Em 2020, novo teste para a democracia ameaçada

Eleições como a de Trump e Duterte acenderam holofotes sobre o papel manipulador do Facebook, Twitter e Google. Em 2020, novos pleitos irão ocorrer em mais de 60 países. Plataformas prometem autorregular-se. Alguém acredita?

Por Siva Vaidhyanathan, no The Guardian, traduzido pelo Jornal GGN

Entre as eleições de dezembro de 2019 no Reino Unido e as eleições de novembro de 2020 nos Estados Unidos, as principais plataformas de tecnologia global vão provavelmente se esforçar para neutralizar as chamadas para a sua regulamentação ou desmembramento.

Sob a rubrica paradoxal da “autorregulação”, o Facebook, o Twitter e o Google já estão considerando maneiras de parecer responsáveis ​​e protetores da integridade dessas duas eleições. O Twitter prometeu parar de exibir anúncios políticos, e o Google e o Facebook estão pensando em suspender a segmentação precisa de anúncios políticos.

Em 2016, o Facebook desempenhou papéis fundamentais na eleição de Rodrigo Duterte nas Filipinas, no referendo do Brexit e na vitória do colégio eleitoral de Donald Trump nos Estados Unidos.

+ Em meio à crise civilizatória e à ameaça da extrema-direita, OUTRAS PALAVRAS sustenta que o pós-capitalismo é possível. Queremos sugerir alternativas ainda mais intensamente. Para isso, precisamos de recursos: a partir de 15 reais por mês você pode fazer parte de nossa rede. Veja como participar >>>

Os choques de 2016 despertaram jornalistas e reguladores para as maneiras pelas quais as mídias sociais comprometem a democracia. Após uma década de proclamações superficiais de seu potencial democrático, fica claro que o Facebook , o Twitter e o Google são, de fato, grandes ameaças à democracia.

Primeiro, seus serviços de publicidade direcionada separam qualquer senso de responsabilidade democrática das campanhas e partidos que os implantam. Os anúncios alcançam apenas os olhos para os quais são destinados – e, portanto, nunca enfrentam escrutínio ou resposta de adversários, críticos ou jornalistas.

Segundo, seus algoritmos ampliam conteúdo divisivo e emocionalmente desencadeador que pode distrair ou enojar os eleitores e minar sua confiança nas políticas democráticas, instituições e minorias étnicas ou religiosas.

E terceiro, o Facebook, Twitter e Google são projetados para motivar as pessoas a fazer coisas como comprar ou votar. Eles comprometem os esforços para deliberar ou pensar profundamente sobre os problemas. As democracias precisam de motivação e deliberação.

O destino de Trump – que assumiu o cargo em 2016, em parte pelo poder do Facebook de motivar e organizar seus principais partidários nacionalistas brancos – preocupa críticos e defensores do Facebook, Twitter e Google.

Mas mais de 60 países realizarão eleições em 2020. O Facebook e o Google serão variáveis ​​importantes em quase todos eles. A primeira dessas eleições será em janeiro, em Taiwan, onde mais de 89% dos adultos usam o Facebook regularmente – uma porcentagem muito maior do que quase qualquer outro país. De olho na agitação em Hong Kong e na brutalidade do governo do continente em relação a grupos muçulmanos no oeste da China, as tensões serão altas. Espera-se que agentes da República Popular da China inundem o Facebook com propaganda.

Outras eleições de 2020 em que o Facebook e o Google provavelmente desempenharão um papel incluem as da Polônia, Grécia, Moldávia e França. As eleições para o Senado na França provavelmente serão inundadas pela propaganda de forças etno-nacionalistas no país e por esforços antinacionais da União de fora. As eleições parlamentares na Sérvia, Lituânia, Geórgia, Peru e Venezuela também são preocupantes.

Mas países desenvolvidos como a França e os EUA devem poder cuidar de si mesmos. Suas esferas públicas são robustas e diversas. Os cidadãos de ambos os países têm muitas fontes de informação e muitas maneiras de se comunicar. Apesar de ver seus dois principais partidos do pós-guerra desmoronarem nos últimos anos, os eleitores na França conseguiram manter os protofascistas fora do poder na maior parte do país. E a impopularidade de Trump é firme, generalizada e pode crescer à medida que os esforços de impeachment progridem.

Em vez disso, deveríamos atender a lugares onde os cidadãos não têm quase nada além do Facebook, para ver seus países, governos e o mundo.

Mianmar e Sri Lanka realizarão eleições parlamentares em 2020. Ambos os países também têm maiorias budistas que se tornaram violentas e defensivas nos últimos anos. O Sri Lanka emergiu apenas recentemente de uma década de guerra civil contra sua minoria tâmil, principalmente hindu. Em Mianmar, os nacionalistas usam o Facebook para alimentar a hostilidade contra um grupo étnico muçulmano minoritário, os Rohingya.

Apesar de anos de pedidos e advertências de grupos de direitos humanos, o Facebook não conseguiu fazer grandes mudanças na maneira como opera no Sri Lanka ou em Mianmar .

Em um esforço para impedir um sério escrutínio regulatório na Europa e na América do Norte, os três grandes grupos – Facebook, Twitter e Google – recentemente se propuseram a propor várias reformas internas. No entanto, seus esforços foram concentrados nas experiências de europeus e norte-americanos.

Não julgue seus esforços pela maneira como as coisas vão para Donald Trump em 2020. Olhe para Taiwan, Sri Lanka e Mianmar.

Gostou do texto? Contribua para manter e ampliar nosso jornalismo de profundidade: OutrosQuinhentos

Leia Também: