estado em garantir segurança aos seus cidadãos não é cumprido e isso os desobriga de cumprir com o contrato social.

Locke, sobre o caso de Pinheirinho, diria que aquele espaço não foi conquistado com base no trabalho, mas em manobras de especuladores e criminosos do colarinho branco. E se os moradores locais trabalharam e promoveram benefícios ao lugar, construindo sua casa com seu próprio trabalho, isso deve ser mais valorizado que o termo de posse conquistado com base em manobras jurídicas. Rousseau argumentaria que o direito republicano dos cidadãos torna-os obrigados a contrariar o governo e que a propriedade privada neste caso é antirrepublicana.

No curso básico de pensamento político clássico, ainda teríamos uma discussão sobre Maquiavel. Bem, o caso de Pinheirinho, visto sob a ótica maquiavélica, é um exemplo de como o Príncipe não deve se comportar. Precipitada, mal dirigida, escandalosa e desnecessária foi a reintegração de posse. Provocou crise com os moradores, tornou-se manchete dos veículos de imprensa, desgastou a relação entre governo estadual e federal. Então, usando a frase famosa e maquiavélica: os fins justificam os meios? Engana-se que responde sempre sim. Em geral não, os fins justificam os meios somente quando esses fins levam em consideração o bem público. A reintegração de posse foi muito mais um exercício exagerado de autoridade, que não fez com que o Príncipe fosse amado ou respeitado, mas odiado. Ou seja, nenhuma das lições contidas em Maquiavel foi assimilada neste caso e a real politik foi abandonada em função de interesses absolutamente obscuros.

Falando especificamente da experiência brasileira, qualquer pessoa minimamente envolvida com as políticas de urbanização e desocupação de zonas irregulares sabe que os procedimentos são diferentes. Em primeiro lugar, quando se trata de uma ocupação irregular, a única justificativa plausível para a retirada das famílias é se o terreno é uma área de risco ou um espaço de preservação ambiental. Encostas e regiões ribeirinhas ocupadas não são prioridades dos ocupantes. O Estado deve providenciar a desocupação.

De outro lado, quando a região não é de risco, outras atitudes devem ser cogitadas e a primeira delas é considerar a manutenção das famílias nos locais e a urbanização das áreas, com a iluminação pública, a abertura de vias de trânsito, a regularização do fornecimento de água e luz e a garantia de tratamento do esgoto. Remoção das famílias tem que ser negociada, combinada, acertada e garantida com outras possibilidades. Se não acontece desta forma, o governo esta suscetível às criticas e o motivo é bastante simples: é obrigação de o Estado gerar moradias antes mesmo de garantir o direito de acumulação para especuladores. Alguém duvida dessa hierarquia em relação às prioridades de direitos?

A propaganda em favor da barbárie promovida pela desocupação tenta inverter a culpa e levar a população a crer que quem está em favor da comunidade do Pinheirinho é arruaceiro, quer rasgar a Constituição, não quer saber dos direitos na sociedade. Mas se levarmos o direito republicano a sério é justamente o contrário: defender a comunidade do Pinheirinho é defender a Constituição e os direitos sociais no Brasil – apesar de o Estado querer convencer as classes médias a defender o interesse de alguns poucos privilegiados.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

8 comentários para "O Pinheirinho visto pela ciência política clássica"

  1. Ana Luísa disse:

    Magnífico seu texto Luís Fernando Vitagliano. Reconfortante também. Como moradora da cidade de São José dos Campos vivo a angustiante indiferença dos joseenses face a “precipitada, mal dirigida, escandalosa e desnecessária reintegração de posse” do Pinheirinho.

  2. Paulo disse:

    Muito bom !!! E todos os autores-pensadores citados devem ser relembrados (e relidos) na atualidade, quando balizas mínimas de convívio social e deveres do estado se perderam.

  3. Mariana disse:

    Sensacional esse texto.

  4. Fabiano disse:

    Caro autor,
    Para entendermos melhor esta questão é necessário recorrer a outro autor, também clássico, Karl Marx, quando ele afirma que o Estado é um instrumento de poder das classes dominantes. Portanto, primeiramente, precisamos identificar quais são os interesses que permeiam a questão para entender porque o estado agiu de tal forma.
    Segundo, Maquiavel não escreveu sua obra “O Príncipe” para que um líder seja amado, ele o fez para que um líder não perca seu poder, mesmo que para isso seja odiado. E ainda ressaltou que se tiver que fazer um mal, que não o faça aos poucos, pois quanto mais fizer parte do cotidiano das pessoas tal mal, mais tempo demorará para ser esquecido, fazendo de um só golpe, mais rápido será esquecido.
    Portanto, para que não perca o poder, este governante, atendendo aos interesses dos grupos dominantes, fez algo que trouxe danos ao povo, mas procurou fazer o mais rápido, para que caísse no esquecimento mais rapidamente. E só não foi mais rápida a ação porque estamos num contexto democrático, com um série de garantias legais, amparo judicial que retardou tal ação.
    Não estou defendo este governante, porque ele não cumpre um requisito elementar da democracia, nosso contexto atual, ele é representante do povo, teórica e legalmente. Em outras palavras, o que deveria ser.
    Mas do ponto de vista científico, ou seja, deixando de lado valores, opiniões, gostos, desejos, preferências e sonhos, ou seja, fundamentado na realidade, e se identificando e objetivando quais são os interesses ocultos nesta ação “Pinheirinho”, ele agiu corretamente, pois se tinha que agir de tal forma para garantir o poder, ele o fez com rapidez, pois quanto mais demorasse, mais desgaste a sua imagem traria.
    E digo mais, fez na hora certa, pois tem 3 anos para apagar ainda mais da memória do povo o feito enérgico.

  5. Seu discurso foi além de perfeito, foi tempestivamente atualizado e redireciona ideias conceituais para a sociedade moderna. Parabéns!

  6. Lauro A L disse:

    Esse texto bem deveria ter o subtítulo “Carta aberta ao governador Geraldo Alckmin e a juíza Márcia Faria Mathey Loureiro”.
    Nunca havia visto uma imagem de intelectualidade e justiça se desfazerem tão rapidamente.
    São Paulo mais do que outros Estados, vem substituindo a Polícia Militar por uma polícia militarizada (em geral mal paga, mal preparada, que não segue hierarquia militar); mas preparada sim para guerra a qualquer momento contra seu concidadão. Uma medalha. Pronto.
    A mídia padrão faz seu trabalho padrão. Pronto.
    Pronto, tudo resolvido. Quem vai lembrar “desses pobres” daqui alguns anos? Quem vai lembrar daquele discurso politiqueiro sobre moradia? Quem?
    Daqui a 16 anos, pelo menos, quando as crianças que foram expulsas do Pinheirinho – mesmo que no ventre – forem convocadas a votar, do que se lembrarão?

  7. Um pouco de formação política, para começarmos bem o ano.

  8. Lauro Leite disse:

    Acabei de assistir o Helicoca.
    E juntar esses dois assuntos é assustador o resultado.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *