Guerra, realidade que bate à porta

Em novo livro, José Luís Fiori analisa o acirramento das disputas geopolíticas e, no plano interno, um possível retorno dos militares brasileiros ao poder. Afinal, as formas pacíficas de resolução pacifica de conflitos estariam superadas?

LANÇAMENTO:
Sobre a Guerra, de José Luís Fiori
Sábado, 23/3, às 16h, em São Paulo
Tapera Taperá: Av. São Luís, 187 (Galeria Metropole), 2º andar
Leia os textos publicados pelo autor em Outras Palavras

Na tarde de sábado, 23 de março, o professor da UFRJ José Luís Fiori, fará o lançamento em São Paulo do último livro que organizou, Sobre a Guerra, publicado pela Editora Vozes.

Temos visto um acirramento das disputas no cenário internacional. A China desponta com seu acelerado desenvolvimento tecnológico e com uma arrojada geoestratégia que envolve países da Europa. A Rússia vê reascender certa animosidade com os EUA enquanto ensaia manobras militares na Venezuela. Os americanos mantém sua presença militar em diversos países e não podem esconder o desastre da Síria.

Sem dúvida as placas tectônicas da geopolítica internacional estão se movendo e não sabemos de antemão qual será sua nova configuração. Por isso, é mais que oportuno o lançamento de Sobre a Guerra, livro organizado por José Luís Fiori. Um dos mais argutos observadores da geopolítica, Fiori nos permite escapar dos imediatismos das análises fáceis.

+ Em meio à crise civilizatória e à ameaça da extrema-direita, OUTRAS PALAVRAS sustenta que o pós-capitalismo é possível. Queremos sugerir alternativas ainda mais intensamente. Para isso, precisamos de recursos: a partir de 15 reais por mês você pode fazer parte de nossa rede. Veja como participar >>>

Em Sobre a Guerra, estudiosos enfocam o tema da guerra sob diversas perspectivas (econômica, geopolítica, histórica e mesmo ética). Discutindo o conceito sob diversas perspectivas e analisando suas implicações, o livro pode lançar um olhar não apenas para a História como também para as possibilidades com que nos defrontamos em meio a esse rearranjo de forças externas e internas, estas últimas representadas pelo inegável retorno dos militares ao comando do Estado brasileiro.

Estariam mesmo superadas as formas não belicosas de resolução de conflitos?

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: