Os Sertões do Teatro Oficina

Na quarentena, novas formas de conectar o público com o poder do teatro. A longeva companhia dirigida por Zé Celso inaugura a TV Uzyna, com transmissões dos cinco capítulos da peça adaptada do texto de Euclides da Cunha

Por Simone Paz e Teatro Oficina Uzyna Uzona

O Teatro Oficina estava prestes a começar uma nova e curta temporada de duas peças: O Bailado do Deus Morto e Roda Viva. A única forma de subsistência da companhia é, há anos, a bilheteria graças ao público.

Porém, estourou a crise do coronavírus, e as sessões foram canceladas. Como o Oficina é parceiro de Outros Quinhentos — e ficamos um pouco sem contrapartidas por aqui, já que dependemos de restaurantes, bares e casas de música e shows, que no momento, estão com as atividades suspensas — trazemos a maravilhosa invenção de nossos amigues do teatro:

Os cinco episódios de Os Sertões, que duram 810 horas, no total, baseiam-se no texto de Euclides da Cunha e têm direção de Zé Celso. As gravações foram feitas ao longo dos sete anos em que a companhia se dedicou à obra.

Cada uma das cinco partes da história foram registradas por profissionais de direção e diretores de fotografia diferentes: “A Terra”, por Tommy Pietra, “O Homem I”, por Fernando Coimbra, “O Homem II”, por Marcelo Drummond e Gabriel Fernandes, “A Luta I”, por Elaine César e “A Luta II”, por Eryk Rocha e Pedro Paulo Rocha; e todas as cenas foram filmadas por 11 câmeras móveis durante as apresentações das peças.

Agora, está tudo disponível durante a quarentena, na TV Uzyna, assista:

O Teatro pede a contribuição espontânea de quem pode doar alguma quantia para manter a companhia viva em tempos duros. Basta clicar aqui ou seguir nas redes para mais detalhes.

Deixamos com vocês alguns trechos das cartas do Teatro Oficina sobre a quarentena do teatro e sobre a ideia de lançar Os Sertões em plataforma digital:

a associação teat(r)o oficina uzyna uzona, ligada no aqui agora da vida, se alinha ao movimento de contenção do avanço do covid-19, e anuncia a suspensão momentânea das temporadas de RODA VIVA y O BAILADO DO DEUS MORTO

[…] somos um teatro de multidão, do phoder do coro e da presença Y DA CURA DE TODAS AS PESTES.

por isso, invocamos a força das multidões neste recuo sertanejo, estratégico, de cuidados vitais.

para derrubar esse estado fascista e autoritário será preciso alegria, coragem y saúde. é bastante doloroso pra nós – q estamos sentindo o retrocesso político, econômico, cultural, ecológico-ambiental – não estar em cena agora.

também nos preocupa gravemente a violenta instabilidade financeira a que estamos todxs submetidxs, nós, no oficina, contamos com as bilheterias para manter os mais de 60 membros dessa cia.

agora, sacudindo o pânico pra fora do cavalo, entendemos que suspender os trabalhos neste momento é uma ação coral de precaução.

práticas de cuidado são práticas de vida. que o único contágio que tome o brasil seja o da força da insurreição dos povos contra o que nos mata, condena y sufoca.

estamos juntxs!

a força da nossa arte, que é também a nossa flecha de ação, está tesa no arco, prestes!

“calma, calma, logo mais a gente goza. perto do osso a carne é mais gostosa.” salve leminski.

14 de março de 2020

ethernidade de marielle

———————–

quem abre alas em meio a peste é a força guerreira d Os Sertões – Os Filmes!
[…] lançamos nossa TV UZYNA, nosso fogo y nosso fôlego. a TV UZYNA será uma das formas de atravessarmos as barreiras do isolamento para dizer uns aos outrxs que estamos aqui, y que na força do coro, das multidões ligadas eletricamente, vamos lançar a flecha do feitiço pra segurar o céu sobre as nossas cabeças.
o sertão é o cosmos.
“a luta pela vida, que nas florestas se traduz como uma tendência irreprimível para a luz, desatando-se os arbustos em cipós, elásticos, distensos, fugindo ao afogado das sombras e alteando-se presos mais aos raios do Sol do que aos troncos seculares – ali, de todo oposta, a luta é mais obscura, é mais original, é mais comovedora” (Euclides da Cunha, Os Sertões – A Terra).

———————–

Programação:

SÁB 21 MAR 21h – A TERRA (legendado em português)

DOM 22 MAR 21h – A TERRA (legendado em inglês)

QUI 26 MAR 21h – O HOMEM 1.1

SEX 27 MAR 21h – O HOMEM 1.2

SAB 28 MAR 21h – O HOMEM 2.1

DOM 29 MAR 21h – O HOMEM 2.2

QUI 2 ABR 21h – A LUTA 1.1

SEX 3 ABR 21h – A LUTA 1.2

SÁB 4 ABR 21h – A LUTA 2.1

DOM 5 ABR 21h – A LUTA 2.2

ATENÇÃO: depois da exibição os filmes ficam online durante toda a quarentena

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *