Cabra marcado para morrer e o Brasil inacabado

Debate sobre aclamado filme de Eduardo Coutinho inaugura o Cineclube Sílvio Tendler, organizado por lideranças sociais e culturais que propõem rediscutir obras-primas da cultura nacional e organizar uma Semana de Arte Moderna de 2022

Hoje, 31/3, às 19h debate sobre o premiado filme-documentário “Cabra marcado para morrer, de Eduardo Coutinho, realizado pelo Cineclube Silvio Tendler. Para assistir ao filme, antes ou depois do debate, aqui

O “Cabra marcado para morrer” é verdadeiramente uma obra-prima. Um filme único no cinema mundial. Um dos ícones máximos brasileiros. Sistema originalíssimo. Não se limita a documentar os fatos mas cumpre um papel ativo no andamento da história. Retrato implacável de fato do Brasil profundo e injusto. Mostra que a democracia interrompida em 64 e depois retomada no sopro da abertura em 1981 reúne o inacabado com o acabado. A família dilacerada e arrasada de Elizabeth Teixeira volta a poder se reencontrar dentro de um vento de esperança. O correr do tempo é misterioso. O mágico se mistura com o trágico fazendo as imagens viverem e serem modernas. Filme obrigatório e atual.

Foi por isto que foi escolhido para inaugurar o Cineclube Sílvio Tendler.

Este Cineclube é organizado por lideranças sociais e culturais interessadas em reinventar o Bicentenário da Independência e a realização da Semana de Arte Moderna de 2022.

Prestam uma homenagem ao cineasta premiado Sílvio Tendler na ideia de contribuir para que o conhecimento, as artes e a cultura sejam o fio invisível de união dos brasileiros para que o País possa se reencontrar e mudar de pele.

Confira a programação do cineclube:

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: