em defesa do SUS e de sua transformação

Suely Rolnik

Psicanalista, crítica de arte e cultura, curadora. Professora Titular da PUC-SP e, desde 2007, docente convidada do Programa de Estudios Independientes do Museu de Arte Contemporáneo de Barcelona. Em 2008, foi docente convidada do Master Oficial en Historia del Arte Contemporáneo y Cultura Visual, Universidad Autónoma de Madrid e Museo Nacional Centro de Arte Reina Sofía e pesquisadora convidada pela Fondation de France, no Institut National de l'Histoire de l'Art. Viveu exilada em Paris de 1970 a 1979 onde graduou-se em Filosofia e Ciências Sociais na Université de Paris VIII, e fez graduação, mestrado e DESS em Ciências Humanas Clínicas na Université de Paris VII. Doutorou-me em Psicologia Social pela PUC-SP, em 1987. Sua investigação enfoca as politicas de subjetivação em diferentes contextos, abordadas de um ponto de vista teórico transdisciplinar e indissociável de uma pragmática clínico-política. Desde os anos 1990, atua sobretudo no campo da arte contemporânea. É fundadora da Rede Conceitualismos do Sul, composta de 50 investigadores latino-americanos. Autora, entre outros, de Manifeste Anthropophage / Anthropophagie Zombie (Paris : Black Jack éditions, 2012), Archivmanie (Berlim: HatjCantz/Documenta 13, 2011), de Cartografia Sentimental. Transformações contemporâneas do desejo (Estação Liberdade, 1989; 2a Ed. Sulinas, 2006, 5a Ed. 2011) e, em colaboração com Félix Guattari, de Micropolítica. Cartografias do desejo (Vozes, 1986, 11a ed. 2011), cuja 7ª ed. revista e ampliada (2005) foi publicada em sete países

Em Outras Palavras: